terça-feira, 17 de maio de 2016

Acreditar na Eucaristia?

É preciso esclarecer desde já que a Igreja Católica sempre conservou religiosamente, "como tesouro preciosíssimo, o mistério inefável da fé que é o dom da Eucaristia, recebido do seu Esposo, Cristo, como penhor de amor imenso" escreve o Papa Paulo VI em sua carta encíclica Mysterium Fidei. Não é verdade que os cristãos católicos iniciaram o culto de adoração à Eucaristia por influência de culturas pagãs, em substituição ao deus Sol, como acusam alguns. Para lembrar um mui acertado ensinamento do Beato Paulo VI, "a Eucaristia é um Mistério altíssimo, é, propriamente, o Mistério da fé", também registrado na carta Mysterium Fidei. E isso está de acordo com as próprias palavras de Jesus.

No chamado discurso eucarístico, narrado no Evangelho de São João (cf. 6, 26-59), encontramos todo o fundamento da devoção católica à Eucaristia, que se professou cuidadosamente já nos primeiros séculos da Igreja. Em primeiro lugar, há a censura de Jesus àqueles que O seguem não porque viram "milagres", mas porque satisfizeram seus interesses temporais. Depois, Cristo diz literalmente que é o "Pão vivo que desceu do Céu" e que "quem dele comer não morrerá". "Se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós", insiste Jesus, para escândalo e horror dos fariseus. Conforme explicam os estudiosos bíblicos, "os ouvintes compreendem perfeitamente o sentido próprio e direto das palavras do Senhor" naquele momento. Por isso, não é possível dizer que Jesus estivesse a falar de modo figurado, pois Ele mesmo não faz tal distinção. Ao contrário, diz com toda clareza que o Pão a ser dado é Sua Carne "pela vida do mundo".

Quando vamos ouvir o testemunho dos cristãos primitivos, somos interpelados por exortações piedosíssimas acerca do devido respeito à celebração eucarística, "pois", ensinavam eles, "não é pão ou vinho comum o que recebemos". É o caso, por exemplo, das famosas cartas de São Justino Mártir, cuja descrição da Santa Missa apresenta uma coerência incrível com a maneira como a vivemos hoje, desde os ritos iniciais ao rito da comunhão. "Reunimo-nos todos no dia do Sol, não só porque foi o primeiro dia em que Deus, transformando as trevas e a matéria, criou o mundo, mas também porque neste mesmo dia Jesus Cristo, nosso salvador, ressuscitou dos mortos", ensinava o santo mártir, exaltando ainda a importância da participação dominical no sacrifício do Senhor.

Na dura luta contra os gnósticos, o grande bispo e mártir Santo Irineu de Lião não deixou de evocar a seu favor os ensinamentos apostólicos sobre a sacralidade da carne e humanidade de Cristo, presentes também na Eucaristia, para nosso alimento e salvação. Sem hesitações, o santo afirmava: "O Senhor declara que o cálice, fruto da criação, é seu sangue, que fortalece o nosso sangue; e o pão, fruto também da criação, é o seu corpo, que fortalece o nosso corpo". "Portanto", prosseguia ele, "quando o cálice de vinho misturado com água e o pão natural recebem a palavra de Deus, transformam-se na Eucaristia do sangue e do corpo de Cristo". Notem ainda que, segundo o que se conhece, Santo Irineu recebeu a catequese de ninguém menos que São Policarpo de Esmirna, que, por sua vez, havia sido discípulo de São João Evangelista. A conclusão, por isso, não pode ser outra: a devoção eucarística é de origem apostólica.

Outra prova de que a Eucaristia é um sacramento instituído por Deus, e de que seu efeito e validade estão presentes unicamente na Igreja Católica, é a unidade dos fiéis no Corpo Místico de Cristo. Como reza São Tomás de Aquino, o Santíssimo Sacramento conduz-nos "àquele inefável convívio" em que Deus, Seu Filho e Seu Espírito Santo, são para os santos "a luz verdadeira, a plena saciedade e a eterna alegria, a ventura completa e a felicidade perfeita". De fato, a graça produzida pela Eucaristia, de cuja força a Igreja vive e peregrina continuamente, foi o grande "escudo" e "proteção" contra as insídias de Satanás ao longo desses dois mil anos de história e perseguições.

Infelizmente, a rejeição da Eucaristia por parte dos protestantes, sobretudo no ramo neopentecostal, faz com que seus interesses se tornem demasiado "temporais", em consonância com a que hoje se chama teologia da prosperidade. Por isso, muitos fiéis protestantes não têm a mínima crise de consciência na hora de "pular de galho em galho", por assim dizer, atrás da igreja que melhor lhes aprouver — fato que está muito longe da espiritualidade dos primeiros cristãos, perseverantes que eram "ao ensino dos Apóstolos, à união fraterna, à fração do pão, e às orações" (At 2, 42). A Eucaristia está presente desde o início, como se pode atestar, e se mostra, por conseguinte, como a prova inconteste da autenticidade da Igreja Católica Apostólica Romana.


fonte: padrepauloricardo.org/blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas