Beata Imelda


O nome da Bem-Aventurada é Imelda Lambertini. Ela nasceu em Bolonha (Itália) no ano de 1322. Desde pequena sempre cultivou um imenso amor pela oração, pois crescera em um ambiente católico, onde seus pais davam a ela uma educação cristã de grande valor e de sólidas bases. O seu amor pela oração e pelas coisas de Deus era exatamente o seu diferencial e motivo de atenção especial pelos seus pais. Ela sempre se escondia nos locais "obscuros" de sua casa para rezar em silêncio, escondida do mundo, mas vista apenas por Deus.

O seu amor pela oração lhe criou na alma um desejo enorme de ser freira dominicana, isso com apenas 9 anos de idade! Claro que, assim como ocorreria nos dias de hoje, ela não foi aceita por causa da pouca idade. Mas Imelda possuía uma santa insistência que resultou numa conversa entre seus pais e a Madre Superiora do convento das irmãs dominicanas.

Perguntaram então a ela o que a atraía no convento das irmãs dominicanas, Imelda respondeu: "Nosso Senhor". Nota-se que apesar dela ser apenas uma criança de 9 anos, devido a sua grande devoção pela oração, ela desenvolveu um extraordinário discernimento pelas coisas do Altíssimo.

A madre superiora das dominicanas pediu a devida permissão aos pais de Imelda para que ela pudesse se mudar para o convento. Sob conditio, Imelda não deveria realizar no convento as tarefas árduas e pesadas, mas pequenas tarefas por causa de sua pouca idade, o que a pequena Imelda à princípio não aceitava, pois queria seguir em tudo o que as outras irmãs faziam. A madre pedia para que ela não acordasse tão cedo para rezar na companhia das demais freiras, porém, a grande paixão de Imelda era rezar, portanto acordava cedo e rezava em silêncio pelos corredores do convento.

Apesar de todo seu amor pela ordem de São Domingos e por Nosso Senhor Eucarístico, Imelda tinha apenas 9 anos e as normas da Santa Igreja permitiam que apenas as crianças que possuíam mais de 12 anos poderiam comungar. Imelda passava horas e mais horas em adoração diante do Santíssimo Sacramento, havia vezes que de tanto rezar diante do Sacrário onde Nosso Senhor morava, sua singela face se transfigurava de alegria. O grande pedido de Imelda era que pudesse receber Nosso Senhor na Sagrada Comunhão, apesar de sua pouca idade.

Em 1333, Imelda completou seus 11 anos de idade. Como era costume: após a Missa e após todas as freiras saírem da capela, Imelda ficava um pouco mais de tempo diante do Santíssimo Sacramento em profunda oração, fazendo companhia a Nosso Senhor. Quantas horas santas a pequena Beata deve ter feito diante do Sacrário!
Passou-se muito tempo sem que se tivesse "notícias" da pequena Imelda, então umas das freiras do convento voltou para a capela e lá encontrou Imelda em posição de oração, mas com algo extraordinário acontecendo: com a Hóstia flutuando diante da criança e emitindo uma luz que ia direto para Imelda. A freira logo chamou todas as outras irmãs e o padre que tinha celebrado a Missa anteriormente para que pudessem ver o extraordinário milagre que Deus ali fazia e que estava acontecendo diante dos olhos de todos.

O padre tomou o santo conhecimento de que aquele era o momento que Imelda deveria fazer a sua tão esperada Primeira Comunhão. O santo sacerdote aproximou-se com uma patena de ouro em suas mãos, fazendo com que a Hóstia tenha deitado sobre ela, e então entregou a primeira Eucaristia à pequena Imelda Lambertini.

Após ter recebido Nosso Senhor na Eucaristia pela primeira vez, o rosto de Imelda se transfigurou em uma alegria que irradiava a todos os presentes que assistiram àquele grande milagre. Tendo-se repousado para oração, lá permaneceu por muito tempo, como já era de costume. Mas o tempo foi passando, Imelda continuava em oração, recolhida, diante dos olhos de todos. Uma das freiras se aproximou para tocar Imelda e eis que esta cai no chão morta. Morta de alegria!

Lembramo-nos então das palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo "Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham."


Então com aquele extraordinário acontecimento a freira lembrou-se do que Imelda Lambertini sempre dizia quando estava na presença das irmãs: "Como é que as pessoas não morrem de alegria quando recebem Nosso Senhor na Eucaristia?".

E assim termina a história terrestre da pequena Imelda Lambertini, que tão nova, teve uma morte santa, merecimento de uma vida dedicada à oração e à adoração ao Santíssimo Sacramento. Tão pouco viveu, quanto se fez! Não deixou escrito algum, mas quantos livros poderiam preencher toda a sua devoção pelo Santíssimo Sacramento? Quantos livros poderiam preencher o seu testemunho e a sua morte?

Imelda Lambertini foi proclamada beata em 1826 sob o pontificado do Papa Leão XII, grande opositor das doutrinas heréticas e anti-católicas. Foi proclamada Patrona das Primeiras Comunhões em 1910 pelo Papa São Pio X (cuja uma lenda diz que o Santo Padre também queria desde criança comungar, mas que não podia por causa de sua pouca idade, então, quando já Papa, e no mesmo ano em que proclamou Imelda como Patrona das Primeiras Comunhões, permitiu que as crianças com menos de 12 anos pudesse comungar, sendo necessária a observância das exigências básicas para que seja concretizado tal feito).

O corpo da Beata Imelda Lambertini continua intacto após mais de 675 anos em sua cidade Bolonha, interior da Itália.


Orações à Beata Imelda Lambertini:

Senhor Jesus, que havendo abrasado com o fogo do vosso amor e recriado milagrosamente com o alimento da Imaculada Hóstia, a Bem Aventurada Imelda, a recebestes no céu, concede-nos por sua intercessão aproximar-nos da Sagrada Mesa com o mesmo amor de caridade que ela, de tal maneira que ansiamos separarmos do corpo para unirmos a Vós, que viveis e reinais com o Pai e o Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. Amém.

Menina querida do Menino Jesus, vós morrestes de amor na mesma hora em que recebestes a sua Primeira Comunhão, seja vós minha intercessora para com o divino Menino. Apresenta a Ele o meu coração, que fornece o que me falta para agradá-lo; alcança-me a graça de comungar com as devidas disposições; traga-o ao meu lado na hora de minha morte para que minha alma expire abrasada a Ele e que em companhia de ambos, viva e reine nos céus por todos os séculos dos séculos. Amém.

Para Refletir:

São Tomás de Aquino, a respeito desse amor eucarístico, certa vez declarou:

"O Martírio não é nada em comparação com a Santa Missa. Pelo martírio, o homem oferece a Deus a sua vida; na Santa Missa, porém, Deus dá o seu Corpo e o seu Sangue em sacrifício para os homens. Se o homem reconhecesse devidamente esse mistério, morreria de amor".

(fonte: http://www.catolicostradicionais.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário