segunda-feira, 28 de março de 2016

Como o Profeta Jonas

Os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis. Ou seja, caros leitores, o livre arbítrio que Deus te concede esbarra em certos limites. Você é livre para decidir, é livre para fazer escolhas, porém, essa sua liberdade não afeta em nada o que vem de Deus. Vamos entender melhor.

Comecemos biblicamente falando. No antigo testamento muitos são os chamados a missão que Deus faz e este mesmo Deus capacita os seus eleitos através dos dons. Vejamos o exemplo de Moisés, que titubeou, mas Deus não voltou atrás. Vejamos o exemplo do profeta Jonas, que relutou na missão dada por Deus de falar aos ninivitas e Deus não voltou atrás. Podemos simplificar dizendo que Jonas ficou no ventre da baleia para compreender o que de fato o criador queria dele. Na linguagem da gíria podemos dizer que ele ficou de molho como se Deus dissesse que o que ele determinou está determinado, é preciso fazer.

E vamos além, como vemos no novo testamento, que o Espírito Santo de Deus distribui os dons como quer, a quem quer, para o bem comum de todos, ninguém está isento ou dispensado de coloca-los a serviço do Reino de Deus. E saibam, caso ainda não tenham feito a experiência de que os chamados não apresentam sombras de dúvidas em nossos corações e almas. Quando Deus nos toca e nos delega algo, não sejamos como o profeta Jonas, pois não adianta nada. Cedo ou tarde iremos acabar cedendo a sua vontade e cumprindo aquilo que ele nos pede.

Olhemos também para o exemplo dos santos. Desde os menores aos portentosos santos. Noventa e nove virgula nove por cento deles, tiveram uma vida dedicada em primeiríssima mão aos assuntos celestes. Todos, sem exceção, que receberam a graça das aparições privadas de Jesus e Maria, foram lançados na linha de frente de defesa do evangelho. E quantos deram seu testemunho com o seu sangue.

Em meus estudos que faço a anos sobre a vida dos santos e de Nossa Senhora posso afirmar baseado em tudo que li que, quando Jesus ou Maria apareciam para alguém, esta pessoa automaticamente ia para a linha de frente viver radicalmente a palavra de Deus recebendo na carne e na alma vários sofrimentos e provações. O que dizer a respeito de nós, povo de Deus, que caminha rumo ao céu? Simples. Como membros do corpo da igreja de Jesus Cristo, somos leigos e leigas engajados ao serviço do reino. Não podemos cruzar os braços, temos uma cruz no ombro para carregar, exemplo para dar, evangelho para anunciar, testemunho para falar e caridade para praticar.
Se no teu íntimo você é atraído para a igreja para ser catequista, ajudar nas capelinhas, participar dos grupos de orações, fazer parte da equipe de leitura, ser coordenador, ajudar na limpeza e organização geral das festividades e da igreja, dar cursos e palestras ou apenas comporta-se durante a santa missa e em outras celebrações de uma maneira que agrada a Jesus, saiba que isso que estás a sentir em teu coração foi plantado ali pelo teu criador.

Por isso é que as tentações e provações aumentam. Certa vez, eu ouvia um palestrante, a muito tempo atrás, antes ainda de eu me consagrar a Virgem Santíssima pelo método do Tratado da Verdadeira Devoção de São Luiz Maria Grignion de Monfort, que assim que eu abraçasse essa consagração a luta iria aumentar de intensidade. Dito e feito, satanás ficou enfurecido e fica mais enfurecido a cada dia que passa comigo pois sabe que eu odeio ele com toda a força do meu coração e alma e que agora, vivo agarrado aos Corações Santíssimos de Jesus e Maria e por isso mesmo, ele intensifica, dobra, redobra e se esforça cada vez mais para me derrubar. Não só a mim é claro, a todos os cristãos filhos de Deus.

Na vida dos santos vemos testemunhos de verdadeiras batalhas contra o inimigo. O diabo está a tentar nos derrotar até na hora de nossa morte, em plena agonia. Ele só vai nos deixar em paz quando nossa salvação for decretada por Jesus. Até lá, segue a batalha de cada um e de todos.

Portanto não se preocupe, as dificuldades virão de todos os lados porque o inimigo não quer você dentro da igreja, como membro do corpo de Cristo e ele irá jogar sujo, usando até os mais próximos a você para te derrubar. Padre Pio já dizia que quanto maior a tentação mais perto a alma está de Deus. Como São Paulo escreveu em sua carta aos Romanos 11,29 – Os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis, somos a cada dia convocados a seguir em frente. O desânimo é uma tentação que busca nos fazer desistir do que agrada a Deus.

Estejamos atentos porque se desanimarmos nos tornaremos preguiçosos e a cada queda mais esforço iremos precisar para nos levantar. Se nesta subida rumo aos céus estamos carregando nossa cruz e caímos, não iremos cair muito longe dela; mas se não estamos a carrega-la e caímos corremos o risco de rolarmos e perdermos o que já conquistamos até aqui.

Artigos relacionados:

Catequista não tira férias

A catequese em 5D


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas