quarta-feira, 1 de junho de 2016

A importância do Retiro

Vez por outra o ser humano sente dentro de si, uma necessidade de buscar o silêncio. Naturalmente, por termos sidos feitos para as coisas do alto, sempre nos inquieta de tempos em tempos, a melodia fora de ritmo que o mundo nos oferece diariamente. O verdadeiro cristão não fica por muito tempo em meio ao barulho das coisas e se necessário for, suporta com paciência toda a algazarra ao seu redor porque sabe que sempre tende para uma realidade superior. Exatamente como Jesus se comportou em sua paixão, morte e ressureição.

Nas sagradas escrituras, podemos encontrar vários testemunhos nos dois testamentos, de episódios que narram alguém a se retirar, para dialogar com Deus buscando uma preparação, auxílio, dar graças ou pedir perdão. No caso do novo testamento acompanhamos essa questão principalmente na vida pública de Jesus. Os evangelhos nos mostram que Jesus sem dúvida era um homem de oração. Em tantas passagens ele se retirava e se isolava para rezar, meditar, refletir, buscar forças no Pai e elevar suas preces, agradecimentos e pedidos.

Quando a empreitada, tanto no antigo como novo testamento se apresentava acima das forças humanas, o momento da preparação para o que aconteceria pela frente acontecia na prática do chamado retiro. Vamos acompanhar um exemplo?

Lucas 4,38-44 - 38 Saindo Jesus da sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava com febre alta; e pediram-lhe por ela. 39 Inclinando-se sobre ela, ordenou ele à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se imediatamente e pôs-se a servi-los. 40 Depois do pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de diversas moléstias lhos traziam. Impondo-lhes a mão, os sarava. 41 De muitos saíam os demônios, aos gritos, dizendo: Tu és o Filho de Deus. Mas ele repreendia-os severamente, não lhes permitindo falar, porque sabiam que ele era o Cristo. 42 Ao amanhecer, ele saiu e retirou-se para um lugar afastado. As multidões o procuravam e foram até onde ele estava e queriam detê-lo, para que não as deixasse. 43 Mas ele disse-lhes: É necessário que eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão. 44 E andava pregando nas sinagogas da Galiléia.

Perceberam como Jesus, depois de sair da sinagoga e com certeza sabemos que lá ele estava a ensinar, e após curar a sogra de Pedro, atendeu o povo da região que se aproximou ao pôr-do-sol e, (esta é a parte que mais gosto), quando amanheceu, Jesus não foi dormir porque ficou toda a noite atendendo as pessoas, muito pelo contrário. Ele saiu para fazer um retiro, recompor as forças porque, ele mesmo nos diz, precisava sair em missão para pregar a boa nova. Por este exemplo já podemos ver que a coisa é séria.

Quando nos retiramos, nos aproximamos de Deus, porque o silêncio que nos envolve nos permite ouvir o que está dentro de nós, ouvir o que Deus tem a nos falar e contemplar a graça de tão grande amor que nos concedeu sermos eternos no paraíso. O mundo não gosta disso e ensina isso para todos. Uma das artimanhas que o inimigo faz uso para isso é a tecnologia. Podem observar, a tecnologia que veio para servir o homem acabou por escraviza-lo. São inúmeros exemplos que qualquer um de nós pode apresentar.

As pessoas podem passar 1 hora em frente ao computador e quando se dão conta, o tempo “voou”. Mas, rezar o Santo Rosário, que leva um tempo parecido com esse, para muitas dessas mesmas pessoas, é um verdadeiro esforço heroico. Ficar na fila do McDonalds é fácil agora atender as condições para ser digno de entrar na fila da comunhão é outra história bem diferente. Muitos dizem quando perguntados: “Eu não comungo porque estou em pecado grave”. Sim, mas e dái? Se mexe filho de Deus, não seja frio e nem morno, não envergonhe e dê desgosto aquele que aceitou ser pregado na cruz por causa dos seus pecados para que você possa um dia viver a felicidade eterna, criada para nós desde o princípio e que nem podemos conceber.

Reflita bem, se você não está conseguindo fazer silêncio em algum momento do seu dia, alguma coisa está errada. Você está mais perto do mundo e mais longe de Deus. E encerro esta reflexão com uma passagem da Carta de São Tiago 4,4 - Todo aquele que quer ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas