quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Recordações do Martírio

A parte mais dramática de ser católico reside na vocação de estarmos sempre preparados para o martírio. Ainda que nem todos estejamos marcados para realmente morrer por ódio à Fé, manchetes anunciando a ação mortal do Estado Islâmico e de outros grupos que odeiam a Igreja lembram-nos que também nós podemos receber esse chamado e nos recordam que martírios não são alguma história do passado distante da Igreja, mas uma parte verdadeiramente real de nossa história hoje — em todos os tempos, na verdade.

No último dia 14 de agosto, a Igreja celebrou duas diferentes expressões de martírio, separadas por mais de 450 anos: os mártires de Otranto, na Itália, e São Maximiliano Kolbe, na Polônia. Embora suas histórias façam parte de nosso passado, o exemplo deles pode iluminar nosso presente, ajudando-nos a ver o que podemos enfrentar em nossas próprias vidas e o que devemos fazer para cumprir nossa vocação cristã.

Os turcos do Império Otomano aterrorizaram durante muito tempo o mundo cristão. Liderados pelo feroz sultão Maomé II, o Conquistador, que começou a varrer territórios com apenas 19 anos de idade. Sua meta era dominar todo o mundo cristão mediterrâneo, incluindo Roma. Maomé mandou seu almirante Gedik Ahmed Paxá fazer um ataque surpresa no sul da Itália, começando com a cidade de Otranto, em 28 de julho. Por mais de duas semanas os cidadãos de Otranto resistiram à entrada dos otomanos, rejeitando os seus termos de rendição. Como a cidade possuía uma frágil reserva de 50 soldados, os civis entraram na batalha. Suas defesas porém não durariam para sempre e, no dia 11 de agosto de 1480, os muros da cidade cederam. Os invasores correram à catedral, onde encontraram o arcebispo Stefano Agricoli, velho e débil, vestido com paramentos litúrgicos, rezando a Missa, juntamente com todo o clero e o povo da cidade, pela salvação de Otranto. À vista dos invasores, o arcebispo instou seu rebanho a permanecer fiel à Fé, enquanto ele mesmo era capturado e morto no local. Os padres do lugar, todos reunidos na catedral em torno de seu bispo, foram martirizados do mesmo modo. Foi a vez, então, do resto dos sobreviventes da cidade: todos os homens com mais de 50 anos foram mortos; mulheres e crianças abaixo de 15 anos foram levados como escravos.

Ao fim do massacre, restaram vivos ainda em torno de 800 homens. O almirante Paxá falou com eles, oferecendo-lhes a escolha de converterem-se ao Islã ou morrerem. Consigo o almirante trazia inclusive um padre apóstata, chamado João, usado para chamar os homens a unirem-se a eles, ao invés de morrerem na mão dos turcos. Antonio Primaldi, um velho alfaiate, manifestou-se rejeitando a oferta e encorajando seus companheiros a fazerem o mesmo, morrendo como mártires pela Fé. Todos os 800 homens concordaram e, no dia 14 de agosto, depois de receberem uma última chance de salvarem as suas vidas convertendo-se ao Islã (proposta novamente recusada por todos os 800), todos eles foram mortos, tendo seus corpos sido depositados em uma cova profunda.

Maximiliano Kolbe morreu muito mais recentemente que os mártires de Otranto. Sua história é bem conhecida. Nascido em uma humilde família na Polônia, o jovem Raimundo (Maximiliano foi o nome religioso que ele tomou depois) recebeu uma visão da Virgem Maria, oferecendo-lhe a escolha de duas coroas, uma branca, da pureza, e uma vermelha, do martírio. O garoto pediu pelas duas e as receberia. Como adulto, juntou-se aos Franciscanos e terminou fundando sua própria ordem, a Milícia da Imaculada. Ele e seus irmãos religiosos logo entraram em conflito com os nazistas, que tinham tomado a Polônia. Como os turcos otomanos, os nazistas tentaram tomar a Europa e eliminar o Cristianismo. Como os muçulmanos, os nazistas começaram perseguindo padres e religiosos. Kolbe e sua Milícia tomaram uma posição vigorosa contra os nazistas, que levou à prisão de Kolbe em fevereiro de 1941, quando ele foi levado a Auschwitz.

Ali, São Maximiliano servia os prisioneiros, enquanto sofria o abuso de seus sequestradores. Os oficiais em Auschwitz tinham um particular desprezo pelos sacerdotes católicos, motivo pelo qual Kolbe sofreu severamente. Veio então o dia fatal. Três prisioneiros haviam escapado, e o comandante nazista reuniu todos os prisioneiros do quarteirão, forçando-os a permanecerem a postos até que os fugitivos fossem encontrados. Como voltassem das buscas de mãos vazias, o comandante selecionou dez homens para serem executados no lugar dos fugitivos. Um dos selecionados desabou a soluçar, lamentando por sua mulher e filhos. Kolbe deu um passo à frente para tomar o seu lugar e oferecer a sua vida, a fim de que aquele homem sobrevivesse. O comandante aprovou, e Kolbe e outros nove homens foram levados a uma câmara de gás. O padre deixou o outro homem com cânticos e orações, e no dia 14 de agosto de 1941, cerca de duas semanas depois, os prisioneiros sobreviventes, incluindo Maximiliano Kolbe, foram mortos por injeção letal.

Como os católicos de Otranto, os mártires cristãos dos tempos atuais morreram na mão de militantes islâmicos. Como aqueles católicos assassinados no século 15, o mártir moderno enfrenta a escolha de abandonar a Fé para salvar a própria vida. Como aqueles bravos homens em Otranto, também o mártir de hoje permanece firme, diz não, e enfrenta a espada do inimigo da Fé com fortaleza e caridade.

Essas duas histórias de martírio oferecem-nos exemplos do sacrifício a que somos chamados por causa de nosso batismo. Hoje, o mesmo mal que dilacerou a Cristandade pela espada dos turcos otomanos e pela bota dos nazistas ameaça destruir nossa Igreja e a Fé. Mesmo contra esse mal, a força de mártires como aqueles de Otranto ou como São Maximiliano Kolbe, dão-nos um modelo de apostolado. Pode até não acontecer que venhamos a testemunhar Cristo com nosso sangue, mas todos, sem exceção, somos chamados a ser suas testemunhas.


fonte: padrepauloricardo.org/blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas