quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Família é para todos os momentos


Olá caros leitores vamos neste artigo refletir um pouco sobre alguns distúrbios relacionados com o culto a imagem do ser humano, movido pela intensa cobrança que a sociedade insiste em impor ao longo de toda a sua história. Dizemos ao longo porque em outras épocas o que se cultuava eram as mulheres corpulentas, visível sinal de saúde e vigor para a ocasião. Também em outro momento histórico o bronzeado do corpo era mal visto pois indicava que aquela pessoa era de classe muito baixa, trabalhadora que exercia suas funções sob o sol. Pois bem falemos aqui um pouco sobre dois distúrbios bem interligados. A bulimia e a anorexia nervosa.

A bulimia é um distúrbio alimentar no qual uma pessoa oscila entre a ingestão exagerada de alimentos, com um sentimento de perda de controle sobre a alimentação, e episódios de vômitos ou abusos de laxantes para impedir o ganho de peso. Pessoas com bulimia estão sempre preocupadas com a aparência, principalmente com o peso. A causa exata da bulimia ainda é desconhecida. Trata-se de um transtorno de alimentação e, por isso, muitos fatores podem estar envolvidos nos motivos que levam à sua ocorrência. A influência exercida pela mídia sobre o comportamento e o padrão de beleza das pessoas também pode estar entre as possíveis causas da bulimia. O culto ao corpo magro e o desprezo às pessoas acima do peso pregado pela indústria da beleza e da moda, aparentemente, levam milhões de pessoas em todo o mundo a apresentar quadros de bulimia. Dessa forma, a bulimia é um distúrbio de imagem, no qual o paciente não consegue aceitar seu corpo da forma como ele é, ou tem a impressão de que está acima do peso em níveis acima da realidade. Isso pode levar a um quadro de ansiedade, que faz a pessoa buscar maneiras bruscas de perder peso rapidamente, ao mesmo tempo em que busca conforto na comida.

A anorexia nervosa é um transtorno alimentar no qual a busca implacável por magreza leva a pessoa a recorrer a estratégias para perda de peso, ocasionando importante emagrecimento. As pessoas anoréxicas apresentam um medo intenso de engordar mesmo estando extremamente magras. Em 90% dos casos, acomete mulheres adolescentes e adultas jovens, na faixa de 12 a 20 anos. É uma doença com riscos clínicos, podendo levar à morte por desnutrição. Não existe uma causa única para explicar o desenvolvimento da anorexia nervosa. Essa síndrome é considerada multideterminada por uma mescla de fatores biológicos, psicológicos, familiares e culturais. Alguns estudos chamam atenção que a extrema valorização da magreza e o preconceito com a gordura nas sociedades ocidentais estaria fortemente associada à ocorrência desses quadros.

Tendo esclarecido um pouco sobre esses distúrbios vamos conhecer um caso concreto:

A jovem Gemma Walker, 22 anos, de Gold Coast, Austrália, passou anos sofrendo de dois transtornos alimentares terríveis: a anorexia nervosa e bulimia. Quando chegou aos 25 kg, os médicos alertaram a jovem de que ela teria apenas 48 horas de vida, caso não se tratasse.

De acordo com informações do site Daily Mail, Gemma foi diagnosticada com os dois transtornos aos 14 anos. Durante os sete anos, ela foi internada por três vezes. Os médicos a alertaram que ela poderia morrer se não passasse por um tratamento. Agora, ela divulgou fotos de sua recuperação milagrosa, seis meses depois de iniciar a luta contra as doenças. Além disso, publicou imagens de seu corpo quando estava com baixo peso.

— É difícil olhar para trás e me ver. Não só pelas imagens, mas em rever os meus sentimentos. Quando vejo cada foto, relembro o que eu sentia naquele momento. Estava preparada para a morte e minha família também.

O pai dela, Steve, revelou à publicação que rever as fotos de sua filha magra traz angústia e dor.

— Esses anos foram os mais difíceis e terríveis das nossas vidas. Nós verificávamos todos os dias se ela estava respirando e se seu coração estava batendo. Com tanto sofrimento, ela tomou a iniciativa de tentar se recuperar. A jovem chegou a ingerir 6.500 calorias em 20 minutos. E, por isso, teve até alucinações.

— Minha recuperação foi traumática. Pois, meu ganho de peso foi muita rápida. Em menos de sete meses, ganhei 40 kg. Como eu engordei, tinha aparência saudável, mas estava em um momento mental ruim.

Gemma afirma que hoje se sente melhor e atribuiu a sua recuperação ao apoio de sua família.





















“— Eles passaram por tudo isso sempre ao meu lado.”

O que fica de lição e reflexão para nós católicos é a última frase enunciada pela jovem em sua entrevista. A família esteve sempre ao seu lado. Ou seja, são nos momentos de reais necessidades que conhecemos quem realmente nos ama e se importa conosco. São as pessoas que aceitam essa aliança de sangue chamada família.


fonte: r7, abc da saúde, minha vida e Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas