terça-feira, 26 de junho de 2018

Diante da Cruz

Lucas 9,23 – “quem quer me seguir, renuncie a si mesmo e tome sua cruz dia após dia”. Jesus, como vemos nesse trecho bíblico não economiza nada quando o assunto se trata de ser direto em relação a nossa salvação. A expressão mais direta, incisiva e dura que podemos encontrar nessa frase, porém, grandiosamente libertadora, é a expressão “renuncie a si mesmo”. Eis um dos grandes segredos da santidade, que é sinônimo de felicidade: a renúncia completa de si próprio. Um exercício sem dúvida alguma, para tantos, de proporções titânicas. Como viver uma vida renunciando até mesmo às próprias vontades? Que amor exigente de Deus por nós é esse que pede de nós completamente tudo? Não parece meio exagerado? Olhemos e veremos que não é, e nem um pouco.

Afinal, Jesus não pensou duas vezes quando a mando do Pai se encarnou no seio da Virgem Maria para habitar entre nós e passar pelo que passou para nos libertar do pecado impagável pela nossa natureza humana. Ele não disse a Deus que isso era um exagero, que ele até poderia vir aqui, no meio dos mortais, agora, padecer o que o esperava aí já se tratava de um exagero! Como sabemos não foi nada disso que aconteceu. Não há esforço medido na atitude do redentor, nunca houve e nunca haverá, isso está garantido pelas suas palavras, documentadas nas sagradas escrituras.
Como vemos, se acatamos esse amor que quer nos salvar e que não compreendemos plenamente, como resultado dessa atitude nossa, que é uma resposta ao primeiro passo de Deus, que vem ao nosso encontro porque nos quer com ele na glória eterna, recebemos do Cristo a nossa cruz, que precisa ser carregada todos os dias, conforme nos recorda Jesus, onde apenas no alto do calvário (nosso calvário pessoal), iremos coloca-la ao lado da cruz de nosso salvador. Se queremos ser salvos, precisamos ser santos, se queremos ser santos é porque queremos ser felizes, se queremos ser felizes é porque não queremos levar uma vida que desagrade a Deus e se queremos viver assim, devemos nos aproximar dele através dos meios que nos deixou na economia da salvação: os sacramentos.

De criaturas devemos passar a ser filhos de Deus, de filhos de Deus salvos do pecado original pelo batismo devemos comungar com Jesus e por ele, crismados, vivermos uma vida evangelizadora testemunhando a fé que professamos. Nos aproximemos dos sacramentos, das orações, das leituras sagradas, sejamos firmes pois ele mesmo nos disse que tudo isso praticado de forma perseverante (Mateus 10,22) nos trará como recompensa a coroa da glória eterna.


fonte: Jefferson Roger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas