segunda-feira, 22 de maio de 2017

A resposta de Maria ao pastor

Para muitos católicos esse episódio que aconteceu no dia 12 de outubro de 1995, onde o Pastor da igreja universal Sergio Von Helder chutou ao vivo durante uma emissora de tv, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, causou profunda indignação aos fiéis de nossa nação. Após o ocorrido sabe-se que ele foi relocado para os Estados Unidos para outra filial. E fim do assunto, não falemos mais nisso. Mas o céu, porém, não deixa nada de lado. Nossa crença católica em Jesus Cristo, que veio a mando do pai se encarnar pelo seio da Virgem Maria e foi submisso a ela e a São José, seu pai nutrício por amor a Deus e para dar testemunho de tudo que cerca o plano de salvação do criador, não teria nos deixado o mandamento de honrar pai e mãe se ele mesmo não desse o exemplo. Do contrário seria um hipócrita exatamente como os fariseus tão criticados por ele mesmo. Pobres de tantas pessoas que acham que Maria Santíssima foi apenas usada por Deus para que Jesus viesse ao mundo, como se Jesus não pudesse vir na forma adulta, e depois a tivesse descartado, como um homem faz depois que se relaciona com uma prostituta. Muitos não católicos ainda dizem que Nossa Senhora não era santa, que não existe esse negócio de santo e santa, basta olhar para o episódio em que ela foi, assim como qualquer pecador, fazer sua oferenda de expiação no templo. Quanta burrice por parte dos não católicos. Não existe alguém no mundo, nem nunca existiu que se proclamasse santo ou santa. Existe o caminho de Jesus que é um caminho de santidade que aqueles que aceitam passar por ele terão como prêmio a glória eterna do paraíso, concedida aos santos. Em vida estamos em processo de santificação ou de condenação.

No caso de Maria, ela que era a toda cheia de graça, segundo as palavras do mensageiro de Deus, Gabriel, mostrou em todas as passagens que lhe consta um total exemplo de humildade e seguimento dos preceitos. Ela não ficou “se achando” e ao contrário ainda disse que devemos fazer “tudo que Jesus disser”. Sendo assim, depois da transformação da morte, já que somos membros do corpo de Cristo e Maria, também o é, todos intercedem uns pelos outros, estando na igreja militante ou triunfante, na terra ou no céu. Entre os vivos pedimos aos céus, os vivos (como demonstra no livro do Apocalipse) recebem a intercessão dos que já estão face a face com Deus. Nós rezamos pelos que estão na igreja padecente (purgatório) e quando assim fazemos, nos colocamos, algumas vezes na frente das imagens católicas de Jesus, de Maria e dos Santos.

É muita tolice de quem não conhece a doutrina católica imaginar que estamos rezando para a imagem de gesso ou de madeira ou de pedra como faziam os povos pagãos aos muitos deuses de suas épocas. No catolicismo as imagens são uma forma visível que ajuda o fiel a dirigir suas orações ao seu protótipo, com confirma o catecismo. Pois bem, depois que o tal pastor foi para os Estados Unidos, sua história continuou e foi posteriormente testemunhada por ele mesmo.

Depois de um tempo ele começou a sentir fortes dores na perna em que ele havia chutado a imagem. Procurando os médicos começou um tratamento especializado, mas que necessitou o seu internamento. O tratamento segundo o pastor era o melhor possível e o atendimento exemplar. No entanto havia uma enfermeira negra que sempre lhe dedicou uma atenção especial, acompanhando-o durante todos os momentos difíceis e de muita dor, principalmente durante as noites em que a dor insistia em não passar, cuidando de sua perna e dando-lhe conforto e esperança. E assim o tempo passou e aos poucos o tratamento foi dando resultado, até a cura completa. Feliz por sua alta ele deu uma festa de despedida e agradecimento no hospital e percebeu que a tal enfermeira não estava presente. Perguntando então aos responsáveis eles lhe informaram que nunca existiu naquele hospital uma enfermeira negra. Então o pastor compreendeu a mensagem dos céus e de que se tratava da própria Mãe de Deus, que lhe respondeu a agressão e humilhação com um belíssimo gesto cristão bem aos moldes de seu filho Jesus Cristo, não o abandonando. Ele, que tomado de vergonha, remorso e arrependimento terminou por se converter ao catolicismo, hoje dá esse testemunho a quem quiser ouvir, testemunho que já foi transmitido na tv Canção Nova. Assim devemos ser, seguidores de Jesus e de Maria porque quem segue Maria irá acabar nos braços de seu filho, caminho, verdade e vida pelo qual ninguém vai ao pai senão por ele.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas