quinta-feira, 28 de abril de 2016

Católicos Infiéis

Assim como o mundo tem suas modas e tantas pessoas aderem aos mais diferentes modismos, a igreja católica tem se comportado da mesma forma em algumas instancias religiosas. Vira e mexe ela bate na tecla do ecumenismo. Mas não se enganem com a simpatia do ecumenismo pois ele defende a bandeira de que “fiquemos com o que nos une e deixemos de lado o que nos separa”.

Só por este prisma já dá para ver a proporção do erro. O céu é católico e o inferno é ecumênico. Se essa iniciativa de promover um movimento ecumênico tivesse um único objetivo
de trazer as pessoas para o seio da igreja e religião católica, aí sim. Mas, não é isso que acontece. A enfraquecida igreja católica não admite mais que possui a única verdade que liberta. E como um cego no meio do tiroteio mantém seu passado em meio a névoas para poder se adaptar as exigências seculares que, como fumaça de satanás, entram pelas brechas do catolicismo.

Vejam o que diz o Catecismo da Igreja Católica:

816 "A única Igreja de Cristo (...) é aquela que nosso Salvador depois de sua Ressurreição, entregou a Pedro para que fosse seu pastor e confiou a ele e aos demais Apóstolos para propagá-la e regê-la... Esta Igreja, constituída e organizada neste mundo como uma sociedade, subsiste na ( "subsistit in") Igreja Católica governada pelo sucessor de Pedro e pelos Bispos em comunhão com ele":

O Decreto sobre o Ecumenismo, do Concílio Vaticano II, explicita: "Pois somente por meio da Igreja católica de Cristo, 'a qual é meio geral de salvação', pode ser atingida toda a plenitude dos meios de salvação. Cremos que o Senhor confiou todos os bens da Nova Aliança somente ao Colégio Apostólico, do qual Pedro é o chefe, a fim de constituir na terra um só Corpo de Cristo, ao qual é necessário que se incorporem plenamente todos os que, de que alguma forma, já pertencem ao Povo de Deus".

Percebem o tiro no pé da igreja católica? O tão falado Concílio Vaticano II determina a exclusividade da salvação na unidade da igreja católica, como membros do corpo de Cristo. E nem poderia ser diferente pois o Cristo fundou A Igreja e os homens dispersos e rebeldes fundaram outras igrejas e religiões. Como resultado desastroso esse ecumenismo satânico atualmente em prática tem as seguintes consequências:

1) Não trouxe de volta para a Igreja nenhuma seita.

2) Só conseguiu difundir a falsa idéia de que qualquer religião salva, tese condenada pelo Syllabus de Pio IX.

3) Por isso, milhões de católicos têm abandonado a Igreja, e praticamente cessaram as conversões de protestantes ao catolicismo.

4) Em contrapartida, o ecumenismo produziu muitas divisões entre os católicos.

Como podemos ver, a política ecumenista só causou prejuízos e confusão. Pretendendo unir os cristãos, ela dividiu os católicos. E mais, o Papa Pio XI condenou o movimento ecumênico na encíclica Mortalium Animos, mostrando o que todo católico já devia saber de berço. E o tiro no pé da religião católica vai mais além ainda. No documento Unitatis Redintegratio em seu número 04 está escrito textualmente: a) o ecumenismo como uma atitude, um comportamento dialogante frente às diferentes igrejas, eliminando palavras, juízos e ações que não correspondam à condição destas;

Perceberam o que a igreja católica e seu atual ecumenismo quer dos católicos? Você não pode falar, agir e nem emitir juízo frente a outras pessoas não católicas porque elas não aceitam a nossa doutrina e por isso não são católicas. Haja paciência com essa perda de tempo da religião católica que insiste em se preocupar com isso e deixa os católicos se evadirem da verdadeira religião do verbo encarnado. Jesus pregou amor e espada e não ecumenismo e paz. É preciso compreender o evangelho de Cristo e ser seu imitador.

Já na época dos profetas de Deus, eles falavam na “lata” o que tinham para dizer ao povo, sempre corrigindo e mostrando a verdade. Depois veio o salvador e deu exemplo de como se faz. Agora os sucessores apostólicos envergonham a Santíssima Trindade e a Virgem Maria, tão criticada por tantas denominações religiosas, ao se permitirem essa frouxidão doutrinal e infiel aos ensinamentos de Jesus. Eu jamais vou deixar de lado tudo que provém da fé católica de mais de dois mil anos de tradição e isso inclui Nossa Senhora, a intercessão dos santos e anjos de Deus, a comunhão dos santos, o sacratíssimo Rosário, a santa missa, os sacramentos e tantas outras vertentes que brotaram da chaga aberta do peito de Jesus para ficar tricotando com os não católicos.

O ecumenismo tem que ser praticado só numa via para ser autêntico e dar resultado. Do contrário, é abrir mão daquilo que pede o salvador: “Quem não está comigo, está contra mim. Lembremos: “Pedro... sobre ti fundarei a Minha igreja...”

fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Amor e Desejo

Vira e mexe nos deparamos com pessoas que defendem a corrente de pensamento de que amor e desejo podem ser separados da realidade humana e, desta forma, a brilhante solução humana abre espaço para muitas possibilidades no que diz respeito ao relacionamento a dois.

E quando ouvimos suas explicações o entoar de suas palavras parecem tão convincente que lá se vai mais um cristão ceder as tentações da carne, um dos três inimigos da alma. Os defensores da felicidade a todo custo dizem assim: que o amor é uma coisa e o desejo é outra, então é possível atitudes diferentes para situações diferentes. Vejam na prática como fica a coisa.

Se o marido ama sua mulher, mas não se realiza sexualmente com ela, então seu desejo, pode ser saciado com outra mulher sem prejuízo ao seu casamento. E muitos defendem a tese de que isso até faz bem a relação matrimonial porque mantém o casal unido. Basta apenas um esforço para se manter uma vida paralela e assim, de forma egoísta “amar” a sua esposa e ter seus “desejos” sexuais realizados. Que maravilha, tudo segue adiante.

E alguns ainda dizem: a vida é curta então curta um caso. Este é um slogan de um dos sites de relacionamentos da internet. Aqui é claro, já vemos um passo além, no incentivo para se colocar um pouco mais de tempero nas aventuras além das fronteiras matrimoniais.

De qualquer forma podemos dizer, nós cristãos católicos sabemos muito bem, que amor é uma coisa e desejo é outra, mas esta esfera colocada pelos adeptos dessa separação, na forma como mencionei, procura retirar a força dos corações a exigência que o amor pede de cada um de nós. O amai-vos um aos outros como eu vos amei foi um mandamento deixado por Jesus. E todo mandamento lembremos bem, é um desejo que brotou dos céus. Jesus deseja que nos amemos com esse amor. Então ficar dizendo que ainda gosto muito da minha esposa ou do meu esposo e ficar se relacionando com outra pessoa apenas para satisfazer apetites do corpo é de longe, muito longe, uma atitude que não se alinha com a proposta do amor de Deus.

Já está claro, mais do que claro. Nossos desejos não podem ferir alguém pois o amor a isso proíbe. Mas, e se esse tipo de desejo acontece dentro de nós? Ele se chama um desejo desordenado e desregrado. Desordenado porque não segue a ordem natural do que foi pensado por Deus e desregrado porque não segue aquilo que foi prescrito por Deus. E tanto um como outro afloram em nossos corações porque deixamos de preenche-lo totalmente com as coisas que não passam, deixando assim um vazio para ser explorado pelo nosso inimigo cruel.

Portanto, cabe a nós pedirmos constantemente ao Espírito Santo o dom do temor de Deus para que antes de agirmos possamos sempre, por nos sentirmos filhos do Altíssimo, pensar se aquilo que iremos fazer irá desagradar nosso criador. Tenhamos em mente o que nos diz o Apóstolo Paulo em Filipenses 1,20: Meu ardente desejo e minha esperança são que em nada serei confundido, mas que, hoje como sempre, Cristo será glorificado no meu corpo (tenho toda a certeza disto), quer pela minha vida quer pela minha morte.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

terça-feira, 26 de abril de 2016

Conheça os ensinamentos de Deus

Como é importante sempre ao tirarmos um tempo de nosso dia para entrarmos em contato com a palavra de Deus, antes de mais nada invocar a assistência do Espírito Santo, autor das escrituras, que inspirou os homens santos de Deus (2Pe 1,20). Assim procedendo iremos sempre aprender aquilo que realmente precisamos para nosso crescimento diário rumo a nossa pátria eterna. Precisamos então, com o coração aberto, estarmos atentos ao que o mestre nos ensina. Vamos ver um de seus ensinamentos?

Num contexto histórico do antigo testamento conta-se que havia uma rainha cuja virtude de destaque era a virtude da admiração. Além das suas muitas riquezas esta virtude era o que mais lhe sobressaía. Sendo assim, deslumbrada pela sabedoria, grandiosidade e beleza das obras do Rei Salomão, filho de Davi, que ao seu conhecimento chegaram, quis a rainha conhece-lo. Então, com sua numerosa comitiva empreendeu grande caminhada trazendo grande quantidade de ouro e pedras preciosas.
Ao chegar em Jerusalém, acolhida pelo Rei Salomão, pode comprovar de fato sua grande sabedoria, a grandiosidade do templo e tudo que se fazia ali em louvor e honra a Deus e repleta de admiração, o livro de Crônicas narra a seguinte exclamação proferida por ela:

"Felizes esses servos que sempre estão diante de ti e ouvem tua sabedoria! Bendito seja o Senhor teu Deus, que te tomou como objeto de afeição, e te colocou no seu trono, como rei em nome do Senhor, teu Deus!" (2Cr 9, 7-8) Após, sua admiração sem interesse a levou a presentear o Rei Salomão com ouro, pedras preciosas e perfumes.

Depois disso não se sabe mais o que aconteceu com ela, mas sua atitude mereceu de Jesus uma referência que elogiou a rainha. Como sempre vemos nos evangelhos, Jesus está a discutir com os escribas, doutores da lei e fariseus. E o motivo relatado tanto em Lucas quanto em Mateus trata da questão de que eles pedem a Jesus um sinal. E Jesus não deixa por menos, chama a atenção prontamente e exorta-os citando essa passagem do antigo testamento que fala da rainha. Vejamos como está em Lucas 11,31:

“A rainha do meio-dia levantar-se-á no dia do juízo para condenar os homens desta geração, porque ela veio dos confins da terra ouvir a sabedoria de Salomão! Ora, aqui está quem é mais que Salomão”.

Como podemos ver caro leitor, Jesus vez por outra acaba por citar alguma passagem das escrituras para os cabeçudos fariseus que não enxergam além dos seus umbigos. Para nós o que deve ficar de lição é este belo exemplo de nosso salvador que devemos seguir. Se acompanharmos os evangelhos iremos encontrar outras passagens em que Jesus dá o famoso tapa na cara desse povo. Quando querem encurrala-lo ele simplesmente responde citando as escrituras como se estivesse a dizer: Seus tolos o ensinamento sobre isso já existe, está nas escrituras. Parem de querer me tentar e colocar a prova pois eu sou o Verbo que se fez carne.

Quem tem ouvidos ouça, nos ensina o mestre. E ainda mais, como diz o apóstolo que precisamos ser imitadores do Cristo, precisamos ser imitadores 100%. Isso inclui conhecermos a palavra de Deus. Xô preguiça e quem vive sem tempo vive gastando seu tempo com desculpas. Quem é amigo do mundo se torna inimigo de Deus (Tg 4,4). Cuidemos.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Com Jesus

Quando em alto mar lá no topo do mastro mais alto de uma embarcação o marinheiro avistava algum ponto de terra nas proximidades, estava ele encarregado de avisar a todos os tripulantes. E assim ele dizia: “terra a vista”. A notícia nesta época era de grande valia, pois muitas vezes era preciso atracar os navios em portos seguros para manutenção, exercer o comércio entre países que na época tinham esse meio de transporte como única ligação, além de promover a troca de convívio e outras experiências entre os povos.

Como bem sabemos a dupla terra e mar traz em sua bagagem muitas verdades que podemos refletir ao longo da história da humanidade. Pescadores que entravam em alto mar, deixavam famílias inteiras ansiosas na espera de seu retorno e assim, da mesma forma, estes pescadores ansiavam pelo reencontro em terra firme com seus entes queridos.

Façamos aqui uma analogia do tema com a nossa vida espiritual. Um destes momentos que antecedem um grande encontro em nossas vidas, assim como destes pescadores com seus familiares, é o momento da primeira comunhão. Enfim tudo aquilo que a fé que recebemos da igreja, alimentada em nossas casas, na catequese e por esforço próprio, finalmente nos aponta para “terra a vista”. O porto seguro de nossas vidas, Jesus está ali, já ao alcance do olhar. E todos os anos mais e mais pessoas, recebem este sacramento admirável, que brotou na cruz de Cristo.

Minha primeira comunhão aconteceu em dezembro de 1982 e agora, 34 anos mais tarde é a vez de minha primeira filha, Yasmin, receber Jesus dentro dela. Já estamos as portas deste dia. Tanto foi ensinado e explicado diariamente para ela em casa, na catequese e nas homilias das santas missas. Claro que nunca é o bastante falar a respeito porque essa experiência é pessoal.

Alguns jovens comungam pela primeira vez e tudo bem, pronto, fiz um rito. Outros matam sua curiosidade em saber que gosto tinha a hóstia sagrada. Outros ainda se decepcionam pois esperavam que tivesse um sabor diferente ou que algo de extraordinário aconteceria e como não aconteceu nenhum milagre no estilo dos filmes de holywood ficam achando que faltou alguma coisa.

Nada disso, não é nada disso. Para o católico que acredita nas palavras ditas por Jesus, quando ele falou na santa ceia da quinta-feira santa que “isto é meu corpo” e “isto é meu sangue” e “quem comer e beber... terá a vida eterna e eu viverei nele”, não pode considerar o que se vê ou o que se sente porque a fé tem um olhar diferente sobre as coisas de Deus. É a certeza a respeito daquilo que não se vê. E mais, não vamos chamar Jesus de mentiroso!

Portanto, em oração constante encerro este artigo pedindo a graça para minha filha Yasmin e para tantos jovens e adultos para que, ao receberem a santa comunhão, sintam dentro de si o amor que Jesus tem a oferecer, o amor que restaura e dá coragem, o amor que os conduzirá para a vida eterna.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

Seguindo em frente

Certa vez aprendi com a santa mensageira da misericórdia, Santa Maria Faustina Kowalska que, num dos conventos que frequentou, uma das freiras já de muita idade, acabou por chamar a atenção de Santa Faustina. O que acontecia? Esta freira já com muitos anos vividos aqui na terra era uma mulher de muitas e constantes orações. E vejam aqui caros leitores o interessante da coisa. Faustina era uma freira muito dedicada a oração diária e para ela perceber o que sua irmã de convento fazia a ponto de lhe chamar a atenção já podemos imaginar a constante entrega que tinha a boa idosa por Jesus.

Porém, no final das contas, elas estavam a fazer aquilo que Jesus nos ensinou. Vigiai e orai sem cessar. E graças a oração mental como nos recorda Santa Tereza de D’Ávila, o sem cessar pode realmente ser colocado em prática.

Pois bem, continuo aqui contanto que, após a Faustina se entreter com esse tão bom exemplo de sua irmã mais velha de convento, ela não perdeu a oportunidade e foi conversar com ela. E no meio da breve conversa a freira disse a Santa Faustina: “A idade não dispensa ninguém da luta”.

E aqui entra em cena mais um exemplo de católicos que sabem o que é seguir em frente com o peso da sua cruz nas costas, sempre a serviço da igreja e felizes por terem um olhar voltado para a eternidade, que é onde todos esperamos um dia estar.

O nome da moça é Karoline e hoje, na data em que escrevo este artigo, posso dizer que é bom fruto que não caiu longe do pé. Sua mãe (foto) tem nas mãos uma pessoa que caminha para um dia se tornar uma grande mulher. Hoje, a pequena Karoline, em plena juventude, de longe não é uma moça “quadrada”. Mas, sobretudo, aprendeu em casa que é possível sim viver neste mundo sem deixar Jesus de lado. Apesar de tudo, quando as dores da vida, enviadas por Deus, se apresentam e nos colocam em nosso lugar, nosso pouco contato com essas realidades que não convivemos diariamente nos fazem sofrer, chorar, desanimar, entristecer e balançarmos em nossa fé. Quando caímos de joelhos e baixamos nossa cabeça voltando nosso olhar para o chão, nunca devemos esquecer que a dor é filha do amor e o caminho para o céu é subida. Como disse a freira idosa para jovem Faustina Kowalska: “A idade não dispensa ninguém da luta”.

E a jovem Karoline não se viu dispensada da luta. Mas, enquanto sua vida seguia em frente, em meio a essa luta, ela pôde participar por mais de um ano das turmas de catequese da crisma as quais eu conduzi. Ela deu exemplo de ponta a ponta e faz parte da lista dos crismandos que menos faltou durante os dois anos finais da crisma. E esse menos quer dizer que faltou em dois anos somente uma vez.

Sempre conservando sua humildade e bom comportamento nos encontros, de poucas palavras, soube aproveitar cada momento da catequese. Depois das minhas filhas, é a jovem da paróquia que mais demonstrou o que sente por mim. Até materializando sua gratidão com uma pequena lembrança que reflete o bem que pela graça de Deus, pude fazer em sua vida.

Parabéns Karoline Maria, hoje acólita de nossa paróquia. Continue assim, sendo esse bom exemplo na vida das pessoas que você conhece, na vida das pessoas que você não conhece, mas que sabem quem é você, e bom exemplo de católica por onde andar. Afinal, como dizia São João Maria Vianney, devemos dar exemplos de bons cristãos, na maneira de nos vestir, na maneira de nos comportar e até, dizia o santo, na maneira de como nos alimentamos. E a Beata Irmã Lúcia de Fátima confirmava: devemos como católicos dar exemplo de nossa fé até na maneira de falarmos, nos comportarmos, andarmos e vestirmos.

Como vemos, assim devemos ser, assim é a Karoline, assim Jesus espera que nos comportemos pois, não esqueçamos, ele espera de nós, no mínimo, o máximo do nosso esforço.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

sexta-feira, 22 de abril de 2016

O dedo de Deus

A quase uma semana depois do terremoto de 7,8 graus que atingiu o Equador, segue naquele país a atividade de colocar a casa em ordem. No entanto, durante a semana, outro fato, de natureza religiosa, para nós católicos foi a comprovação de que, sempre existe o dedo de Deus em tudo aquilo que acontece em nossas vidas, seja de caráter macro ou de caráter micro.

Desta vez o artigo remete a outra escola com mais 900 alunos onde uma congregação de religiosas trabalhava e que, para o grande testemunho de todos, após ser arrasada pelo grande tremor de terra, após dias de trabalho intenso na remoção dos entulhos e início de reconstrução frente aos prejuízos deixados pelo terremoto, lá estava ela, a estátua de Nossa Senhora intacta no meio dos escombros.

Podem pensar o que quiserem os céticos de plantão, mas já é fato comprovado que, em todos os lugares do planeta onde existem acontecimentos trágicos, sempre existe também acontecimentos desta natureza que deixam claro que a providência divina está de perto a acompanhar tudo. O que ocorre também é que estes assuntos não são abertamente noticiados pois a mídia secular não tem interesse em falar das coisas de Deus. Então não me venham achar explicações científicas ou dizer que é coincidência pois, haja coincidência em cima de coincidência em toda a história da humanidade. Não irei ficar aqui remontando a casos antigos, já documentados e noticiados porque já está muito claro, para mim que sou católico, que isso são sinais.

Por isso que Jesus disse que bem-aventurados os que veem e que são pequeninos aos quais o Pai do Céu quis revelar essas coisas. E especificamente neste caso do Equador, já são 3 casos desta natureza. Aqui estou a relatar na mesma semana em meu blog, o segundo caso. Enfim, caros leitores, o que para nós precisa ficar retido, e para mim é o que irei guardar é a seguinte mensagem:

As tribulações e provações virão, apeguem-se a Deus e a tudo que procede dele, sendo perseverantes, pois a perseverança está garantida por Jesus nos evangelhos como digna da salvação eterna. O católico não pode ter medo de enfrentar o mundo porque o preço para entrar na glória eterna exige um testemunho da verdade, verdade esta que para alguns, além das tribulações e provações, irá cobrar o martírio.

Jesus não aprova o covarde, tanto é que este tipo de pessoa encabeça a lista de pecadores condenados que Jesus descreve no livro do Apocalipse. São os tíbios ou covardes. De nós, nosso salvador no mínimo espera o máximo do que podemos ser e fazer. Se neste ponto de nossas vidas nos sentimos incapazes ainda de abraçarmos nossa cruz diariamente, não percamos tempo, peçamos a graça de conseguir faze-lo o quanto antes para não mais o deixarmos de fazer. Pois como Jesus nos ensinou, dias virão, sejamos prudentes e vigilantes pois quando menos esperarmos, nosso prazo nesta etapa de nossas vidas terminou.


fonte: ACI
Leia Mais ››

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Primeiro Deus

Quase na maioria das vidas de tantos de nós, o corre corre da enxurrada de coisas a fazer que nos permitimos ser soterrados todos os dias, muitas vezes não dão espaço para olharmos ao nosso redor e vermos tudo aquilo que se passa na vida de tantos irmãos e irmãs em Cristo. Não esqueçamos que devemos ser Santos como nosso Pai que está nos céus é Santo (Mateus 5,48). Ele, que faz nascer o sol sob justos e injustos sempre nos dá a prova de que nossa realidade está conectada com o todo. Temos o nosso traço individual, sem dúvida alguma, mas Deus espera de nós que amemos ao próximo como a nós mesmos por amor a Deus.

Dito isto paremos um pouco para acompanhar o que aconteceu dias atrás. Num país muito próximo do Brasil, no Equador, no dia 16 de abril aconteceu um terremoto que culminou em mais uma tragédia noticiada pelos meios de comunicação. Felizmente como sempre acontece, em meio as notícias tristes deste tipo de acontecimento acontecem também, os destacados atos comunitários em favor das vítimas, atos heroicos muitas vezes e até situações que não chegam ao nosso conhecimento.

No entanto aqui, vale a pena o registro de uma, em meio a tantas pessoas, que passou por esta experiência de estar presente no local do terremoto do Equador. Trata-se da Irmã Estela Moraes. Uma freira superiora, que junto com outras irmãs de sua congregação, trabalhavam numa escola com 500 alunos e também em suas horas vagas faziam excelente trabalho de evangelização e humanitário.

O que aconteceu é que no dia e hora da fatalidade, as irmãs que estavam no prédio da escola, no segundo andar onde se situava sua comunidade, foram surpreendidas pelo tremor vindo a ficarem soterradas. Irmã Estela percebendo o início do abalo sísmico antes de correr para salvar a sua vida dirigiu-se a capela do santíssimo para “salvar Jesus”. Nem pensou duas vezes. Ela que como um bom e autêntico católico acredita na presença real de Cristo na Hóstia Santa, não poderia procurar salvar sua vida e deixar Jesus ali no ostensório.

Quem sabe Irmã Estela lembrou da passagem do evangelho onde Jesus disse que quem quiser salvar sua vida irá perde-la, mas quem perder sua vida por causa dele e do evangelho irá salvá-la. Olhem caros leitores, para mim, sinto que ela sentiu isso no seu coração. E só deu tempo disso, de correr na capela, pegar o ostensório com Jesus Eucarístico e o prédio desabou com todos dentro. Irmã Estela que estava no segundo andar neste momento terminou soterrada junto com suas irmãs e outras pessoas que estavam no local.

Demorou horas para o resgate encontrar as vítimas. Algumas com lesões graves, outras com lesões leves. Outras foram para o encontro de Deus, mas, e a Irmã Estela Moraes? Sobreviveu com apenas uma fratura no pé, contusões e alguns ferimentos. Enquanto aguardavam o resgate as irmãs sobreviventes mesmo em meio a falta de oxigênio entoavam cânticos e orações a Jesus.

Este foi o maior tremor de terra no Equador desde 1979. Foram aproximadamente 350 mortos e mais de 2500 feridos além dos prejuízos materiais. Porém, quis Jesus conceder essa provação para a superiora Irmã Estela Moraes neste belíssimo testemunho que nos recorda o primeiro mandamento.


fonte: ACI
Leia Mais ››

terça-feira, 19 de abril de 2016

Deus em sua vida

Deus sempre nos alcança. Ele caminha com seu projeto de amor para a humanidade num tempo que não nos é conhecido. Nossa condição humana nos faz relacionarmos com ele através do tempo cronológico, que nos prende a esta realidade passageira.

Por conta disso muitas pessoas não compreendem quando Jesus diz que o reino dos céus está próximo, ou ainda quando ele diz que o reino dos céus está entre nós. De fato, Deus nos concedeu o tempo do hoje, o tempo do agora. Em seu plano de amor e no seu projeto salvador, o criador que tanto nos ama a ponto de enviar seu filho unigênito Jesus Cristo, é capaz de tudo, é capaz do impossível. Pelo Espírito Santo Paráclito nos cumula de dons e nos transforma quando nossa experiência com ele nos remete diretamente a conversão para a sua verdade que é Jesus, caminho, verdade e vida.

E não existe para Deus tempo para começar, ou tempo para recomeçar. Toda hora é hora, todo o agora é o momento para experimentarmos o amor de Deus. E assim, como em tantas partes do mundo sempre está a acontecer, fica aqui registrado um resumido, mas belíssimo testemunho do que o amor de Deus faz na vida das pessoas, contado de forma muito humilde por mim, que pude acompanhar de perto esse maravilhoso testemunho.

Alessandro é seu nome. Para mim, não é mais um Alessandro qualquer. Para mim é O Alessandro. Um rapaz, que foi despertado pelas verdades celestes e tocado pelo Espírito de Deus, foi acolhido no seio da igreja católica, única e verdadeira igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, através do catecumenato. Foram meses em preparação para finalmente completar sua iniciação cristã e receber dentro de si o próprio Jesus Cristo.

Mas a coisa não para por aí. Ele se tornou catequista. E posso dizer com certeza, para nunca mais o deixar de ser. Toda aquela experiência pessoal com o Deus da vida, todo aquele fogo interior que agora queima em seu coração é tamanho que esse mesmo Deus não lhe deu opção, o convocou para ser catequista e levar aos outros corações e mentes aquilo que recebeu. É como disse Jesus: “dai de graça o que de graça recebestes. ” E sua entrega a missão foi bem ao estilo de Jesus pois ele dá exemplo de como se comportar como um filho de Deus.

Para mim foi uma alegria sem igual poder conhece-lo, poder conversar com ele sobre Nossa Senhora, poder trocar ideias e compartilharmos o que de melhor temos em nossas vidas: Deus e tudo o que vem dele, e isso inclui nossas famílias. Mas tem mais. Como disse, ao estilo de Jesus, lá estava ele, um ano após sua conclusão catecumenal, no sábado santo participando da missa onde novos catecúmenos estavam sendo admitidos ao corpo de Cristo. Que emoção ver o Alessandro participando, agora por outro ângulo, daquilo que ele já tinha passado. Que belo exemplo a todos mostrar que sua caminhada apenas começou.

Como catequista, seu brilho não é tampouco menor. Seu carisma, fruto do que existe agora em seu coração, rapidamente o tornou muito querido pelos catequisandos da paróquia e seus familiares. E digo, sem medo nenhum o porquê: Porque ele exerce seu ministério de catequista por amor a Deus e ao próximo. Porque ele quer que os outros passem pela mesma experiência que ele passou. Porque ele quer que as pessoas entrem pelo caminho que ele entrou, o caminho da porta estreita.

Neste pequeno artigo fica aqui registrado que não somos mais um na multidão. Deus nos conhece pelo nome e a cada um segundo nossas obras e nosso coração. E este catequista que se chama Alessandro é bom fruto que não caiu longe do pé, é ovelha que conhece seu pastor. É um homem de Deus, uma excelente pessoa de ótimo coração manso e humilde como o de Jesus e que nos fará falta, pois sua vida e missão irão conduzi-los a outras pastagens ficando aqui sempre os melhores votos de felicidades e paz do Senhor e todas as portas abertas de nossos corações e nossa comunidade.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Testemunhando o Cansaço

É muito fácil de se assimilar o ditado popular que diz que “na descida todo o santo ajuda”. E como é verdade esse dito. Vamos desdobrar um pouquinho para vislumbrarmos o que Jesus espera de nós. Pois bem, Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, enquanto assumiu nossa condição humana para viver conosco e passar por tudo que passou, muitas vezes é visto apenas no contexto de nossas meditações e reflexões como um Jesus que é apenas divino.

Muitas pessoas se esquecem que toda a vida pública dele não se constituiu em atos de heroísmos. Jesus cansava, Jesus dormia, se irritava, se divertia e se alegrava. Caminhava barbaridade não é mesmo e rezava mais do que ninguém. Porque é importante resgatarmos esta que é uma realidade pela qual ele passou?

Ora, ele disse aos apóstolos que iremos beber o mesmo cálice que ele bebeu. Basta lembrar da santa ceia, na quinta-feira santa. O tomai e comei e o tomai e bebei. Ahhh, é claro, Jesus se alimentava também, inclusive depois da ressurreição. Ou seja, para concluir esta primeira parte do artigo, Jesus quis dizer: “tome a sua cruz e me siga” e nas entrelinhas está escrito “até o calvário”. Isto está confirmado quando Jesus diz que aquele que perseverar até o fim será salvo.

Portanto, nada de pedirmos que Deus nos livre de nossos sofrimentos. Eles irão nos acompanhar pela vida toda. Peçamos a força para suporta-los com paciência. Particularmente gosto muito do ensinamento bíblico que diz que nas boas horas devemos lembrar dos momentos ruins, e nos momentos ruins devemos recordar dos bons momentos. E por que disso? Simples. As vezes Deus coloca um espaço entre os bons e maus sofrimentos para exercitar nossa paciência, vigilância e fé. Se não entendermos isso seremos sempre pegos de surpresa e caímos na caminhada.

No livro do Eclesiástico temos outra bela passagem que ilustra como devemos nos portar perante as graças que Deus nos concede em forma de sofrimentos e tribulações. Vamos acompanhar:

Eclesiástico 2,1-4:

1 Meu filho, se entrares para o serviço de Deus, permanece firme na justiça e no temor, e prepara a tua alma para a provação;
2 humilha teu coração, espera com paciência, dá ouvidos e acolhe as palavras de sabedoria; não te perturbes no tempo da infelicidade,
3 sofre as demoras de Deus; dedica-te a Deus, espera com paciência, a fim de que no derradeiro momento tua vida se enriqueça.
4 Aceita tudo o que te acontecer. Na dor, permanece firme; na humilhação, tem paciência.

Então, caros leitores, como podemos ver, nem poderíamos esperar uma exortação diferente, já que a dor é filha do amor. Assim quis Deus e assim consumou na cruz nosso salvador. E concluo com estes versículos da Carta de São Tiago 1,2-4:

2 Considerai que é suma alegria, meus irmãos, quando passais por diversas provações,
3 sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência.
4 Mas é preciso que a paciência efetue a sua obra, a fim de serdes perfeitos e íntegros, sem fraqueza alguma.

Como estamos a observar, Jesus pede de nós que nos acalmemos e tenhamos fé. Podemos notar que paciência é virtude muito importante para nossa caminhada. Precisamos cultiva-la sempre. Se não a temos, peçamos a Deus. Mas, não deixemos de testemunhar que em todos os momentos de nossa vida existe o dedo de Deus, e como diz o título do artigo, até no cansaço que a vida nos impõe.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

Siga o Evangelho

Acompanhe a simplicidade da coisa: O evangelho de Mateus tem 28 capítulos e é possível lê-lo em 2h15min. O evangelho de Marcos tem 16 capítulos e é possível lê-lo em 2h00min. O evangelho de Lucas tem 24 capítulos e é possível lê-lo em 2h05min. O evangelho de João tem 21 capítulos e é possível lê-lo em 1h50min. Se você somar tudo vai encontrar o resultado 89. O que isto quer dizer? Acompanhemos a maravilha da coisa:

89 é o todo, mas Jesus nos ensinou que, você precisa seguir os 10 mandamentos, sobra

79; ensinou que você precisa seguir as 9 bem-aventuranças, sobra

70; ensinou que você precisa praticar as 14 obras de caridade, sobra

56; precisa evitar os 7 pecados capitais, sobra

49; precisa aprender com o exemplo dos 12 apóstolos, sobra

37; precisa aprender com Nossa Senhora e São José, sobra

35; precisa ler e viver os 4 evangelhos, sobra

31; precisa fazer isso nos 7 dias da semana, sobra

24; e precisa viver isso tudo nas 24 horas do seu dia, sobra

00; que significa que fazendo tudo isso e agindo assim não vai sobrar tempo para o inimigo te arrastar para a condenação eterna. Basta estudar os evangelhos com a assistência do Espírito Santo que tudo pode ser encontrado nele.

É exatamente por isso que Nossa Senhora já respondeu em suas aparições o porquê delas. A Mãe de Deus disse que ela tem aparecido porque as pessoas não estão seguindo o evangelho. Ela disse que seu filho Jesus nos deixou tudo o que precisamos em seu evangelho, mas as pessoas não abrem, não leem e não vivem o seu evangelho. Então por isso de suas aparições, que não trazem novidade nenhuma, são sempre um chacoalhão na humanidade que com o tempo se perde do caminho da porta estreita. São sempre um puxão de orelha de uma mãe que por amor corrige seus filhos.

Sejamos atentos, sempre vigilantes pois é na distração que o inimigo nos ilude e confunde com suas tentações apresentadas em pratos saborosos. Sejamos católicos com um comportamento na mesma linha da matemática. Nós temos sempre que somar e multiplicar esforços e nunca diminuir ou dividir, quando o assunto é a salvação da nossa alma e da alma do nosso irmão.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Mãe e Madrinha

Remonta a tempos muito remotos a figura da pessoa que recebe o título de madrinha. Como gosto sempre de fazer, aponto aqui a origem da palavra, que vem do latim MATRINA, variante de MATER, que quer dizer mãe. Em termos práticos é a famosa “mãe de reserva”, mas não se enganem com a aparente falta de consideração que a expressão parece apontar.

Muito pelo contrário. Na história da humanidade, por gerações sempre existiu a dificuldade em se manter uma família. Por questões financeiras, humanitárias, de saúde e tantos outros motivos. Sendo assim a escolha de uma madrinha configurou-se na transmissão instintiva dos pais, que por saberem de sua realidade finita, colocam a sua maior herança, seus filhos sob a tutela da madrinha. Assim o fazendo iriam garantir para sua prole a transmissão do amor pois isso é um verdadeiro testamento de amor que colocamos no colo de madrinhas e padrinhos.

Pensam assim os pais: se faltarmos para com nossos filhos, se Deus nos chamar não iremos partir desamparados pois nossos filhos terão em suas madrinhas e padrinhos a garantia do melhor que eles podem dar.

No convite que uma mãe faz para aquela que deseja como madrinha é como se estivesse a dizer: “Se algo acontecer comigo, deixo-lhe como herança a vida de minha filha”.

É sem dúvida um voto de confiança do mais alto calibre. Uma mãe, que depois da Santíssima Trindade é quem mais ama sua filha, ao conceder por este convite uma vida humana, mostra que seu amor pela filha é tão imenso a ponto de já em vida, desejar que, se a vontade de Deus assim o quiser, que ela parta deixando a filha aos cuidados de tão valoroso amor.

O amor de uma madrinha. Madrinhas que não são manchadas pelo mundo, sentem as dores da mãe sim. Elas possuem no coração um espaço para o afilhado. Posso assim dizer porque minha madrinha, já bem de idade e ainda viva demonstra o que sente por mim até nas palavras. Ela que representou minha mãe no altar (por conta do seu falecimento), quando eu me casei, pôde acolher minhas lágrimas nesse momento. Tal foi sua felicidade que lá estava ela, em pé com todo o mérito que uma madrinha carrega em si. Uma madrinha que reza por mim e não tem porque mentir sobre isso, pois de mim, o seu generoso amor não pede nada em troca. Assim como o amor de Deus, que amou primeiro.

Minha filha Sofia, também terá a sua madrinha. Ela se transformou em presente de Deus para sua madrinha e se tornou mais alguém que não é apenas um qualquer, um desconhecido. Sábado, 16 de abril de 2016, dia em que minha primeira filha Yasmin estará em retiro de preparação para sua primeira comunhão, dia em que eu, como catequista estarei neste retiro palestrando para tantos filhos e filhas, dia em que a madrinha e o padrinho da Sofia estarão no mesmo retiro a coordenar as atividades, neste dia, a pequena Sofia irá completar 5 meses. Num convite feito a poucas semanas atrás, seguindo a sabedoria da igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo e como seus membros, o aceite confirmou o compromisso assumido.

De estranhos a conhecidos de ônibus, depois nas atividades paroquiais, em seguida nas recordações passadas que já mostravam que os caminhos iriam se cruzar e agora, na aproximação mesmo que pequena por conta das participações e compromissos na igreja onde todos os envolvidos residem, o caminho da pequena Sofia agora pode trilhar pela via da economia sacramental.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

Recordações são ensinamentos

No dia de hoje, 14 de abril de 2016, faz um ano que a irmã gêmea de minha segunda filha que se chama Sofia morreu. Para mim que sou católico de berço, minha crença me diz que a vida tem seu início em sua concepção. Deus a partir de então, depois que os pais em santo matrimônio colaboraram no seu plano divino de povoar o céu, designa um anjo da guarda para esta nova vida, com a missão principal de conduzi-la ao céu.

Quanto mais não entendemos os porquês da vida significa que mais estamos afastados do modo e do olhar que Deus lança sobre tudo. Como a bíblia nos ensina que devemos ser imitadores do Cristo, ser imitadores significa ser imitadores! Não podemos ser falsificados, temos que ser cópias fiéis de Jesus. Percebam a grande diferença entre uma cópia autenticada e uma falsificação. E quem nos autentica é ninguém menos que o Espírito Santo de Deus.

Já começamos bem, refletindo sobre essa maravilhosa verdade. Verdade que prega amor e espada. Assim é Jesus que demonstrou até que ponto precisa ir o amor. Porém, nós pessoas comuns e inconstantes, passamos nesta caminhada rumo ao céu por muitas tribulações, provações e purificações. Tudo isso é Deus que provê, como pai amoroso nos quer no céu e não irá nos mimar para sermos condenados por conta de vontades egoístas bem distantes daquilo que precisamos ser.

A notícia de uma gravidez confirmada ressalta aos olhos. Viva, o novo membro da família está a caminho. A notícia de que a gravidez confirmada é de gêmeos ressalta ainda mais. A generosidade de Deus dobrou e com isso, é claro as responsabilidades, a entrega dos pais ao novo empreite domiciliar e, não vamos ser hipócritas, também aquela mistura de sentimentos e ansiedades por conta do desafio de se criar ao mesmo tempo mais do que uma vida recém vinda ao mundo. No entanto essa notícia algumas vezes se transforma no anúncio de que uma das crianças veio a falecer antes do parto.

Um dos novos membros nem nos disse oi e já disse tchau, eu vou na frente para o céu. Deus me quis apresentar a vocês, para que saibam que sou dessa família e que estarei lá em cima rezando por vocês, meus pais e irmãos, pois um dia a promessa divina nos garantiu que viveremos juntos na eternidade celeste. É isso que precisamos entender cada vez que fatos assim acontecem. Não se trata de castigo ou punição. Se trata de uma oportunidade que Deus nos concede para crescermos mais na fé, nas verdades do evangelho e seguirmos adiante. No céu tudo nos será revelado.

Hoje, um ano após o falecimento da Clara Suzana, que precede todos os membros da minha família, olho para as consequências do ocorrido e vejo que essa santinha já está a olhar pelos seus familiares. Aqui na terra percebo que meu legado não pode perecer por conta do pecado. Deus promove tudo para o bem comum daqueles que fazem a sua vontade. Por isso, eu sempre terei em meu coração que sou pai de três filhas, duas vivas e uma falecida. Sinto dentro de mim que Deus quis nos apresentar ela para nos confirmar que na igreja triunfante existe um membro de minha família. Que alegria é poder contar com essa graça.

Todos devemos ser assim. Devemos ficar tristes, com raiva e decepcionados com aquilo que nos afasta de Deus e não com aquilo que Ele, por amor, nos apresenta em nossa caminhada. Jesus nos ensinou através de Santa Gema Galgani, uma santa italiana que recebeu seus estigmas e que viveu a perda de muitos membros de sua família, de que não devemos perder tempo chorando por aquilo que não vale a pena. Dizia Jesus a santa por ocasião do falecimento de seus entes queridos. E não poderia ser mais verdade porque no fundo, este afastamento temporário da morte, se produzir um choro de tristeza, essa tristeza que brota da falta de fé, remonta a sentimentos egoístas. E como Jesus nos ensina, entre nós não deve ser assim.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

Dignidade e amor ao próximo

Nesta semana no dia 12/04/2016, uma terça-feira, mais uma vez o curitibano começa o seu dia com uma notícia que vez por outra tem sido cada vez mais recorrente pelo mundo afora: o abandono de recém-nascidos. O pessoal que defende uma das armas da cultura da morte chamada aborto, faz o maior estardalhaço com essas manchetes, alegando que se o aborto fosse liberado, essas mães, recorreriam as clínicas e sus para cometerem gratuitamente um assassinato com dia e hora marcada, fazendo uso do seu direito de decidir o que fazer com o seu corpo.

Quanta besteira, gritam e bradam a plenos pulmões contra a religião, seus membros e mais agravante, contra o próprio Deus, senhor que dá a vida. Esquecem que a dignidade humana é muito superior, muitas vezes superior a não dignidade dos animais, por exemplo. Se o fazendeiro, dono de seu rebanho, abate uma vaca, ela vira churrasco em nossas casas e todos fazem festa. Agora, se uma pessoa é morta a tiros ou a facadas, o agressor terá suas consequências. Porque existe a dignidade da pessoa humana e a não dignidade do animal.

O problema é que estas pessoas querem colocar com os animais, em pé de igualdade, as crianças que ainda são não nascidas. Defendem que podemos “sacrificá-las” e tudo bem! São para eles um objeto que se está a causar desconforto, seja de que natureza for, melhor é descartar. Vão pagar muito caro no dia do juízo final. Quer queiram, quer não. Dizem eles não acreditarem em Deus e em toda essa “baboseira” de religião... Pobres de toda essa espécie de pessoas, negam a verdade revelada e insistem em caminhar com os próprios pés, com o peito estufado, cabeça erguida, queixo e nariz empinados, proclamando a sua liberdade total.

Que seja assim, a fila sempre anda e a vez de cada um sempre chega.

Pois bem, dizia eu que nesta semana outro caso de abandono aconteceu e este no bairro da Cidade Industrial de Curitiba. A criança foi abandonada sem roupa, enrolada num cobertor. Moradores a encontraram e uma senhora a acolheu, vestiu e deu um cobertor. O fato foi denunciado à polícia militar que fez o encaminhamento ao hospital do trabalhador, onde a criança passa bem e ficará sob a guarda do conselho tutelar. O abandono segue sob investigação policial.

Minha nossa, outra mulher, moça, menina ou sabemos lá que resolveu “jogar” seu bebê numa esquina qualquer. O que se passa no coração de uma pessoa assim? Podemos filosofar por horas e o debate com certeza tem bastante pano pra manga. Mas podemos simplificar bastante a questão. A raiz de todo o problema está num coração que não tem Deus dentro dele. Um coração que possui espaço vago é um coração que permite ao inimigo misturar o seu joio junto ao trigo. E na consequente falta de fé, a dúvida e o desespero provocam feridas profundas causando pecados de toda a gravidade.

Como olhar para um neném bem pequeno e fazer com esse neném qualquer atrocidade que for? Jesus disse amai ao próximo como a ti mesmo e também disse faça aos outros o que queres que te façam. E mais, disse ainda que aquilo que fizerem as criancinhas é a ele que se faz. Ai destas pessoas que não estão nem aí para o que Jesus ensina.

É preciso sempre rezarmos a Jesus a antífona: Jesus, protegei e salvai os não nascidos e as nossas famílias. Antífona repassada na década de 80 por Nossa Senhora numa aparição. É preciso sim, sempre rezarmos mas vale aqui também o puxão de orelha. Na hora da relação sexual é aquele fogo abrasador e inconsequente que embota a mente e espalha o raciocínio e a consciência da pessoa. Depois, vem a realidade e consequências que os atos nos apresentam. Depois, é leite derramado. É preciso pés no chão e Deus no coração.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

terça-feira, 12 de abril de 2016

Sempre temos por quem rezar

Sempre temos por quem rezar. Basta olharmos ao nosso redor, com os olhos do Cristo. Ele, nos ensina que devemos reconhece-lo no irmão e nos recorda que no dia do juízo, aqueles que não praticaram as obras de caridade deixaram de faze-las ao próprio Jesus.

Antes da oração se tornar uma lista de pedidos, que tanto desagrada a Deus se for uma lista egoísta, é preciso sim, transforma-la numa prática constante de um diálogo com Deus em favor de todos os membros da igreja. Pois o contrário poderá ser uma atitude de egoísmo, uma vez que não posso desejar o céu e não o desejar para o irmão.

E mais. Não se pode tentar argumentar dizendo que este ou aquele não será salvo por conta desta ou daquela atitude que praticou. Quem somos nós? Pessoas que irão julgar quem entra ou não no reino de Deus? Apontamos com facilidade o erro do próximo, criticamos e usamos essa má conduta como bandeira, mas nada fazemos para mudar isso?

E muitos perguntariam: o que posso fazer? Não sejas assim, a única arma do cristão, já dizia Santo Antão, é a oração. A oração que brota do coração. De um coração que acolheu a boa nova, que produz fruto a cem por um e que se esforça para ser um coração manso e humilde como o de Jesus.

Agindo desta forma a indiferença não poderá nos atingir e motivos de sobra e em abundância irão inundar nossa alma e deste ponto em diante começaremos a rezar sem cessar. Jesus era um homem de oração. Esse exemplo e ensinamento dele podemos colher no santo evangelho. São inúmeras passagens que podemos comprovar sua atitude de se colocar em oração para tudo. Fosse para agradecer, fosse para ensinar, fosse para exortar ou fosse para dialogar com o Pai.

Um coração assim, é capaz de olhar para uma criança de menos de 2 anos, que chacoalha em cima de um carrinho de catador de papel, em meio ao frio e a chuva, e se compadece por essa criança, vislumbrando a cena, em que tantos são os olhares indiferentes, discriminadores, taxativos e cheios de pena. Mas onde está o olhar de Deus? Cada um tem a sua cruz, mas a palavra de Deus nos ensina que devemos orar uns pelos outros e pedir que Deus, que faz nascer o sol sobre os justos e injustos, dê a cada um tudo o que precisarem e que vai além daquilo que não compreendemos.

Não podemos ao fim do dia, quando vamos deitar agradecer em oração a Deus por nossa saúde, nossa família, parentes e amigos, por tudo que temos de bom e por tudo que não temos de ruim, se não rezarmos como nos pede Jesus em Mateus 5,44-48. O próprio Jesus nos adverte; que recompensa teremos?


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Desobediência Real

Mateus 16,18-19 - 18 E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. 19 Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Pois bem, com o poder das chaves, o poder petrino, a santa igreja, comandada pelo Espírito Santo, conduz a humanidade para junto do seu criador. Através dela, de seu magistério e tradição, toda a revelação divina é explicada durante a história da humanidade. E por que isso tudo? Como vimos nos versículos acima a resposta é simples: porque Deus quis, já que Jesus nos disse que não veio para fazer a sua vontade, mas a vontade do Pai, daquele que o enviou.

Portanto a doutrina da igreja que é imutável e cuja tradição e sagradas escrituras não se separam, pois, do contrário não nos levariam de encontro ao evangelho de Jesus, ao longo de todos os séculos foi, de forma peregrina, levando os cristãos católicos em sua unidade, rumo a salvação. É preciso sermos um com Jesus e o Pai, nos ensina Jesus, ou seja, não existe salvação fora da igreja, administradora dos sacramentos.

Todavia, é preciso ter sempre em mente essa consciência, pois como a igreja é de Jesus, quem não estiver com ele está contra ele, e quem não ajunta, espalha, assim diz o mestre. Muito bem colocado porque é preciso como se diz em Atos 5,29, obedecer primeiro a Deus e não aos homens. Nada, portanto, de ficarmos por aí dizendo que agora é hora de obedecer o papa da vez. Nada disso. Nunca se deve deixar para trás toda a caminhada doutrinal de nossa religião, toda a imensa riqueza de tantos anos que edificaram, edificam e edificarão muitas pessoas.

Não se aceita ensinamentos doutrinários de quem quer que seja dentro de nossa igreja se ele tentar invalidar algo já promulgado dentro do catolicismo. Infelizmente muito disso acontece e nossa igreja católica padece de muitas confusões que refletem em seus fiéis. Não é o assunto deste artigo, mas exemplifico com a carta apostólica Mortalium Animos do papa Pio XI, exortando a toda a igreja sobre a questão da única igreja de Cristo e única religião que salva. Já da para perceber que o mundo, através da fumaça de satanás que invadiu a igreja, força passagem pelo caminho contrário querendo pintar um Jesus que ao invés de ter pregado amor e espada, teria pregado ecumenismo e paz. E os católicos apostólicos romanos resistentes e fiéis ao Cristo, tem que unirem seus sofrimentos a cruz do ressuscitado diariamente ao assistirem os ultrajes, sacrilégios, blasfêmias e indiferenças com que ele mesmo é ofendido.

Errado, é preciso agir como o apóstolo fala em suas cartas. Se nos apresentarem um evangelho diferente do que foi pregado por eles, deixemos isso de lado. Nem ouçamos. É preciso estarmos atentos. É preciso uma atitude de desobediência real do que uma obediência aparente. É preciso andar na verdade e se comportar de acordo com a verdade, bem ao estilo de Jesus, não ao estilo de papas, padres ou quem quer que seja, quando estes não forem o espelho do redentor. Que fique bem claro isso à todos nós. Na igreja que é santa mas que possui membros pecadores é preciso vigilância e atenção para que sigamos o caminho apertado da porta estreita, de mãos dadas com a Virgem Maria e Jesus, na comunhão dos santos e não com os grupos de pessoas que seguem aquilo que é moderno, mais agradável, mais fácil de fazer ou seguir juntamente com todos os modismos impuros que se alastram no seio da igreja.

Não esqueça. Conheça a fundo a religião que você vive e sempre se pergunte se Jesus e Maria fariam o que você faz e se eles estão contentes com o que você faz.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

sexta-feira, 8 de abril de 2016

O perigo da Curiosidade

Livro do Eclesiástico 3,22-25 - 22 Não procures o que é elevado demais para ti; não procures penetrar o que está acima de ti. Mas pensa sempre no que Deus te ordenou. Não tenhas a curiosidade de conhecer um número elevado demais de suas obras, 23 pois não é preciso que vejas com teus olhos os seus segredos. 24 Acautela-te de uma busca exagerada de coisas inúteis, e de uma curiosidade excessiva nas numerosas obras de Deus, 25 pois a ti foram reveladas muitas coisas, que ultrapassam o alcance do espírito humano.

Curiosidade humana, eis aí uma condição de tantos seres humanos. Sem dúvida também um dos grandes artifícios utilizados pelo nosso inimigo cruel para levar muitos à perdição. O versículo 24 deste capítulo era muito proferido nos sermões de São João Maria Vianney. Com insistência este humilde sacerdote de Deus falava que não era necessário nos ocuparmos com aquilo que, se não soubermos, não irá nos levar a condenação eterna. Ou seja, deixe o inútil de lado.

Podemos considerar que este bom santo, sabia muito bem do que falava porque falava sobre os ensinamentos das sagradas escrituras. Pois bem, se não seguimos o ensinamento de Jesus que nos manda sermos vigilantes e de oração constante, podemos cair em distração, não percebermos as ocasiões de pecado e sermos tentados pela curiosidade a entrarmos porta adentro por ela.

Certa vez, num exorcismo o espírito maligno confessou a mando do altíssimo que lhe basta que o cristão lhe abra meia porta do seu coração. A outra metade ele conquista. E é assim mesmo. A curiosidade leva as pessoas a quererem experimentar as coisas. Inclusive o pecado. E quando o pecado satisfaz os desejos do corpo gerando um prazer químico, passado algum tempo o cérebro emite nova informação de que necessita “viver” novamente essa sensação.

E lá vai o sujeito em busca do seu prazerzinho que não provem e não leva a comunhão com Deus, afastando-o do criador, manchando sua alma e seu corpo no lamaçal do pecado, sempre na busca de saciar o seu prazer. Então o mal se instala. Porém, quimicamente falando, já se sabe que essa sensação química de prazer gera distúrbios cerebrais por causa do excesso. Então de forma preventiva o corpo interrompe e inibe os canais que transmitem no cérebro essa sensação, numa tentativa de afastar esse desejo que se mostra prejudicial.

Infelizmente, esse campo de batalha chamado corpo humano, se vê perdido quando a tentação se mantém. A pessoa sente que com a mesma “dose” não está mais se satisfazendo e então procura “doses” maiores que o levem a sentir o mesmo prazer. Então entra em cena o vício e a dependência e o excesso se traduz em ruína. Isso vale tanto para o corpo como para a alma.

O corpo como bem sabemos, quando algo não vai bem, emite seus sinais de alerta. Em forma de dores e outros tipos de sintomas procura nos avisar de que algo está errado. Porém, se lutamos contra esses avisos e sintomas, querendo apenas combate-los, sem procurar curar as causas, o vício do pecado se instala em nossos corações e mentes. Com todo o cuidado o diabo consegue promover um cenário que nos facilita a pecar e a cada pecado que cometemos e não somos pegos pela justiça divina, vamos nos atolando mais e mais.

Nos colocamos miseravelmente na condição de porcos que chafurdam nesse lodo de podridão que é o pecado, destruidor de nossa alma e de nossa salvação. O vício do pecado leva a outro pecado e a pecados maiores e reincidentes. Ficamos com a mente embotada e completamente cegos. Deixamos de enxergar a luz que vem de Cristo. Não sejamos assim, não sejamos como nos ensina a bíblia. Nada de buscar o exagero na curiosidade. Sigamos a Deus e façamos o que ele nos pede, isso já nos basta pois o que está além disso, é fruto do pecado e egoísmo.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

quarta-feira, 6 de abril de 2016

A Preguiça pode te condenar

A preguiça é um mal muito severo e perigoso que nosso inimigo cruel enfeita com tantos adereços para torna-la atrativa e sedutora. Assim, como bem sabemos, sempre age satanás pois ele não pode nos oferecer as ocasiões de pecado de forma direta e transparente. Ele precisa disfarçar e iludir, misturar verdades com mentiras e decorar bem o prato do pecado para que seja atrativo aos sentidos do corpo e da alma.

Sobretudo devemos ter em mente que, sendo um mal, a preguiça nos atinge de várias formas e pode ser diretamente um pecado grave ou um pecado venial. Ou ainda uma ocasião de pecado. Sendo assim podemos enxergar que ela nunca irá brotar de uma fonte saudável para a vida do católico. Já dizia Jesus que de uma árvore boa não pode dar fruto ruim e de uma árvore ruim não pode se colher bons frutos.

Para continuarmos a reflexão separei alguns versículos da bíblia que tratam sobre o tema. Vamos conhece-los:

Livro dos Provérbios 13,4 - 4 O preguiçoso cobiça, mas nada obtém. É o desejo dos homens diligentes que é satisfeito.

Livro dos Provérbios 21,25 - 25 Os desejos do preguiçoso o matam porque suas mãos recusam o trabalho;

Livro dos Provérbios 26,16 - 16 O preguiçoso julga-se mais sábio do que sete homens que respondem com prudência.

Livro do Eclesiástico 7,39 - Não tenhas preguiça de visitar um doente, pois é assim que te firmarás na caridade.

Livro do Eclesiástico 37,12,14 – Vai consultar um criado preguiçoso sobre uma grande tarefa? Não confie nele e em nenhum de seus conselhos.

E para concluir este artigo quero encerrar com o trecho do Evangelho de São Mateus 25,14-30, onde Jesus adverte que aquele que não trabalha pela sua salvação e a salvação dos outros merece a condenação eterna. Palavras simples, diretas, objetivas, esclarecedoras e libertadoras. Só um Deus que se preocupa tanto assim é capaz de, por amor, nos ensinar o que precisamos para não perder a glória eterna do paraíso. Como diz o salvador, “quem tem ouvidos ouça”.

Evangelho de São Mateus 25,14-30 - 14 [O reino dos céus] Será também como um homem que, tendo de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens. 15 A um deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu. 16 Logo em seguida, o que recebeu cinco talentos negociou com eles; fê-los produzir, e ganhou outros cinco. 17 Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois. 18 Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor. 19 Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes contas. 20 O que recebeu cinco talentos, aproximou-se e apresentou outros cinco: - Senhor, disse-lhe, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei. 21 Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor. 22 O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: - Senhor, confiaste-me dois talentos; eis aqui os dois outros que lucrei. 23 Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor. 24 Veio, por fim, o que recebeu só um talento: - Senhor, disse-lhe, sabia que és um homem duro, que colhes onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste. 25 Por isso, tive medo e fui esconder teu talento na terra. Eis aqui, toma o que te pertence. 26 Respondeu-lhe seu senhor: - Servo mau e preguiçoso! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei. 27 Devias, pois, levar meu dinheiro ao banco e, à minha volta, eu receberia com os juros o que é meu. 28 Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez. 29 Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á mesmo aquilo que julga ter. 30 E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.


fonte: Jefferson Roger
Leia Mais ››

Postagens mais visitadas