terça-feira, 6 de setembro de 2016

Devemos temer a Deus?

As Escrituras dizem que "o temor de Deus é o princípio da sabedoria" (Sl 110, 10) e a Igreja, por sua vez, enumera este como um dos sete dons do Espírito Santo. A alguns ouvidos, porém, a expressão "temor de Deus" pode soar estranha. O que ela realmente significa? Por acaso devemos "sentir medo" de Deus? Não seria isso contrário ao mandamento do amor, que é o maior de todos os preceitos? Em primeiro lugar, o testemunho das Escrituras é muito claro: Deus deve sim ser temido. Para confirmá-lo, Santo Tomás cita pelo menos dois versículos bíblicos: "Quem não te temerá, ó Rei das nações?" (Jr 10, 7) e "Se eu sou o Senhor, onde está o temor que me é devido?" (Ml 1, 6).

É óbvio que não vale, para contradizer essas passagens, dizer que elas "estão no Antigo Testamento", como se as palavras que Deus inspirou aos patriarcas e profetas valessem menos que as do Novo; ou como se o Deus de Abraão, Isaac e Jacó fosse diferente do Deus que se fez carne e veio fazer morada no meio dos homens — Jesus Cristo. O que precisamos fazer, como bons católicos, é ler em sintonia tanto as páginas do Velho quanto as do Novo Testamento. Se algo parece entrar em contradição — coisa que acontece não poucas vezes a quem tem o hábito de ler e meditar as Escrituras —, "mãos às obras" dos bons teólogos, que são os santos. Eles podem nos ajudar a compreender o que diz a Palavra de Deus.

A resposta do Doutor Angélico é de uma clareza cristalina. O temor é algo colocado nos seres humanos para que eles fujam do mal. Ora, Deus é o sumo Bem, não devendo ser temido, portanto, como se fosse um assaltante ou uma pessoa má, mas só enquanto "podemos ser ameaçados de um mal, quer proveniente dele, quer relativamente a ele": quer um castigo nesta vida, portanto, quer a separação de Deus, que acontece quando caímos na desgraça do pecado mortal.

São João afirma que "o perfeito amor lança fora o temor, pois o temor implica castigo, e aquele que teme não chegou à perfeição do amor" (1 Jo 4, 18); e que Santa Teresinha do Menino Jesus, já ao final de sua vida, confessa: "Não posso temer a um Deus que se fez tão pequenino por mim... Amo-o!... Pois ele é só Amor e Misericórdia!" O temor filial, no entanto, é um dom do Espírito Santo e integra o organismo espiritual que nos faz amigos de Deus. Por isso, os santos — todos eles, sem exceção — temeram ao Pai do Céu. Evidentemente, não com o temor de Adão e Eva, que se esconderam da face divina por verem nEle um inimigo ou um adversário (cf. Gn 3, 8). O sadio temor de Deus é o que tinha a Virgem Maria, que proclamou em seu Magnificat: "Sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem (timentibus eum)" (Lc 1, 50).

Santo temor de Deus é o que tinha São João Maria Vianney, quando rezava: "Eu Vos amo, Senhor, e a única graça que Vos peço é a de amar-Vos eternamente. Eu Vos amo, meu Deus, e desejo o céu para ter a felicidade de Vos amar perfeitamente. Eu Vos amo, meu Deus infinitamente bom, e temo o inferno porque lá não haverá nunca a consolação de Vos amar."

Essas orações, feitas por pessoas de grande caridade, mostram como o temor filial, ao contrário do servil, anda sempre de mãos dadas com o amor. Quem ama, afinal, está unido à pessoa amada — já que a união é o ato próprio do amor — e a coisa que mais teme é ver-se separado do objeto amado. Por isso, São Domingos Sávio, desafiando o mundo, assumia o compromisso de "antes morrer do que pecar", tão grande era o seu amor a Deus e o medo de perder a sua amizade pelo pecado.

Quanto a nós, procuremos trilhar o mesmo caminho de amor que seguiram os santos, determinando-nos a perder tudo para não ofendermos a Deus, que é o único verdadeiro Bem de nossas almas. Até que, no Céu, não nos reste senão o temor reverencial de criaturas, uma vez que estaremos permanentemente unidos a Deus, e desta vez para sempre, sem possibilidade nenhuma de separação.


fonte: padrepauloricardo.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas