segunda-feira, 25 de abril de 2016

Seguindo em frente

Certa vez aprendi com a santa mensageira da misericórdia, Santa Maria Faustina Kowalska que, num dos conventos que frequentou, uma das freiras já de muita idade, acabou por chamar a atenção de Santa Faustina. O que acontecia? Esta freira já com muitos anos vividos aqui na terra era uma mulher de muitas e constantes orações. E vejam aqui caros leitores o interessante da coisa. Faustina era uma freira muito dedicada a oração diária e para ela perceber o que sua irmã de convento fazia a ponto de lhe chamar a atenção já podemos imaginar a constante entrega que tinha a boa idosa por Jesus.

Porém, no final das contas, elas estavam a fazer aquilo que Jesus nos ensinou. Vigiai e orai sem cessar. E graças a oração mental como nos recorda Santa Tereza de D’Ávila, o sem cessar pode realmente ser colocado em prática.

Pois bem, continuo aqui contanto que, após a Faustina se entreter com esse tão bom exemplo de sua irmã mais velha de convento, ela não perdeu a oportunidade e foi conversar com ela. E no meio da breve conversa a freira disse a Santa Faustina: “A idade não dispensa ninguém da luta”.

E aqui entra em cena mais um exemplo de católicos que sabem o que é seguir em frente com o peso da sua cruz nas costas, sempre a serviço da igreja e felizes por terem um olhar voltado para a eternidade, que é onde todos esperamos um dia estar.

O nome da moça é Karoline e hoje, na data em que escrevo este artigo, posso dizer que é bom fruto que não caiu longe do pé. Sua mãe tem nas mãos uma pessoa que caminha para um dia se tornar uma grande mulher. Hoje, a pequena Karoline, em plena juventude, de longe não é uma moça “quadrada”. Mas, sobretudo, aprendeu em casa que é possível sim viver neste mundo sem deixar Jesus de lado. Apesar de tudo, quando as dores da vida, enviadas por Deus, se apresentam e nos colocam em nosso lugar, nosso pouco contato com essas realidades que não convivemos diariamente nos fazem sofrer, chorar, desanimar, entristecer e balançarmos em nossa fé. Quando caímos de joelhos e baixamos nossa cabeça voltando nosso olhar para o chão, nunca devemos esquecer que a dor é filha do amor e o caminho para o céu é subida. Como disse a freira idosa para jovem Faustina Kowalska: “A idade não dispensa ninguém da luta”.

E a jovem Karoline não se viu dispensada da luta. Mas, enquanto sua vida seguia em frente, em meio a essa luta, ela pôde participar por mais de um ano das turmas de catequese da crisma as quais eu conduzi. Ela deu exemplo de ponta a ponta e faz parte da lista dos crismandos que menos faltou durante os dois anos finais da crisma. E esse menos quer dizer que faltou em dois anos somente uma vez.

Sempre conservando sua humildade e bom comportamento nos encontros, de poucas palavras, soube aproveitar cada momento da catequese. Depois das minhas filhas, é a jovem da paróquia que mais demonstrou o que sente por mim. Até materializando sua gratidão com uma pequena lembrança que reflete o bem que pela graça de Deus, pude fazer em sua vida.

Parabéns Karoline Maria, hoje acólita de nossa paróquia. Continue assim, sendo esse bom exemplo na vida das pessoas que você conhece, na vida das pessoas que você não conhece, mas que sabem quem é você, e bom exemplo de católica por onde andar. Afinal, como dizia São João Maria Vianney, devemos dar exemplos de bons cristãos, na maneira de nos vestir, na maneira de nos comportar e até, dizia o santo, na maneira de como nos alimentamos. E a Beata Irmã Lúcia de Fátima confirmava: devemos como católicos dar exemplo de nossa fé até na maneira de falarmos, nos comportarmos, andarmos e vestirmos.

Como vemos, assim devemos ser, assim é a Karoline, assim Jesus espera que nos comportemos pois, não esqueçamos, ele espera de nós, no mínimo, o máximo do nosso esforço.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas