quarta-feira, 20 de julho de 2016

Como os primeiros cristãos

Os primeiros cristãos tiveram de enfrentar as mais terríveis tribulações para defender a fé em Jesus Cristo. Foram provados até o limite das próprias forças, ora pela truculência do Estado — o qual via naquela nova religião uma eminente ameaça —, ora pelas condições de vida — fome, doenças etc. É possível enxergar essa realidade nas cartas de São Paulo, nas quais o apóstolo das gentes exorta a comunidade a manter-se sempre alegre, mesmo nos momentos de crise e instabilidade (cf. Fp 4, 4). Ele aconselhava: "Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças" (Fp 4, 6) E assim faziam os fiéis, seguindo as recomendações apostólicas. Mantinham-se firmes na Palavra de Deus, no anúncio da Boa-Nova e na caridade fraterna. Essas foram as armas dos cristãos que derrubaram o Império Romano e tornaram o nome de Cristo conhecido em toda a Terra.

É verdade, porém, que muitos desanimaram frente aos desafios. Nem todos puderam suportar a opressão das perseguições e o peso da cruz. Acabaram por capitular. Essa fraqueza, naturalmente, deveu-se a dois motivos bem óbvios: uma fé imatura e a falta de confiança na graça de Deus. Ninguém, a não ser o próprio Cristo, pode suportar sozinho o peso dos pecados do mundo. E mesmo Jesus teve de passar por uma noite escura no jardim, apoiado pelos anjos, antes que derramasse seu sangue no madeiro (cf. Lc 22, 43).

Um cristão, portanto, necessita de amadurecer sua fé se quiser sobreviver às ondas agitadas que constantemente chacoalham a Barca de Pedro. Esse processo de amadurecimento, por outro lado, deve estar enraizado na grande herança apostólica da Igreja. Em nossos dias, costuma-se considerar madura a fé que se adapta ao sabor das novas ideias, das circunstâncias impostas pelo mundo moderno. Isso não pode ser considerado um amadurecimento. Isso se chama apostasia. Como explicou certa vez o Cardeal Joseph Ratzinger, "'adulta' não é uma fé que segue as ondas da moda e a última novidade; adulta e madura é uma fé profundamente radicada na amizade com Cristo". Jesus deixou-nos os sacramentos justamente para que fôssemos santificados. A Eucaristia e a confissão, sobretudo, foram os dois pilares da vida dos grandes santos da história. Não podemos relativizar essa herança, como se se tratasse de algo opcional. Os sacramentos são imprescindíveis. Acaso não está escrito: "Se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos" (Jo 6, 53)? Fé adulta é a do homem que constrói sua casa sobre a rocha firme (cf. Mt 7, 24-25). Nenhuma ventania pode derrubá-la. Essa rocha nada mais é que a economia sacramental.

Quem se entrega à graça de Deus, por conseguinte, sabe lidar com os tempos de provação. Não luta com suas próprias forças. Torna-se um instrumento da providência divina. Infelizmente, muitos ainda vivem a ilusão de um cristianismo sem cruz. Não se enganem. Jesus alertou-nos claramente sobre a perseguição que haveríamos de sofrer: "Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós" ( Jo 15, 18). E é a certeza desse repúdio do mundo à Palavra de Deus que não nos deixa sucumbir, pois bem-aventurados são aqueles que sofrem perseguição pelo nome de Jesus (cf. Mt 5, 10).

De fato, vivemos, em nossa sociedade, um clima de confusão desnorteadora, o qual pode, de certo modo, nos induzir a um pessimismo. Tantas notícias ruins sobre a moral social, sobre a família e a própria Igreja contribuem para isso em grande escala. O cristão, porém, não pode deixar-se prender por esses desafios, já que sua esperança abre uma visão para além das nuvens negras que cobrem o céu. A esperança cristã nunca decepciona porque não se fundamenta em um futuro utópico, mas na providência divina que cerca seus filhos de carinho e proteção, como diz o salmista (cf. Sl 124, 2).

A pergunta agora é: Quando soar a última trombeta, de que lado estaremos, dos vitoriosos ou dos derrotados? A fé católica exige uma tomada de posição, pois "o Reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam" ( Mt 11, 12). Temos de fugir, a todo custo, da blasfema presunção de achar que não é preciso lutar, porque, afinal de contas, Deus sempre vence. Aos presunçosos recai a mesma censura do profeta Mardoqueu à rainha Ester: "Se te calares agora, o socorro e a libertação virão aos judeus de outra parte; mas tu e a casa de teu pai perecereis" (Et 4, 14).

Peçamos à Virgem Santíssima, Ela que foi o auxílio fiel de tantos cristãos ao longo de toda a história da humanidade, a fortaleza para suportarmos os desafios e a graça para caminharmos, sem descanso, rumo à Jerusalém Celeste.


adaptado da fonte: padrepauloricardo.org/blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas