terça-feira, 19 de abril de 2016

Deus em sua vida

Deus sempre nos alcança. Ele caminha com seu projeto de amor para a humanidade num tempo que não nos é conhecido. Nossa condição humana nos faz relacionarmos com ele através do tempo cronológico, que nos prende a esta realidade passageira.

Por conta disso muitas pessoas não compreendem quando Jesus diz que o reino dos céus está próximo, ou ainda quando ele diz que o reino dos céus está entre nós. De fato, Deus nos concedeu o tempo do hoje, o tempo do agora. Em seu plano de amor e no seu projeto salvador, o criador que tanto nos ama a ponto de enviar seu filho unigênito Jesus Cristo, é capaz de tudo, é capaz do impossível. Pelo Espírito Santo Paráclito nos cumula de dons e nos transforma quando nossa experiência com ele nos remete diretamente a conversão para a sua verdade que é Jesus, caminho, verdade e vida.

E não existe para Deus tempo para começar, ou tempo para recomeçar. Toda hora é hora, todo o agora é o momento para experimentarmos o amor de Deus. E assim, como em tantas partes do mundo sempre está a acontecer, fica aqui registrado um resumido, mas belíssimo testemunho do que o amor de Deus faz na vida das pessoas, contado de forma muito humilde por mim, que pude acompanhar de perto esse maravilhoso testemunho.

Alessandro é seu nome. Para mim, não é mais um Alessandro qualquer. Para mim é O Alessandro. Um rapaz, que foi despertado pelas verdades celestes e tocado pelo Espírito de Deus, foi acolhido no seio da igreja católica, única e verdadeira igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, através do catecumenato. Foram meses em preparação para finalmente completar sua iniciação cristã e receber dentro de si o próprio Jesus Cristo.

Mas a coisa não para por aí. Ele se tornou catequista. E posso dizer com certeza, para nunca mais o deixar de ser. Toda aquela experiência pessoal com o Deus da vida, todo aquele fogo interior que agora queima em seu coração é tamanho que esse mesmo Deus não lhe deu opção, o convocou para ser catequista e levar aos outros corações e mentes aquilo que recebeu. É como disse Jesus: “dai de graça o que de graça recebestes. ” E sua entrega a missão foi bem ao estilo de Jesus pois ele dá exemplo de como se comportar como um filho de Deus.

Para mim foi uma alegria sem igual poder conhece-lo, poder conversar com ele sobre Nossa Senhora, poder trocar ideias e compartilharmos o que de melhor temos em nossas vidas: Deus e tudo o que vem dele, e isso inclui nossas famílias. Mas tem mais. Como disse, ao estilo de Jesus, lá estava ele, um ano após sua conclusão catecumenal, no sábado santo participando da missa onde novos catecúmenos estavam sendo admitidos ao corpo de Cristo. Que emoção ver o Alessandro participando, agora por outro ângulo, daquilo que ele já tinha passado. Que belo exemplo a todos mostrar que sua caminhada apenas começou.

Como catequista, seu brilho não é tampouco menor. Seu carisma, fruto do que existe agora em seu coração, rapidamente o tornou muito querido pelos catequisandos da paróquia e seus familiares. E digo, sem medo nenhum o porquê: Porque ele exerce seu ministério de catequista por amor a Deus e ao próximo. Porque ele quer que os outros passem pela mesma experiência que ele passou. Porque ele quer que as pessoas entrem pelo caminho que ele entrou, o caminho da porta estreita.

Neste pequeno artigo fica aqui registrado que não somos mais um na multidão. Deus nos conhece pelo nome e a cada um segundo nossas obras e nosso coração. E este catequista que se chama Alessandro é bom fruto que não caiu longe do pé, é ovelha que conhece seu pastor. É um homem de Deus, uma excelente pessoa de ótimo coração manso e humilde como o de Jesus e que nos fará falta, pois sua vida e missão irão conduzi-los a outras pastagens ficando aqui sempre os melhores votos de felicidades e paz do Senhor e todas as portas abertas de nossos corações e nossa comunidade.


fonte: Jefferson Roger

Um comentário:

  1. Obrigado Jefferson meu irmão,por essas palavras que vieram a trazer lágrimas nos olhos, Deus sabe as pedras nos caminhos que enfrentamos sendo catequistas, mas diblamos todas e as enfrentamos, e para minha surpresa Deus colocou diante de mim nada mais nada menos do que 40 catequisandos para eu preparar para a comunhão achei que não daria conta, mas sendo iluminado pelo pelo Espirito Santo conclui a preparação de todos, e depois desse primeiro ano de experiência ja sei que nunca mais vou deixar de ser catequista, pois vivemos momentos inesquecíveis e únicos, Deus sabe e nós também que as obras são muitas mas os operários são poucos, espero que muitos outros percebam o chamado como nós e venham fazer parte desta grande familia. Obrigado por sua amizade, que durará até o fim de nossas vidas, pois amizades contruidas dentro da igreja são muito mais que especiais, um enorme abraço.

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas