quarta-feira, 13 de maio de 2015

Testemunho de ex-pastor protestante convertido ao catolicismo


Fui protestante por 20 anos antes da minha conversão ao catolicismo. Como líder de grupo de jovens, evangelista em prisões e universidades, e como pastor levei muitas pessoas do catolicismo para o protestantismo, inclusive meus pais e outros parentes. Isto foi surpreendentemente fácil. Eu utilizava a seguinte fórmula em três etapas para conseguir meu objetivo.

Primeiro passo: convidar os católicos às igrejas protestantes para ter uma "experiência de conversão".

A grande maioria das igrejas protestantes organiza movimentos jovens bastante dinâmicos, como shows, louvores nas casas e pequenos grupos de estudos bíblicos. Além disso, empreendem congressos, seminários e "cruzadas" evangelísticas. Durante um convite "inocente" de um amigo protestante, o católico começa a participar destes eventos enquanto ainda freqüenta as missas aos domingos em sua própria igreja.

Sem dúvida, os protestantes devem ser elogiados por sua eficácia em promover conversões. Os líderes católicos deverão duplicar seus esforços caso queiram igualar as conversões em suas igrejas. A razão para isto tudo é simples: cerca de 5 a 10 pessoas aceitam as crenças da denominação onde tiveram a experiência de conversão. Esta média aumenta para os que experimentam profunda conversão ou têm experiências carismáticas ministradas por protestantes (acreditem em mim, eu sei do que estou falando, sou formado por uma escola da Assembléia de Deus e fui pastor protestante em duas igrejas carismáticas).

Os pastores protestantes, evangelistas, líderes de jovens e ministros leigos já estão convencidos de que uma experiência de conversão em suas igrejas provoca uma firme adesão à fé protestante. Porque os católicos falham em perceber este fenômeno? Porque são tão relaxados acerca de um processo que está afastando milhares de católicos da igreja?

Segundo passo: dão uma versão protestante à sua conversão.

Uma conversão verdadeira é uma das maiores experiências da vida, possivelmente comparáveis ao nascimento e ao casamento. A conversão desperta uma insaciável "fome" de Deus. Os líderes protestantes treinam obreiros para darem continuidade a esta experiência espiritual. Antes de um congresso, eu dava um curso de seis meses para obreiros. Eu os mostrava como dar a interpretação protestante da experiência de conversão com versículos bíblicos selecionados. A passagem escolhida era Jo 3,3: Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus.

Utilizava a técnica bíblica do "touch and go", semelhante à usada em treinamento de decolagem e aterrissagem de pilotos de avião. Nós rapidamente líamos Jo 3,3 e víamos que é necessário nascer de novo para obter a vida eterna. Então falava de conversões em termos de novo nascimento. Então rapidamente líamos Jo 3,5 que afirma a necessidade de nascer "da água e do espírito". Eu nunca mencionava que por 20 séculos as igrejas católica e ortodoxa, reproduzindo o consenso unânime dos padres, entenderam estas passagens como referência ao sacramento do batismo! E com certeza eu não citava Tt 3,5 como referência paralela a Jo 3,5.

Em toda minha vida de protestante, todos os católicos convertidos ao protestantismo desenvolveram uma firme rejeição à fé católica. Em 20 anos de ministério protestante, nunca conheci um católico que soubesse que Jo 3,3-8 fala do sacramento do batismo. Por isso era muito fácil convencê-los que a Igreja que assim interpretava estaria enganada.

Provérbios diz "Quem advoga sua causa, por primeiro, parece ter razão; sobrevém a parte adversa, que examina a fundo." (18,17). Os católicos que não conhecem sua fé católica jamais terão a oportunidade de ouvir "o resto da história". Meu uso seletivo das escrituras fazia a fé protestante grandemente convincente. Várias vezes este método causou a repulsa dos católicos à fé católica.

Terceiro passo: acusar os católicos de não ensinar a salvação pela graça.

Os católicos geralmente consideram os protestantes alienados, controlados, idiotas. Isto é falso e injusto. Seu zelo evangelístico é alimentado de profunda caridade. Esta é uma razão porque eu levava os católicos para o protestantismo: eu pensava que eles estavam condenados ao inferno. Achava que os católicos não ensinavam a salvação pela graça, e sabia que quem não ensinasse isso não seria salvo. Por amor a suas almas, eu os convertia ao protestantismo.

Para convencer os católicos de que eles tinham que sair de suas igrejas, eu usava Ef 2,8-9: Porque é gratuitamente que fostes salvos mediante a fé. Isto não provém de vossos méritos, mas é puro dom de Deus. Não provém das obras, para que ninguém se glorie.

Primeiro eu dizia: "A Bíblia afirma que a salvação se dá pela graça e não pelas obras, certo?". A resposta deles era sempre sim. Então eu dizia: "A Igreja Católica diz que a salvação se dá pelas obras, certo?" (eu nunca conheci um católico que, durante todo meu ministério pastoral, me contradissesse e afirmasse que a Igreja Católica ensina a salvação pela graça e não somente pelas obras!). Então, finalmente, eu falava: "Por isso, a Igreja Católica está levando as pessoas para o inferno quando nega a salvação pela graça. Te convido a vir à uma igreja que ensine o verdadeiro caminho para a salvação". Era fácil.

Pelo fato de usar a mesma técnica do "touch and go", nunca citava o versículo 10 de Efésios que diz "Somos obra sua, criados em Jesus Cristo para as boas ações, que Deus de antemão preparou para que nós as praticássemos." Façam um teste, ouçam com atenção os televangelistas. Nove entre dez vezes darão ênfase a Ef 2,8-9 e esquecerão do v.10. Nós não somos escravos que tentam em vão ganhar nossa salvação por "obras da lei" (Ef 2,8-9). Por sermos filhos de Deus, somos inspirados e movidos pelo Espírito Santo a fazer todo tipo de "boas obras" em cooperação como o Senhor para alcançar o Reino Celestial (Ef 2,10). O catolicismo ensina e mostra a mensagem completa de Efésios 2,8-10, sem abreviar a verdade.

Por 20 séculos a verdade ensinada na Igreja foi a salvação pela graça. O primeiro Papa, Simão Pedro, disse: "Nós cremos que pela graça do Senhor Jesus seremos salvos, exatamente como eles." (At 15,11). O Catecismo da Igreja Católica, dedicado pelo Papa João Paulo II à Igreja, diz: "Nossa justificação vem da graça de Deus. A graça é favor, o socorro gratuito que Deus nos dá para responder a seu convite: tomar-nos filhos de Deus, filhos adotivos/participantes da natureza divina, da Vida Eterna." (1996).

O protestantismo se iniciou com Martinho Lutero afirmando que somos justificados somente pela fé. Quando trabalhava convertendo católicos ao protestantismo não havia me tocado que Lutero havia acrescentado a palavra somente na sua tradução para o alemão de Romanos 3,28 para dar base à sua nova doutrina (tal palavra não é encontrada em nenhuma versão protestante atual de Rm 3,28). Não percebi que o único momento em que a Bíblia cita a frase "somente pela fé" é em Tiago 2,24, onde a idéia de Lutero é explicitamente refutada: "Vedes como o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé?". Este versículo é prejudicial ao protestantismo, mas eu preferia ignorá-lo, ou me contorcia para fazer com que significasse algo que não verdade não significava.

É importante portanto que os católicos:

Tenham firmeza quanto a fé católica;
Tenham conhecimento de sua fé a ponto de interagirem com não-católicos, usando a Bíblia e os pais da Igreja;
Tenham a consciência de que a mais profunda presença de Cristo não se encontra em gritos e gestos frívolos ou em fortes emoções, mas em momentos de silêncio como na adoração Eucarística (1Rs 19,11-12).

Infelizmente os católicos nascidos depois da Segunda Guerra Mundial para cá não se encaixam nesses requisitos. Para estes, tentar defender a sua fé é abrir as portas para deixarem a Igreja Católica. Neste momento existem milhares de católicos que estão prontos para deixar a Igreja que Cristo derramou o sangue para edificar. Recentemente tomei conhecimento de um grupo de católicos que não mais usará o Catecismo da Igreja em seus estudos bíblicos, pois acreditam que tudo está na Bíblia. Três desses homens já afirmaram não crer mais na Real Presença Eucarística. Eu lhes direi onde este grupo irá acabar: numa igreja protestante.

A maior Igreja da América é a Igreja Católica, o segundo maior grupo da América são os Ex-Católicos. Os atuais movimentos católicos buscam ajudar as pessoas a descobrirem as raízes de sua fé católica. Com isso, ao invés de saírem da Igreja, as pessoas poderão descobrir as riquezas do catolicismo.
É importante lembrar que quando alguém deixa a Igreja Católica, geralmente leva toda a família junto. Após meus ancestrais da Noruega, Inglaterra Alemanha e Escócia, que decidiram deixar o catolicismo, cerca de 10 gerações (quatrocentos anos!), toda a minha família atualmente é católica.

Como alguém cuja família fez uma jornada completa de volta ao catolicismo, por favor, deixe-me fazer um apelo aos líderes dos diversos grupos católicos: não deixem católicos destreinados penetrarem em eventos protestantes, quaisquer que sejam. Eles terão ainda que uma rápida experiência religiosa que trará grande risco de os fazer perder a fé. Sei muito bem do que estou falando. Será muito mais seguro expô-los a elementos protestantes somente quando já tiverem sido exaustivamente expostos ao catolicismo.
No funeral de meu pai, há nove anos atrás, cantei meu hino predileto: "The Faith of our Fathers". Todos os dias agradeço a Deus por me trazer de volta à fé de nossos ancestrais, a verdadeira fé. Todos os dias que Deus me conceder a vida permanecerei proclamando aos meus amigos protestantes e aos católicos a gloriosa fé de nossos pais.


fonte: www.veritatis.com.br

2 comentários:

  1. sou católico e fico feliz por estas conversões, contudo ao ler o texto percebi que falta ser informado o nome do ex-pastor, agora convertido e qual era igreja ou denominação protestante/evangélica da qual ele fazia parte antes de se converter ao catolicismo. Estas informações são importantes ao meu ver porque dão mais transparência e credibilidade para o fato narrado ou informado.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você caro leitor, mas infelizmente a fonte de onde transcrevi a matéria não apresenta o nome do depoente. De fato se estes detalhes estivessem presente dariam mais força ao artigo. Pelo menos, ele nos conta de que foi formado na igreja Assembleia de Deus conforme vemos na descrição dele no primeiro passo. E segue aqui o link do texto original: http://www.veritatis.com.br/como-converter-catolicos-as-igrejas-protestantes

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas