segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Cuida do seu povo e da sua religião


De grande valor histórico, o livro de Macabeus, integrante dos deuterocanônicos da bíblia, narra a história de um povo que luta pela liberdade política e religiosa, comandados, podemos dizer assim, pela família dos Macabeus, na pessoa de Judas Macabeus. Feito esta pequena introdução muitíssimo resumida, pois o objetivo deste artigo não é fazer um estudo a respeito dos livros de Macabeus, presentes no antigo testamento e sim colocar um norte a respeito do que iremos refletir nesta postagem.

1 Macabeus 3,43 – Levantemos nossa pátria de seu abatimento e lutemos por nosso povo e nossa religião.

Pois bem, como membros do corpo de Cristo, a igreja, Ele, Jesus, como cabeça nos convida a trabalharmos pela instauração de seu reino já aqui na terra. Muitos podem pensar: puxa vida, aprendi que este mundo irá passar e a Nova Jerusalém Celeste irá descer e iniciaremos a vida eterna na felicidade junto a Deus Pai. Ora, não morrerei e por causa de minhas obras e minha conduta irei herdar o prêmio eterno ou a condenação eterna, indo ao céu ou ao inferno? Ou seja, não deixarei este mundo? Por que então trabalhar nele para a instauração do reino de Deus pois o reino já não existe? Já não está lá em cima, no céu, onde fica o paraíso e de onde houve a queda de lúcifer e seus anjos seguidores? Muitas vezes são perguntas um tanto válidas por causa da ignorância das pessoas, embora uma ignorância vencível que não se supera por preguiça. E aqui a preguiça, que é um dos pecados capitais tem influência muito perigosa pois a salvação das almas entra em jogo.

O livro do apocalipse é bem claro: vi novos céus e nova terra, o mar já não existe mais. Então, para podermos bem compreender o sentido das coisas é preciso olhos e ouvidos atentos. Lutar pelo nosso povo e nossa religião é uma condição, um dever que começa dentro de nossa própria casa, a igreja doméstica. As pessoas que estão próximas a nós, são as que devemos evangelizar e são as que irão nos evangelizar. O ide e pregai o evangelho a todos começa entre quatro paredes e sob o teto de nossa morada. E essa missão se estende a medida em que nosso horizonte na caminhada aumenta. Começamos em casa, continuamos com os conhecidos, os amigos, os parentes, a comunidade em que vivemos, o bairro, a cidade e por aí vai. Este é o verdadeiro sentido do que devemos fazer. E compreendendo isso fica também fácil perceber que assim o fazemos pelo que falamos, através de nosso comportamento e atitudes. Exatamente como Jesus fazia. Que ensinamento perfeito porque assim, por exemplo, se uma pessoa não fala conosco, por se achar nossa inimiga, nós, pelo contrário “falamos” com ela através de nossos exemplos, atitudes e comportamentos. Dessa forma, o falar e o agir, darão sempre testemunhos da nossa fé e nos mostrarão o tipo de cristão católico que somos.

Certa vez, Jesus em uma de suas aparições a Santa Maria Faustina Kowalska disse a ela que lhe é muito agradável quando rezamos pedindo pela misericórdia de Jesus, a conversão de todos os pobres pecadores. Nem poderia ser diferente não é mesmo pois este pedido que tanto agrada a Jesus é um pedido que coloca de lado qualquer desejo egoísta. Assim como Deus faz chover e nascer o sol sobre justos e injustos, nossa perfeição enquanto filhos de Deus é seguir os ensinamentos da trindade. Afinal, não seremos nós que estaremos sentados a direita do Pai, para julgar os vivos e os mortos. Não cabe a cada um de nós decidir quem irá entrar no reino dos céus, cabe a nós rezar a Deus pedindo que cada um se converta e siga pelo vale de lágrimas peregrinando por suas tribulações para alcançar a porta estreita. Nosso falar e agir consiste em fazer a vontade do Pai, que não quer que nenhum daqueles que confiou a Jesus se perca, mas que tenha a vida eterna.

Portanto, é preciso sim trabalhar pelo reino de Deus, porque Jesus subiu aos céus e está a preparar um lugar para nós, e virá nos buscar. Como na parábola das noivas prudentes estejamos atentos porque o noivo virá, e como um ladrão que não avisa a hora, nossa morte marcará o fim da oportunidade de fazer amanhã o que já deveríamos estar fazendo hoje e já deveríamos estar fazendo desde ontem: cuidando do nosso povo e da nossa religião hoje, pois o amanhã não existe ainda, o ontem não existe mais, Deus nos concede o hoje para trabalharmos pelo seu reino formando um povo santo, para que quando este mundo passar, os céus sejam povoados de filhos e filhas do Altíssimo que nós, com o nosso trabalho e aceitação total, contribuímos e colaboramos para os desígnios divinos.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas