quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A importância dos pais na catequese dos filhos

Catequese significa “fazer ecoar a palavra de Deus”. Sendo assim, a catequese dos filhos é algo que precisa ser levado em primeiro lugar pelos pais (Mateus 6,33). Infelizmente, a falta de conhecimento, empenho, dedicação e amor pela causa, que é tão importante na vida dos filhos, acaba fazendo com que pais e responsáveis terceirizem a parte que lhes cabem.

Nem sempre foi assim. Em gerações passadas o ensino religioso vinha numa constante e forte tradição de pai para filho. Tradição esta que é comprovada biblicamente (2ª Tessalonicenses 3,6). Sempre, o que se recebeu passou-se adiante. E também esta tradição foi um mandato divino concedido por Deus Pai: Deuteronômio 6,6-7: “Os mandamentos que hoje te dou serão gravados no teu coração. Tu os inculcarás a teus filhos, e deles falarás, seja sentado em tua casa, seja andando pelo caminho, ao te deitares e ao te levantares.”

Pois bem, os pais que são responsáveis, se arguidos sobre algumas atitudes podem prontamente dar respostas aos mais diversos questionamentos. Vamos ver como é. Por que os filhos são levados para tomarem vacina? Por que os filhos são ensinados a tomarem banho e cuidarem da higiene do corpo? Por que os filhos são encaminhados para vida escolar? E tantas outras perguntas que poderiam ser feitas aos pais. Muito bem, qualquer pai que não vê seus filhos como uma “bagagem” sabe porque faz todas essas coisas. Sabe da importância que elas têm na vida de seus filhos.

Mas, tudo isso são valores que servem para a vida corporal, material, intelectual e social. E ainda assim tantos pais não participam destas atividades pois acham que é papel das entidades, vistas desta forma como terceirizadas. Vamos a um exemplo apenas. Quantos pais dizem que a criança foi para a escola para aprender, que elas tirem suas dúvidas com as professoras que são pagas para isso? Basta o filho querer tirar alguma dúvida em casa ou pedir auxílio nas tarefas que vieram com ele da escola e pronto: o pai manda a criança para a mãe, ou vice-versa, ou num passe de mágicas, a paciência se vai pelo ralo. E num golpe certeiro de egoísmo, pois não posso abrir mão do meu descanso, eu que trabalhei o dia todo, empurro meu filho para o mundo e sua tecnologia escravizadora. Nem ao menos tem tempo para ouvir a respeito de como foi o dia da criança. Mas não se preocupe, pai “desnaturado”, o mundo vai suprir a sua falta. Ele, que é comandado por seu príncipe (João 14,30), tem tanto a oferecer ao seu filho e a oferecer em abundância.

Portanto, se como pais sabemos o quão é importante acompanharmos as atividades que nossos filhos desempenham e participam para esta parte de suas vidas, muito mais é importante o fazermos no que diz respeito ao que ele precisa para um dia chegar ao céu. Como pais não temos direito de nos omitirmos quando vemos alguém a cometer erros na vida que irão lhes custar a condenação. Nossa preguiça e omissão são faltas graves. Em Ezequiel 3,20-21 aprendemos de Deus que seremos cobrados se cometermos essas faltas uma vez que as faltas graves (pecados) nos afastam do amor de Deus, rompem sua amizade conosco e nos privam das graças santificantes que tanto precisamos para nos salvar.

Além de participar da catequese dos filhos é importante catequiza-los e isto, como vimos é uma obrigação e um mandato divinos.

Artigo relacionado:

O papel dos pais na catequese


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas