quinta-feira, 30 de junho de 2016

Que título agrada a Deus?

Certa vez, numa palestra que participei sobre ideologia de gênero, proferida pelo pró-vida professor Felipe Neri testemunhei, assim como todos os presentes, uma contra resposta referente a apresentação que o organizador do evento fez em menção aos diversos cursos e diplomas que o professor tinha. Após toda a lista ter sido apresentada, o professor Felipe Neri, dirigiu-se ao palco do auditório, empunhou o microfone e disse:

“Boa tarde a todos, antes de mais nada quero ressaltar que foi esquecido de mencionar algumas coisas referentes a minha apresentação que são as mais importantes. Eu sou filho de Deus, católico e pai de cinco filhos, quatro vivos e um falecido, todos com a mesma mulher, minha esposa”.

Então os presentes responderam com um caloroso aplauso, percebendo a envergadura assumida deste homem. E este tipo de comportamento é o que realmente Deus espera de nós. Também em outra ocasião, o palestrante Padre Duarte Souza Lara de Portugal seguiu na mesma linha a respeito da nossa condição cristã. Dizia ele: “A pessoa se forma em engenharia e logo faz o seu cartão de visitas. Coloca o seu nome e embaixo coloca a sua profissão: engenheiro. Quero lançar um desafio”, disse o padre. “Por que não colocar abaixo do seu nome o dizer “filho de Deus? ” Ou ainda, ao atender o telefone, se identificar dizendo, sou fulano, filho de Deus? ”

Percebemos que tanto o clero quanto os leigos bem enraizados no caminho de Deus dão pleno testemunho de sua condição filial, seja por pensamentos, palavras e atitudes. Afinal, como dizia São João Maria Vianney, de que adianta gastar o seu tempo aprendendo sobre coisas que, caso você não saiba, não irão te prejudicar em sua salvação?

É preciso cautela e um olhar constante e esperançoso na eternidade, além de uma visão sobrenatural da vida, pois do contrário, corremos o risco de acumularmos conhecimentos, títulos, diplomas e certificados que podem nos afastar da fé simples, autêntica e verdadeira que é capaz de nos manter em pé perante a cruz, como aconteceu com Nossa Senhora.

Alguns irão argumentar dizendo que ninguém dá aquilo que não tem e que ninguém ama aquilo que não conhece, justificando o constante estudo religioso sobre os temas da fé e companhia ltda. Ora, são frases de grandes santos e já comprovadamente isentas de qualquer erro. Porém, é preciso os dons do Espírito Santo para compreendermos com aquele olhar que Jesus espera de nós, quanto bem estamos a fazer para nossa alma com o tempo que Deus nos deu. Santo Antão nos confirma em sua biografia que a única arma do cristão é a oração. Padre Pio, grande devoto da Virgem Maria, chamava o Santo Rosário de “a arma” e saibam que essa expressão foi a própria Virgem Santíssima que usou quando entregou o Rosário a São Domingos de Gusmão. E mais, Santa Maria Faustina Kowalska, aprendeu direto do mestre o que realmente se precisa saber para ir ao céu. Ela era mulher de constante oração e confissão, adoração ao Santíssimo Sacramento, leituras bíblicas e participação ativa e constante na santa missa.

É sabido de muitos santos, que tantos chegavam a chorar quando algum impedimento de força maior os impedia de ir à missa. Hoje em dia é assim com o povo de Deus? Cada um sabe das coisas. Faustina que tanto era arguida pelo clero da época, que se admirava com sua sabedoria, muito além dos estudiosos da época, o mesmo acontecendo com Santa Bernadete, cuja empregada, que ficou de lhe dar a catequese para essa pobre moça do campo, que só sabia a oração do Santo Anjo e a Oração da Medalha de Nossa Senhora das Graças, chegou a dizer que ela não iria prestar para nada e o que vemos na história dessa jovem santa?

É preciso abraçarmos as coisas que não passam, isso é rezado numa oração pós comunhão na santa missa. Uma fé simples livre de “temperos” é o que devemos ter. É preciso buscarmos uma fé que brote do coração, mas que, como nos recorda São Tiago 3,13-18, venha de cima. Busquemos essa fé e sejamos imitadores daqueles que pela fé e paciência se tornaram herdeiros das promessas (Hebreus 6,12), eis o que nos pede também Nossa Senhora. Ela disse em suas aparições, “aprendam com a vida e o exemplo dos santos”.

Adianta falar eu sou formado nisso, naquilo e naquele outro, tenho diploma disso, daquilo e daquele outro, estudei isso, aquilo e aquele outro e li isso aquilo e aquele outro se, no final das contas tudo isso te afastou daquele ensinamento que Jesus e Maria transmitiram aos seus santos e santas? É preciso com diz São Paulo, fazer aquilo que convém. Com uma alma apenas e só esta vida para salva-la é fácil de se compreender que o tempo que Deus nos concede é preciosíssimo demais para consumirmos só com teorias.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas