sábado, 31 de dezembro de 2016

2017...


“Adeus ano velho, feliz ano novo, que os sonhos se realizem no ano que vai nascer, muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.” Caros leitores, outro ano civil já está às portas e esta pequena frase que inicia o artigo a qual faz parte de uma música muito lembrada nas comemorações da virada do ano é muito cantada por estes dias. Em meio a muitas festanças e bebedeiras, abraços e beijos é preciso mais uma vez lembrar, que o puxão de orelha sempre é necessário. Afinal, este tipo de lembrete a Mãe de Deus tem feito ao longo de toda a história da humanidade em suas aparições, sempre para nos fazer recordar que o Evangelho de seu filho Jesus não tem sido seguido desviando assim, com seu comportamento, o ser humano do caminho, da verdade e da vida (João 14,6).

Dar adeus ao ano que passou, deixar para trás os erros, mas com eles aprender. Receber o ano que se apresenta com um olhar e propósitos positivos, verdadeiros e divinos. Desejar que os sonhos se realizem não significa cruzar os braços e esperar sentado. Sobretudo é preciso transformar os sonhos em metas e sobre elas estabelecer objetivos, mas sobretudo ainda, buscando primeiro o reino de Deus e a sua justiça, pois, como nos ensina Jesus, tudo mais nos será acrescentado (Lucas 12,31). Quanto ao dinheiro, lembremos que ele precisa nos servir e não nos escravizar pois, assim com essa perspectiva e olhar, muito dinheiro no bolso significará muita oportunidade de servir ao próximo e não a satisfação egoísta de prazeres mundanos. Muita saúde é um desejo podemos dizer da maioria das pessoas, pois bem sabemos que na falta da saúde tantas outras coisas não podem ser realizadas. Porém, com saúde o que faremos? Vamos refletir:

“Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz!
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver dúvida que eu leve a fé.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado;
Mais compreender que ser compreendido;
Mais amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe;
E perdoando que se é perdoado;
É morrendo que se vive para a vida eterna!”

Belíssimas palavras são estas que compõe a oração de São Francisco de Assis. Este santo que em sua extrema radicalidade em seguir o evangelho, seguia fielmente os passos do nosso salvador, provando até mesmo para o papa de sua época que é possível sim, viver como nos pede Jesus. Este santo que inspirou e encorajou a muitos, fundou sua ordem e deu belíssimos testemunhos de amor a Cristo. Façamos como os santos e santas de Deus, verdadeiros heróis da fé, que já trilharam pelo caminho que Jesus deixou. Não é necessário percorrermos um caminho nosso e isso nem é possível, já nos alertou Jesus em seus ensinamentos. “Ninguém vai ao Pai se não por mim (João 14,6), lembram-se? Sejamos pois verdadeiros imitadores de Cristo (1ª Coríntios 11,1) e desejemos para nós e para o próximo aquilo que Jesus disse que o Pai Eterno deseja para todos que os confiou: “que nenhum se perca e que todos tenham a vida eterna”.


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Não deixe a vaca ir para o brejo

Nesta expressão popular encontramos seu real significado e origem nas regiões rurais, quando em tempo de grandes secas, o gado em busca de sua sobrevivência era conduzido ou se conduzia para locais mais úmidos e pantanosos, como, por exemplo, os tais “brejos”. No entanto, a situação que já era difícil, pois era uma grande estiagem climática, poderia ainda se agravar, porque o gado corria grande risco de se atolar neste brejo e não conseguir voltar ao seu abrigo de origem, dando muito trabalho. Outra gíria semelhante é “a casa caiu”.

Pois muito bem caros leitores, com certeza podemos fazer uma analogia em nossas vidas a partir deste dito que já é popular e se tornou gíria, que é a questão desta vaca que vai ou não para o brejo. Nossa vida é nosso campo fértil, terreno que precisa ser sempre cuidado. Em volta de todo este campo, existem os pântanos, os chamados aqui brejos, que são as investidas do mundo, de satanás e dos desejos carnais, os apetites do nosso corpo. Desta forma, por esta analogia estamos ilhados e sob constante vigilância, assim como nos recomenda Jesus.

Cada área de nossa vida é uma vaquinha feliz e contente que, saltitando pelas planícies desta caminhada, segue alegremente rumo ao seu tão desejado cercadinho junto ao celeiro. Nós, os donos deste verdejante pasto, precisamos dar conta de todas as belas e desejadas vaquinhas. Cada uma é constantemente vigiada pelos predadores sedentos por abate-las e tirar de cada uma a possibilidade de se aconchegarem sob o conforto do abrigo para elas tão carinhosamente e cautelosamente preparado.

E vamos concordar, que como são muitas para cuidarmos, não conseguimos sozinhos, já sabemos disso. E assim, podemos enxergar facilmente nesta pequena analogia, como se configura nossa caminhada e o cuidado que devemos ter em todas as áreas de nossa vida. Nós, que somos um composto de corpo e alma, um verdadeiro campo de batalha, precisamos não deixar nada para trás. Já nos ensina sobre isso Jesus na parábola da ovelha perdida. Então, mesmo que sobre o peso de muitas quedas, nosso esforço deve, no mínimo, ser o máximo.

Transportando a analogia para nossa realidade de católicos, sob um olhar espiritual, deixar a vaca ir para o brejo significa desanimar, não perseverar, desistir, sucumbir perante as tribulações, se rebelar contra Deus, perder a fé. Que horror todas as verdades são. Que horror! Perder a fé, perder a razão de viver. Deixar de lado os porquês que nos motivam a suportarmos qualquer como! Que horror... E é de se chorar profundamente quando esta ferida atinge um coração, pois aqui neste momento, outro coração muito maior e capaz de amar do que o nosso já foi ferido. O coração de Deus. Quanta tristeza e quanto desgosto damos aos céus quando não suportamos o peso da cruz e não acreditamos no evangelho, na vida dos santos e santas de Deus, em Maria Santíssima e todo o coro dos anjos. Olhamos para nosso umbigo, não nos satisfazemos pela maneira que Deus quer que nossas vidas aconteçam e revoltados contra ele, meio como seus inimigos, vamos ficando sozinhos neste verde campo, já sem vida, assistindo inertes nossas vaquinhas indo para o brejo.

Não deve ser assim: Romanos 12,12 – “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração.”

Artigo relacionado:

Perseverança x Desânimo


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

Faltar ao compromisso das leituras na santa missa

Mateus 21,28-31 – “Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, disse-lhe: - Meu filho, vai trabalhar hoje na vinha. Respondeu ele: - Não quero. Mas, em seguida, tocado de arrependimento, foi. Dirigindo-se depois ao outro, disse-lhe a mesma coisa. O filho respondeu: - Sim, pai! Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?” E ainda, Mateus 5,37 – “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno.” E por fim, Lucas 16,10 – “Aquele que é fiel nas coisas pequenas será também fiel nas coisas grandes.”

Como podemos ver caros leitores, não podemos tratar com simplicidade certas coisas. Não podemos atribuir valores segundo nossos princípios se eles estiverem contaminados pelo egoísmo. A reflexão deste artigo recai sobre uma situação que algumas vezes acontece dentro da celebração da santa missa. Antes desse acontecimento, os responsáveis pela organização da celebração elencam o papel de cada um. Quem vai ficar com essa leitura, quem vai ficar com as preces e assim por diante. Todos dão o seu sim e as vezes, quem já passou por essa atividade de organizar as tarefas da missa que competem aos leigos sabe muito bem, acontece que aquela pessoa simplesmente não aparece para o compromisso. Disse que viria, deu sua palavra, aceitou o convite, em suma, como o filho da história que Jesus nos contou em Mateus 21, disse sim mas não veio fazer a sua leitura. Como fica? Segundo Jesus, esta pessoa não pratica o que ele ensina em Lucas 16, pois não é fiel nas pequenas coisas e seu sim, como em Mateus 5 está perdendo o valor.

Que perigo para alguém que acaba por se acostumar a agir assim na vida. Começa com atitudes que parecem insignificantes, mas Jesus nos alerta que a atenção tem que ser dada para as pequenas coisas. Não podemos deduzir que estes tipos de pecados, sim pois é uma desobediência direta aos ensinamentos que Jesus deixou nos evangelhos, conforme podemos comprovar no início do artigo, e mais, vamos deixar os rodeios de lado, se a pessoa mente porque fala que vai e não vai fazer a leitura, com culpa própria, está levantando falso testemunho contra si mesmo e isso como todo bom católico sabe é desobedecer ao oitavo mandamento da lei de Deus. Que triste é perceber a naturalidade com que as pessoas cometem seus erros e acham que tudo está bem porque, vamos recordar o início do artigo? – Agem com uma atitude contaminada pelo egoísmo.

Agora, se não é culpa própria fácil é de se retratar pelo ocorrido com a boa e velha verdade, que aliás, diga-se de passagem, é muito mais fácil de lembrar do que a mentira! E assim, pautados no dever de sermos como convém a santos (Efésios 5,3), devemos levar a sério tudo aquilo que fazemos, pois, nossas obras e nossos comportamentos serão por onde seremos julgados (Apocalipse 22,12).

Artigo relacionado:

Levamos tudo a sério?


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Os estágios de Deus

Andando pelos céus, Deus se dirige a Jesus e diz: “Como é possível estamos nessa existência apenas nós e não termos com quem compartilhar toda essa vida e todo esse amor? Assim não pode ser, penso em criar “alguém” para partilhar tudo isso”. E Jesus então disse: “Para mim parece perfeito”. E o Espírito Santo disse: “Estou de pleno acordo”. E assim, Deus pôs-se a iniciar a criação de tudo que conhecemos em vista de “alguém” que ele iria criar para partilhar o seu amor. Não alguma coisa, não algo, mais “alguém”. Esse “alguém” somos nós, que por ouvirmos a serpente nos colocamos meio que como inimigos de Deus, ferindo esse amor que não espera nada em troca, apenas ama. Por isso, é sempre fiel, porque o amor, mesmo exigente dá em primeiro lugar sem ressalvas e mesmo entristecido por não ser correspondido, quando esse alguém por vontade própria se condena deixando de viver o que pede este amor de Deus.

A introdução deste artigo é uma forma carinhosa de refletir sobre o início da criação. De lá para cá, muitas etapas na história da humanidade têm marcado diversas fases, diversos estágios pelos quais a mão cuidadosa do criador tem manipulado tudo “a sua vontade, assim na terra como nos céus”. Deus recebeu muitos rótulos da boca dos estudiosos. Tudo em vão pois está na carta de São João que Deus é amor. Pronto e fim de conversa. Agora, porque o Pai Eterno age desse ou daquele modo, não adianta ficar especulando já nos alerta Deuteronômio 29,29.

Porém, o que é mais fabuloso ainda, é que esse cuidado macro que existe para com a humanidade, existe de modo micro na vida de cada um. Como é bom sentir Ele próximo nas orações, através da sua igreja, de seus santos e santas, da sua santa palavra e de toda a criação que 100% do tempo dá testemunho da importância que esse “alguém” tem para Ele.

Neste cuidado micro que Deus tem por cada um, também acontecem os estágios. Em nossas vidas, facilmente podemos perceber, se pararmos um pouco e deixarmos o barulho do mundo longe e fora de nossos corações, as diversas etapas, os diversos estágios pelos quais passamos, ou estamos a passar. E lembremos, o estágio também tem caráter de aprendizado. Assim como um adolescente começa numa empresa a trabalhar sendo contratado como um estagiário, para poder aprender o ofício, ser corrigido, ganhar experiência e habilidade para alçar um melhor voo profissional, assim também acontece em nossas vidas e voo que procuramos alçar é em direção aos céus.

Por isso, não importa o quanto caímos nessa vida, importa que mesmo quando caímos, sabemos porque temos que levantar e seguir adiante. Se não sabemos, voltemos o olhar para nossas vidas para descobrir, através de muita oração também, qual estágio dela eu deixei de aproveitar, bem viver e com isso não aproveitei de modo a poder crescer e continuar caminhando pelo vale de lágrimas. Se for preciso, que façamos de novo a experiência que erramos, isso no mundo acadêmico equivale ao aluno que reprova e precisa fazer de novo o ano letivo, ou ainda aquele aluno que precisa fazer recuperação para poder completar a nota e ser aprovado. Em nossa vida, sobretudo espiritual, isso se chama conversão. Não importa se no dia do juízo chegaremos pecadores na frente do justo juiz, com certeza ele vai olhar nossos cotovelos, mãos e joelhos e vai perceber que caímos muitas vezes, mas que levantamos todas elas e mesmo que em prantos iremos nos apresentar em sua frente com tudo que tivermos feito e deixado de fazer. Agora no estágio da vida, nessa etapa que antecede a vida eterna é hora de trabalharmos pela nossa salvação e de nossos irmãos. Não fiquemos sentados como aqueles estagiários preguiçosos que não largam o celular, não saem da internet, não gostam de atender o telefone e só querem a “recompensa imerecida” do salário que não fizeram jus.


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

Quem erra cumprindo a lei, não tem culpa

Lucas 10,16 – “Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou.” Caros leitores, neste artigo vamos refletir sobre a paz no coração que brota nos fieis, membros do corpo de Cristo, que é a sua igreja, ao viverem suas vidas pautadas nos ensinamentos celestes e sob a gerência do magistério e toda a tradição apostólica. Já dizia, mui acertadamente, Santo Agostinho, que fora da igreja católica não existe salvação. Para aqueles que duvidam desta verdade basta uma simples leitura bíblica de alguns livros canônicos que comprovam a questão. Nem poderia ser diferente porque, como a igreja é de Jesus, fundada por ele sobre a profissão de fé de São Pedro, é muito fácil de se aceitar que dentro dela existe o que há de melhor para a salvação do povo de Deus. É possível conferir de modo objetivo essa afirmação acessando (como sugestão) no meu blog a aba “formação” e rolando a página até encontrar o tópico “A salvação está dentro da igreja”, onde se é possível ler as 15 afirmações que Santo Agostinho e tantos outros santos e santas, além de grandes papas e teólogos ao longo dos tempos, são unânimes em apontar para esta realidade.

Pois bem, a igreja, casa do Deus vivo, que é a coluna e sustentáculo da verdade (1ª Timóteo 3,15), o é porque o próprio Cristo garantiu a sua vitória perante o mundo. Ela que é sustentada pelo Espírito Santo, que veio para nos recordar os ensinamentos de Jesus e nos ensinar todo o resto (João 14,26), através da condução da igreja una, santa, católica e apostólica não tem outro fim, senão aquele predito nas sagradas escrituras (Mateus 16,18). A menos que alguém tenha coragem de chamar Jesus, o verbo encarnado, de mentiroso. Ele e toda a sagrada escritura. Não é possível estar dentro da igreja, repito, que é santa, seguir os seus caminhos, que levam ao caminho da porta estreita e ainda assim cometer algum erro. A igreja é santa, mas formada por membros pecadores. Eis a questão.

Sendo assim, também é bom recordar que Santo Afonso entre tantos, nos disse que a doutrina da igreja católica é imutável. Perceberam? Nós somos pecadores, a igreja é santa. Se não compreendermos isso vamos ficar atirando pedras no telhado da igreja por conta de nossos pecados, querendo colocar nossas culpas na igreja. Aí é preciso deixar a sem-vergonhice de lado e tomar vergonha na cara. Se a igreja errar, em alguma matéria disciplinar, facilmente se verá o escândalo porque é preciso romper com a tradição bimilenar e com o próprio Jesus. Mesmo assim, se algum abuso, ingerência, má administração, condutas desaprovadas e outras atitudes que convergem para o lado oposto aos céus, acontecerem (em seus membros pecadores, atenção para este detalhe, são os membros pecadores), e nela formos inseridos, se não houver intenção ilícita, nos tranquilizemos porque os responsáveis serão cobrados: Ezequiel 22,26 = “Seus sacerdotes violam a minha lei, profanam o meu santuário, tratam indiferentemente o sagrado e o profano e não ensinam a distinguir o que é puro do que é impuro.”

Agora, se em nosso coração, sentimos que algo está errado, algo nos perturba, busquemos na oração a certeza para nossa inquietude, não sejamos apenas intelectuais. Deus revela aos pequeninos e confunde os soberbos. Devemos agir como em Ezequiel 3,20-21 que nos ensina a não cruzarmos os braços se algo está errado, porque esta omissão nos será pedida em conta. Mas também devemos ser imitadores de Cristo (1 Coríntios 11,1) para podermos aprender dele que é manso e humilde de coração. Já dizia Nossa Senhora em suas aparições que quanto mais rezarmos mais teremos consciência de nossos pecados. Se não o temos é porque não estamos rezando aos céus o suficiente. Sejamos vigilantes e fieis membros da igreja e não frutas podres que contaminam aqueles que querem se entregar a Deus. Assim fazem os hereges e os hipócritas.


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Respeite o que vem do alto

Com o passar do tempo o que se vê é uma adesão cada vez maior a proposta do mundo onde satanás prega que não é necessária uma vida ascética tão enraizada nos caminhos do evangelho, já trilhados por tantos santos e santas da nossa religião católica. Como o esforço que se emprega para descer a ladeira é bem menor do que o esforço para subi-la, é de se compreender porque tantas pessoas vivem com um falso alívio de consciência por ter abraçado conceitos que, para elas, são uma verdadeira rota alternativa para fugir do tão congestionado aclive pedregoso que separa o aqui da eternidade do paraíso.

Aos poucos, vai-se comprando a ideia de que tais práticas católicas se constituem num verdadeiro exagero e o povo de Deus vai sendo enganado e passa a viver na política de salário mínimo, contentando-se em fazer pouquíssimo e ainda achar que fez sua parte, cobrando de Jesus, quase que sempre em suas orações, uma lista de pedidos estando com suas mãos vazias, como se nosso salvador tivesse que, por misericórdia, nos conceder, o que queremos antes daquilo que precisamos. Por isso é preciso a obra, o fruto do nosso suor, da nossa dedicação, nosso empenho e nosso compromisso na instauração do reino de Deus.

Deus não nos quer como pedintes, que estamos sempre de mãos estendidas à Ele a pedir de joelhos por graças que queremos agradecer com o nosso “nada”. É preciso darmos importância a tudo. Até as brincadeiras precisam ser levadas a sério, para que não se tornem maldosas. Jesus não é meu chapa, meu camarada ou o carinha da minha turminha, que posso dar um tapinha nas costas, fazer alguma brincadeira e tudo fica por isso mesmo. Muito pelo contrário. O rei dos reis, digno de todo o louvor, pelos séculos dos séculos, que derramou seu sangue na cruz redentora, por mim e por você caro leitor, está acima de nós em dignidade infinita e não nos cabe, pecadores que somos, deixar a humildade de lado e nos aproximarmos de Jesus como se ele fosse menos do que é.

Pensemos bem em nossas atitudes. Principalmente diante de Jesus, durante a adoração ao santíssimo, na santa missa, durante o rosário e outras atividades religiosas; ao passar em frente ao altar do presbitério cumprimente Jesus, não faça pouco caso nem seja preguiçoso. Teu desdém, mesmo que involuntário é uma atitude agravante e de ofensa. Lembre-se que Jesus está vendo. Cuidado! Não seja negligente, desatencioso e descuidado. Faça tudo que for fazer por Jesus, para Jesus e com Jesus levando no coração o máximo de cuidado e zelo pelas coisas do altíssimo. Nossa resposta de amor para aquele que nos amou primeiro não deve ser de descuido, desrespeito e falta de temor.

Deve, antes de tudo ter, no mínimo, o máximo de esforço de nossa parte em todos os momentos de nossa vida.


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O uso irregular dos MESC's

Como bem sabemos caro leitor, não é de hoje que a igreja católica ensina uma coisa na teoria e na prática faz outra coisa, bem ao estilo condenado por Jesus dos fariseus. Fico aqui a pensar o quanto a igreja que Jesus fundou o desagrada com seus membros pecadores que tanta baderna fazem dentro dela. Ainda bem que ela (a igreja) é santa e que Jesus nos garantiu que as portas do inferno não prevalecerão contra ela mas que o inferno faz um estrago aos seus membros e faz padecer na caminhada a igreja militante, isso não resta dúvidas a ninguém. Apenas resta dúvidas para aqueles que querem não enxergar a profundidade das coisas. Eu particularmente ando entristecido por fazer parte de uma igreja tão suja por dentro e que varre tanta coisa para debaixo do tapete. Os membros dessa igreja em sua maioria seguem o papa e não Jesus, ou ainda a Santíssima Trindade e muitos são os exemplos que qualquer pessoa interessada, com algumas horas de séria pesquisa pode comprovar a questão.

Por aqui, neste artigo irei apenas citar um simples exemplo de como é o comportamento da igreja católica. Comportamento que não é bom, já quero adiantar. É o caso dos ministros extraordinários da sagrada comunhão, que nada mais são que leigos instituídos pela igreja para ajudar o sacerdote em algumas de suas atividades que o sacramento da ordem elencam como exclusivas deste ministério. Já começa aí o problema, acompanhem o raciocínio, que é pessoal e portanto livre de aceite ou não. Segundo São Tomás de Aquino em sua publicação Suma Teológica, ele descreve as razões pela qual a distribuição do corpo de Cristo deve ser feita apenas por quem tem o sacramento da ordem. São elas:

Primeiro, porque... é ele que consagra assumindo o lugar de Cristo. Ora, o próprio Cristo distribuiu o seu Corpo durante a Ceia. Portanto, assim (como) a consagração do Corpo de Cristo cabe ao padre, é também a ele que cabe a sua distribuição.

Segundo, porque o padre foi instituído intermediário entre Deus e os homens. Por conseguinte, como tal, é ele que deve encaminhar a Deus as oferendas dos fiéis e também levar aos fiéis as dádivas santificadas por Deus.

Terceiro, porque, por respeito por este Sacramento, ele não é tocado por nada que não seja consagrado. Por causa disto, o corporal e o cálice são consagrados e igualmente as mãos do padre o são, para tocar este Sacramento. Assim, nenhuma pessoa tem o direito de o tocar, a não ser em casos de necessidade como, por exemplo, se o Sacramento cair no chão, ou casos semelhantes" (Summa, III pars, Qu. 82, art 3).

Pois bem, se alguém acha que o santo não tem razão porque são outros tempos e outra realidade aproveito para dizer que um dos frutos do Concílio Vaticano II foi a definição de que a Suma Teológica deveria ser estudada e aprendida por todo o clero. Sinal claro da importância que igreja dá para este doutor. Mas, em tempos que são outros, como dizem muitos, estes atiram no próprio pé porque acham que a messe é grande e os operários são poucos, então, por conta da falta de vocações sacerdotais, vamos diminuir o sacro ofício consagrado de se distribuir o corpo do Senhor para poder permitir que qualquer leigo de boa índole, mesmo que isso desagrade aos céus, distribua a eucaristia. E os padres defendem a questão alegando muitas atividades e que sem os ministros leigos não dariam conta do recado.

Vou dar um exemplo. Numa missa em paróquia de bairro, normalmente um sacerdote distribui a comunhão no corredor central dos bancos e dois ministros ficam nas laterais junto a parede. Dessa forma são quatro filas que se formam e em aproximadamente 5 a 7 minutos a comunhão é distribuída a todos. Este é um uso irregular dos mesc's porque se as filas laterais sem unissem as filas do meio a celebração iria aumentar apenas 7 minutos, já que o padre leva 7 minutos para dar conta de duas filas centrais. Já no altar os mesc's apenas abrem o sacrário, entregam as âmbulas ao sacerdote no altar e no final da distribuição colocam as reservas eucarísticas de volta ao sacrário. Pelo amor de Deus, isso o padre pode fazer. São apenas alguns metros do altar até o sacrário, mesmo que o sacrário esteja na capela do santíssimo. Padres preguiçosos talvez? Algum compromisso depois da missa que não permite que ela passe um pouco de uma hora de duração? E vejam que o exemplo acontece em uma situação cotidiana e que eu presenciei em várias missas em toda a arquidiocese de Curitiba, não só na paróquia em que eu vivo. Sem "multidão excessiva" que justificaria o uso "extraordinário" dos ministros leigos, uma vez que duração da missa se tornaria demasiado excessiva, como recorda tantos documentos da igreja entre eles a Redemptionis Sacramentum, só para citar um exemplo.

Desta forma, como podemos ver, a causa até é aceitável, mas o uso que se faz do antídoto para o problema não é. Os ministros leigos são utilizados de forma regular em desacordo com a própria determinação da igreja através de seu magistério. Sem falar nas aparições que Jesus e Maria fizeram ao longo da história da humanidade condenando esta prática, que também tem condenação bíblica tanto no antigo quanto no novo testamento. Infelizmente para as pessoas de bem que aceitam essa investidura lhes é ensinado apenas o porquê da situação, bem ao estilo evangélico/protestante. Posso afirmar isso porque eu fiz o curso de mesc e vivenciei a "lavagem cerebral" que o clero ou outros leigos querem fazer nos ansiosos candidatos para a missão de ministro extraordinário. E só para constar eu não quis ser investido no cargo porque ciente do uso irregular que desagrada Jesus, não convém agradar aos homens (Gálatas 1,10 - Atos 5,29)

O erro é da igreja que faz uso errado desta função. Se é para ser extraordinário porque usar de forma cotidiana tornando uma prática regular? Este mau exemplo de prática doutrinária exige dos céus o oitavo sacramento, o sacramento da santa ignorância, já dizia Monsenhor Athanasius, Padre Amorth, Padre Duarte Sousa Lara e Padre Paulo Ricardo, só para mencionar alguns exemplos de grandes sacerdotes.

Artigo relacionado:

Missa Tradicional x Mesc's

fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Os presentes e o Natal

Uma das datas muito lembradas e comemoradas pela humanidade, seja ela, cristã, pagã ou de outra denominação sem dúvida, para muitos, é o natal. Envolto por uma atmosfera que também é sentimental a data, que está fixada em 25 de dezembro marca para os católicos um dia muito especial. Recorda-se e comemora-se o nascimento de Jesus, prefigurado no antigo testamento e confirmado pelo último dos profetas, João Batista: "eis o Cordeiro de Deus", diz aquele que precisava diminuir para que o Cristo aparecesse. Jesus, cujo evangelho nos conta que existe antes da criação, veio fazer a vontade do Pai Eterno e nos redimir da culpa que nossa natureza humana não seria jamais capaz de quitar. Predestinado por Deus e de comum acordo para o bem de todos nós, aceitou passar pelo que passou e nos deu um "grande presente": a eternidade na glória dos céus, a salvação objetiva para aqueles que querem abraçar o plano de amor estabelecido para todos os que se movimentam na direção do amar de volta.

Nos conta o evangelho, que por ocasião deste acontecimento, grande acontecimento, os intitulados reis magos Melchior, Gaspar e Baltazar, ao perceberem nos céus uma mudança que denunciava a chegada do Cristo, de diferentes partes se uniram em caminhada até o local onde se encontrava a sagrada família. Ao chegarem, encontraram o menino e sua mãe, adoraram-no e lhe ofereceram presentes. Observemos bem o detalhe da questão. Em atitude de extrema felicidade e reconhecimento pela pessoa de Jesus os presentes foram oferecidos. Em reconhecimento a realeza do Cristo, ouro. Em reconhecimento a comunhão plena de Jesus com o pai e sua missão aqui na terra, Jesus, pessoa de constante oração e união com Deus, o incenso, que representa a fé, pois o incenso é usado nos templos para simbolizar a oração que chega a Deus assim como a fumaça sobe ao céu (Salmos 141). Em reconhecimento ao profetizado para Jesus dentro de sua missão, a mirra, uma resina utilizada para embalsamar os corpos desde o antigo Egito, nos apontando para o martírio de Jesus. Também citada em João 19,39-40 por ocasião do embalsamamento de Jesus e sendo mais tarde comprovada a sua utilização através de estudos realizados no Sudário de Turim. Então como vemos, a tradição da troca de presentes no natal se dá para relembrar que os três reis magos ofereceram presentes ao menino Jesus após o seu nascimento.

E o papai noel, como fica no meio disso tudo? Vamos esclarecer mas antes vale também recordar que a oficialização desta data, que não se sabe ao certo quando começou foi feita pelo papa Libério, no ano de 354 dC. Pouco tempo hein, caro leitor! Pois bem, dizia eu que iria falar um pouco do chamado bom velhinho, que no início dos tempos era representado na cor verde e que a empresa Coca-Cola tratou de "avermelhar" o sujeito. Papai Noel, tem sua origem na pessoa do bispo romano do século V, chamado São Nicolau, que no dia 06 de dezembro, às escondidas, praticava sua caridade, a oferta de donativos para as filhas de um homem muito pobre. Em virtude deste acontecimento aos poucos essa atitude do bispo, relembrada no seu dia, foi se misturando dentro do período natalino. Por aqui também, surgiu o amigo secreto que é uma forma de se presentear alguém escondendo a identidade de quem presenteia. E também nasceu o costume de se colocar presentes em baixo da árvore de natal escondido das pessoas para que ninguém soubesse quem os colocou. Que bonito não é mesmo caro leitor, percebermos que a tradição é sempre algo muito forte e presente na vida das pessoas, vencendo facilmente a barreira de séculos. Por isso é importante sabermos o porquê das coisas para podermos suportar qualquer como em nossas vidas.

Eis os porquês dos presentes mas o mais importante que o costume de se dar presentes, que hoje está muito misturado ao protocolo natalino do comércio e seu apelo enganosamente sentimental, é a razão pela qual se celebra esta data. Se o aniversário de alguém é comemorado, se canta parabéns para ele, o presenteia e se confraterniza no dia de sua comemoração numa reunião com bebidas e comidas. Já no aniversário que se comemora em 25 de dezembro, o nascimento daquele que veio pela primeira vez e que virá pela segunda vez, a data é abafada, o princípio é posto de lado e Jesus é apenas recordado por algumas pessoas que vão na missa do dia 24 e no dia 25 de dezembro, quando não vão apenas numa delas ou quem sabe em nenhuma, embora tentem aliviar suas consciências rezando um pai-nosso e uma ave-maria em agradecimento por tudo que receberam e assim fazem um ato incompleto porque Jesus disse que nossa oração não pode ser egoísta. Se assim o for, que recompensa teremos? Palavras do Redentor. Continuemos. Famílias estas que praticam a ceia natalina com um esbanjar de alimentos, trocam os seus presentes e ainda se cumprimentam "desejando um feliz natal" que equivale a dizer "boas festas", "tudo de bom" já num ensaio para o próximo cumprimento que bate às portas que é o de "feliz ano novo". Muitos nem sabem o que devem desejar ao seu próximo quando apertam em sua mão e dizem "feliz natal".

Não se está aqui a denegrir a troca de presentes ou o jantar das véspera e o almoço do dia seguinte, nada disso. O que se faz aqui neste artigo é apontar para a essência da celebração. Como disse Jesus é preciso fazer isso sem deixar aquilo de lado. Que todos nós nos esforcemos para levar adiante todos os porquês desta comemoração. Que ao desejarmos a alguém um feliz natal, estejamos desejando que a pessoa encontre dentro de si o verdadeiro motivo que lhe faz viver esta vida, o verdadeiro motivo que lhe faz suportar todas as dificuldades da vida, o verdadeiro motivo que veio ao mundo para que cada um de nós um dia possa passar deste mundo, nascendo da água e do espírito como homens novos, para a eternidade do céu. Temos que pensar que "sou" "feliz" porque o "natal" de Jesus aconteceu por minha causa, amém"


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Sereis perseguidos por causa de mim

Para toda pessoa que se esforça para viver os ensinamentos dos evangelhos o título deste artigo é bem lembrado por todos os católicos praticantes. Está no sermão da montanha (Mateus 5). Por duas vezes o Cristo diz que devemos nos alegrar por causa das perseguições que iríamos sofrer. Nos disse também que o servo não é maior que o seu mestre e que se o perseguiram, perseguirão também a nós (João 15,20).

Pois bem, com uma busca atenta por toda a história da cristandade encontra-se até com certa facilidade, relatos sobre o martírio que muitas pessoas sofrem por amor a Deus, a Jesus e seu evangelho e a religião católica. Vale lembrar que a palavra “martírio” quer dizer “testemunho”. Morre-se dando sua vida por amor a Cristo pois “quem perder a sua vida por causa dele (de mim – diz no evangelho) irá salvá-la.”

O mal que se infiltrou no paganismo alastra a sua perseguição utilizando-se, além do fator “medo da morte física”, sua ou de alguém que você gosta, o fator “surpresa”. Eis aí em nossa atual época o estado islâmico em sua arrojada perseguição frente aos cristãos intitulados por eles como apóstatas. Recentemente mais um atentado de autoria deste grupo foi assumido por eles neste mês: A morte de 25 cristãos em um tempo copta do Cairo, capital do Egito.

Numa capela próxima a catedral de São Marcos, quase ao final da missa dominical eis que uma forte explosão, que atravessou toda a capela, levou a vida de 25 pessoas deixando outras 49 feridas. Em sua maioria mulheres e crianças. Entrevistados os sobreviventes comentaram que tinham vivido um atentado como aqueles que apenas se assistia pela televisão e nos filmes. Agora é uma realidade, afirmava um sobrevivente de 59 anos, Magdy Ramzy, que após o incidente saiu a procura de sua esposa, tendo a infelicidade de encontrá-la morta.

O grupo que assumiu o atentado declarou que irá continuar com o que eles chamam de “sua guerra contra os apóstatas”. São os últimos tempos? Nossa Senhora revelou ao Padre Stefano Gobi, fundador do movimento sacerdotal mariano que o tempo da grande tribulação, da abertura dos selos e das taças já está acontecendo. Ele começou, a abertura do primeiro selo, com a chegada do vírus HIV. Portanto, não são tempos de desespero e sim de oração, como sempre precisou ser. Foi Jesus quem nos avisou para sermos vigilantes e constantes na oração. O católico deve sempre estar com “sua mala” pronta para fazer a passagem, a vida irá seguir na eternidade e o medo é algo que não devemos cultivar, pois dentro dele existe a falta de fé.

É claro que aqui não podemos ser hipócritas ao ponto de falarmos da isenção do medo. Ela é possível, é alcançável. Haja vista tantos exemplos de santos e santas, nossos heróis da fé, que viveram suas vidas até o martírio. Eis aí a estatura de Cristo exigida de todos nós (Efésios 4,13). É preciso pedirmos a graça de não termos medo. Por fim é preciso também e não de forma secundária, rezarmos uns pelos outros, rezarmos por aqueles que nem conhecemos pessoalmente e que passam por tribulações diárias ou não, muito maiores que as nossas. Cada um possui sua cruz, feita sob medida e recebe de Deus força suficiente para carrega-la. A aparente impossibilidade em leva-la rumo ao calvário, para coloca-la do lado da cruz de Jesus não passa disso, de aparência, embora denote que estamos deixando de fazer a nossa parte, que é sermos dependentes de Deus para tudo e 100% crentes em sua palavra. Que possamos sempre nos comportarmos como nos recorda o apóstolo São Paulo (Romanos 12,12): “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração.”


fonte: Jefferson Roger e agências internacionais de notícias
Continue Lendo...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O natal é de Jesus


Olá caros leitores, mais um natal bate às nossas portas, e mais uma vez o mundo paganizado se coloca no meio dele com suas comemorações e festividades. Numa mistura de crenças, comodidades e facilidades o paganismo também contribui com sua dose de vamos lá, afinal é natal, é tempo de papai Noel, de distribuir presentes, se reunir com a família e os amigos e fazer aquela festança. Muitos ainda mantém a tradição do amigo secreto, pois é, que seja... Mais um feriado, motivo para viagens e passeios e se for feriadão emendado então, vamos nos preparar, vários dias de comemoração e festa.

É claro que existem aqueles que aproveitam a ocasião para descansar, fazer aquela reforma na casa, usam o dinheiro do seu décimo terceiro salário para tantas finalidades e é claro, também para comprar presentes.

Shoppings lotados, ruas de compras abarrotadas de pessoas, trânsito super congestionado nos arredores de grandes polos geradores de pessoas. Tudo como sempre é deixado para a última hora. Nem os hipermercados ficam de fora porque tem também a parte da comilança. As pessoas se reúnem no dia 24 de dezembro, a chamada véspera de natal, se fartam em seu banquete familiar e deu meia noite, começam os votos de feliz natal para em seguida abrirem-se os presentes. E famílias numerosas significam muitos presentes, haja dinheiro. Meio irônico porque tantas pessoas reclamam o ano todo da condição financeira mas no fim do ano apertam mais um pouco o cinto no verdadeiro estilo de coração de mãe: sempre cabe mais um.

Ahhh, e tem o papai Noel, que talvez algumas pessoas não saibam se tratar de São Nicolau, que procurava presentear os carentes e de bom comportamento, mas esse comentário vou limitar a este pequeno parêntese, sobre a vida de São Nicolau muito já existe escrito sobre ele e por aqui ficarei apenas nesta menção. Mas outra coisa quero dizer. A representação de papai Noel sempre se deu na cor verde, sua cor original, foi o marketing da empresa coca-cola que mudou a cor para vermelho e daí por diante engrenou, vamos dizer assim, essa nova representação. Não que ainda não se encontre a representação original, mas esta nota quis colocar para mostrar ao atento leitor que é dos homens que partiu a história de papai Noel e sua ligação ao natal.

Pois bem, são tantos os convidados e adereços, mas e Jesus? O aniversariante do dia? O responsável por tudo, a segunda pessoa da santíssima trindade? Dia 25 de dezembro não é feriado para se fazer festa, é feriado religioso, dia de agradecer a Deus pela redenção do seu filho Jesus, dia de oração e para os cristãos católicos dia de ir na santa missa. É preceito e faz parte do terceiro mandamento da lei de Deus. É dia solene mas infelizmente a humanidade paganizada insiste em promover essa rivalidade, essa queda de braço, esse cabo de guerra entre Jesus e papai Noel.

Vejam só, não se trata de culpar o bom velhinho pois não existe nada de mau na causa, o problema está em colocar Jesus no segundo plano quando não é colocado em último plano. Atenção. Natal, comemoração da natividade de Jesus em Belém, o messias prometido em todo o antigo testamento que iria nascer para a salvação da humanidade. Jesus Cristo filho único de Deus, concebido pelo Espírito Santo, que ressuscitou ao terceiro dia e subiu aos céus, donde está sentado a direita do Pai, donde a de vir a julgar os vivos e os mortos.

Ele, o nosso salvador já nos ensinou que não podemos fazer nada sem Ele. E mais, Jesus nos ensinou muitíssimas coisas em seus evangelhos. Desejar ao próximo um feliz natal realmente é desejar que nasça o homem novo e que a pessoa se configure ao modelo de Jesus. Desejar feliz natal não é sinônimo de desejar boas festas. Quantas pessoas não compreendem o sentido do natal e vivem suas vidas pecaminosas e desviadas da verdade que é Deus e ainda proclamam com voz forte, aperto de mão caloroso e abraço apertado um belo feliz natal.

Que todos tenhamos sempre esse cuidado de vivermos a essência do verdadeiro natal, para que esta data traga mudança em nossos corações e mentes. Que o natal produza em nós os frutos que brotaram na gruta de Belém, onde Maria e José, contemplaram a simplicidade e ternura de um Deus que por amor, quer ser reconhecido assim, quer ser amado e não temido. Um Deus que com seu natal nos quer perto Dele nesta caminhada para um dia vivermos a glória eterna do paraíso.


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

O Exame de Consciência

Se ao dicionário recorrermos iremos encontrar algumas explicações para a expressão consciência. Todas, de uma forma geral, relacionam a palavra com algum aspecto voltado para o conhecimento. Ter consciência é estar ciente a respeito de algo ou alguma coisa. Vejamos que interessante a questão. Se digo que eu estou “ciente” a respeito de algo é o mesmo que dizer que eu tenho consciência disso. Podemos compreender que estar consciente a respeito de algo implica em se saber, em ter o conhecimento a respeito daquilo. A respeito daquilo que é uma informação para nós, guardada num lugar chamado cérebro. Por sua vez, aprendeu-se no meio estudantil que, em linhas bastante resumidas e gerais, nosso cérebro pode considerar duas divisões para estas informações: a divisão do consciente e a divisão do subconsciente, deixando a questão do inconsciente de lado, conceitos estes muito utilizados em psicologia. Lá, no subconsciente ficam as memórias não acessadas cotidianamente, não presentes em nossa atualidade. Funciona como uma espécie de baú.

Pois bem, feito esta pequenina explanação sobre essa belíssima área de nosso corpo humano, vamos partir para o finalmente. Vamos colocar a questão sobre um olhar sobrenatural. Tratemos aqui do exame de consciência que todo cristão deve fazer em sua jornada rumo a porta estreita. Já nos ensina a antiga tradição católica que boa prática é o exercício do exame de consciência feito em três momentos do dia. Pela manhã, logo ao acordar, fazemos nossa avaliação do dia que ficou para trás e nos propomos perante Deus para o dia que se inicia. Afinal não sabemos quanto tempo temos de vida. No meio do dia, mais uma parada para o segundo exame de consciência, para avaliarmos como está nosso propósito de vida, feito no início deste dia. Se necessário aqui podemos recolocar nos trilhos o que não estiver a contento. Ao fim do dia, quando estamos indo deitar e entregamos a Deus o fruto do nosso dia, cabe o último exame de consciência. Onde perante o altíssimo agradecemos por tudo que fizemos, pedimos perdão pelas omissões e faltas e colocamos nossa vida a disposição de Deus.

Prática esta muito salutar uma vez que nos mantém conectados e conscientes a respeito da nossa realidade do hoje. Examinar a consciência é algo que precisamos sempre fazer. Devemos, como diz o ditado popular, “nos policiar”, vigiarmos nossa conduta em todas as áreas. No que falamos, no que fazemos, no que não falamos e no que não fazemos. E isso não deve soar esquisito porque Jesus já nos avisou que seremos cobrados por nossas omissões.

Por isso, não devemos baixar a guarda e nos julgarmos já merecedores do céu. De forma alguma. Nossa exigência diária deve cada vez mais aumentar pois do contrário iremos parar de crescer e a estatura de Cristo não iremos alcançar. Nesta exigência, os termos de comparação que devemos ter não devem ser os que melhor se identificam conosco. Se me comparo a um bandido, assassino e malfeitor, facilmente posso me julgar “um santinho”. Mas se me comparo a Jesus, a Virgem Santíssima, aos anjos e santos de Deus, aí a coisa muda de figura e facilmente percebo o quanto estou longe da santidade. Assim deve ser. Nosso exame de consciência deve ser honesto para conosco porque Deus conhece os corações e nada perante ele ficará oculto. As aparências não passam disso, de aparências. Deus que vê no oculto abomina a hipocrisia, haja vista o próprio Jesus tanto criticar os fariseus hipócritas nos mostrando que devemos ser humildes e sinceros e reconhecer nossa fragilidade e dependência dele para tudo. É preciso agradar a Deus e não aos homens (Gálatas 1,10) e é preciso antes obedecer a Deus (Atos 5,29) do que aos homens pois quem se faz amigo do mundo se constitui inimigo de Deus (Tiago 4,4) e o que aos olhos dos homens é elevado aos olhos de Deus é abominável (Lucas 16,15).


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Abominável aos Olhos de Deus

Não é de hoje que a conduta do “politicamente correto”, do comportamento que preciso ter para que os outros não falem mal de mim pois podem pensar o que? E ainda aquele comportamento ou maneira de agir esperado pela onda da maioria que proclama a inevitável evolução da humanidade, só que, detalhe, o que chamam de evolução caminha num sentindo muito oposto ao caminho das pedras que termina na porta do céu. Não é de hoje que isso tudo só aponta para um caminho que não é o da salvação (Apocalipse 21,8 – 1ª Coríntios 6,9-10 – Gálatas 5,19-21 – Romanos 1,28-32).

A bíblia nos ensina que Deus não faz distinção e pessoas (Atos 10,34). Nos ensina que ele ama o pecador e odeia o pecado. Por isso, Deus que é amor e que nos amou primeiro (1ª João 4,19) não espera nossa conversão para nos amar. Ele está muito acima dos nossos pequenos e falhos sentimentos. Mas, em nossa não conversão e consequente inimizade voluntária com Deus, nos satisfazemos com o seu cuidado genérico, como o cuidado que Deus tem com uma espécie de animal irracional. Nos contentamos que ele nos deixe em paz com seus castigos e exigência para que vivamos um paraíso já aqui na terra sem ele, agitando a estrondosa e escandalosa bandeira da igualdade entre os homens.

Quanto absurdo. Deus, que é fiel aos seus filhos, muito se entristece quando alguém se perde e se condena por iniciativa própria. Essa pessoa não vê, ou não quer ver, ou ainda finge que não vê, todo o esforço que os céus fazem para a colocar de volta aos trilhos da salvação. Não consegue entender que a paz que vem de Deus não é ausência de problemas, não é ausência de dificuldades, não é ausência de tribulações. A paz que vem de Jesus não é como a paz que o mundo oferece (João 14,27).

Mas, como essa paz de Cristo exige de cada um, um comprometimento com o evangelho, ela acaba para tantos se tornando algo que tem um preço muito alto a se pagar. E a exigência é alta. Jesus nos ensina que quem não renunciar a si mesmo e não tomar a sua cruz dia após dia (Lucas 9,23) não irá chegar ao Reino dos Céus. E diz ainda que quem ama alguém nesta vida mais do que ama a ele, não é digno dele (Mateus 10,37-38). Palavras do Salvador. Quem não aceitar poderá depois no dia do seu juízo “bater boca” com aquele que é “a verdade e a vida”.

Eis aí um grande desafio que muitos que até tentam desistem por achar difícil conseguir o êxito. Jesus é claro, é preciso renunciar a si mesmo e isso, todos os dias com a cruz nas costas. Este é um dos principais pontos da rebeldia e revolta das pessoas. Elas não querem abrir mão dos seus desejos, seus prazeres, suas ideias e suas vontades. Em suma, não querem renunciar a nada e isso inclui renunciar a si mesmas. Essa parte da exigência que o amor divino implica elas pulam e preferem virar as costas para Deus e promover todo e qualquer tipo de algazarra como seus semelhantes cidadãos de Sodoma e Gomorra. Avisadas todas estão perante os céus, está por escrito nas sagradas escrituras em tantas passagens mas, implica renúncia e então é melhor deixar para lá.

Jesus advertiu a todos quando disse: Lucas 16,15 - “Vós procurais parecer justos aos olhos dos homens, mas Deus vos conhece os corações; pois o que é elevado aos olhos dos homens é abominável aos olhos de Deus.” E aquele que se faz amigo do mundo se faz inimigo de Deus nos diz o apóstolo São Tiago (4,4). Direitos reprodutivos das mulheres que podem decidir matar seu filho ainda na barriga, ideologia de gênero nas escolas para nossos filhos e em toda a parte, liberdade sexual e desregrada em as naturezas humanas criadas por Deus, tudo isso e uma lista enorme que acompanha estas ‘justiças’ que o homem moderno quer forçar aceitação na sociedade não irá sair barato pois Deus não deixará de ficar do lado daqueles que são fiéis as suas promessas (Hebreus 6,12).


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Deus, uma atividade extraclasse

A modernidade que para muitos traz muitas coisas boas, para outros, serve como pano de fundo para justificar a necessidade de inovações em áreas que não necessitam nem um pouco de mudanças. Para estes, talvez nem percebam, mas a modernidade que cultivam caminha numa direção oposta a de Deus. Deus simplesmente fica reduzido a uma expressão, a uma palavra qualquer, não passa mais nenhum sentimento em relação ao que representa. Até se admite no inconsciente a sua existência e tudo o mais, mas o esforço não vai além disso. Ou vai, como já disse, na direção oposta.

Facilmente ele nem é lembrado no cotidiano das tão ocupadas vidas modernas. Existe a internet, amiga inseparável de tantos. Existem os smartphones, que parecem estar “colados” nas mãos das pessoas. Existem os jogos eletrônicos e seus videogames, responsáveis por controlar boa parte do tempo de muita gente. Existem é claro, precisamos mencionar, toda a atividade destruidora dos tóxicos, legais e não legais. E a lista como bem sabemos, é imensa. Se um ranking existisse facilmente a posição que Deus ocuparia na vida de uma pessoa, que se abraça aos prazeres do mundo, sua tecnologia, as pessoas e toda a parafernália que nos cerca, seria uma posição que contrasta e muito com o seu lugar tão merecido por natureza e direito. Afinal, quer queiram as pessoas, quer não, deixou-nos esse Deus o mandamento de amá-lo sobre todas as coisas, com todo o nosso coração, alma e entendimento e de amar ao próximo como a nós mesmos. E ainda vai além, disse que tudo se resume a estes dois mandamentos.

No entanto, não vamos nos enganar, nem enganar a ninguém. Com poucos minutos de meditação e reflexão, se formos sinceros, iremos perceber que Deus não ocupa o primeiro lugar em nossas vidas. Para os mais adiantados na caminhada da fé rumo a porta estreita Deus, sim, já faz parte de suas prioridades quase 100% do tempo. Mas não é assim com uma fatia grande da humanidade. Existem horas que Deus rege nossas vidas, existem horas que Deus é deixado de lado. Ô fraqueza humana que cede tão facilmente aos pedidos do corpo. Que campo de batalha complicado somos nós, que ainda possuímos continentes inteiros que não se configuraram, nem apontam para o Cristo. Vamos reconhecer, é preciso muito esforço (Mateus 11,12), não desanimemos.

Porém, como já estamos a refletir, muitos de nós, colocam Deus como uma opção lá no final da lista. Afinal ele exige tanto da gente e nos concede tão pouco do que pedimos não é mesmo! Assim pensam tantos, que mimadamente, querem seus caprichos atendidos para ontem, do contrário não o seguiremos. Dizem tantos, como se fosse para estes concedido o direito de exigir de Deus alguma coisa que fosse. As pessoas não entendem o “esquema” e por isso pensem poderem adaptar o criador as necessidades da criatura. Como pode? Não pode é claro.

E assim, o Deus do amor, que nem precisaria nos ter criado, para com ele vivermos a felicidade eterna no paraíso assim o fez. Do nada, agora seremos eternos e tem gente que reclama por conta das exigências que a palavra de Deus através do verbo encarnado nos apresenta. O preço é baixíssimo, basta refletir, do nada para a eternidade. Mas também basta escolher. A eternidade com Deus ou com o diabo. O estudante aplicado além do conteúdo obrigatório quer ir além e procura estudar matérias além da grade curricular normal, matérias extras. O estudante que só estuda o mínimo para passar de ano, procura ocupar seu tempo livre com alguma atividade fora dos estudos, um verdadeiro lazer, que não exige compromisso nenhum.

Devemos ser como o estudante aplicado e buscar a Deus indo sempre além e não como o estudante mesquinho que arruma tempo para o lazer e para aquilo que lhe agrada, longe dos compromissos. Uma vez, um entrevistador perguntou em seu programa ao pai de uma artista famosa, aqui no Brasil, como faziam para conciliar o sucesso na tv com as atividades escolares. E para uma triste contestação, o pai não pensou duas vezes e disse: “Nós tiramos ela das atividades extraclasse”. Então o apresentador perguntou: “Que atividades?” E mais rápido ainda o pai disse: “da catequese”. Nem preciso ir além, aí tem o dedo da modernidade comandada pelo príncipe deste mundo (João 12,31 e 14,30) que procura alastrar a “sua catequese” na vida das pessoas. Acordemos, Deus não quer pessoas modernas, quer pessoas santas. Que o mundo nos sirva e que nós não sejamos escravizados por ele, porque o amigo do mundo se faz inimigo de Deus (Tiago 4,4).


fonte: Jefferson Roger
Continue Lendo...