quarta-feira, 8 de agosto de 2018

A crise da catequese católica

Dizer que há uma crise no mundo da catequese católica é um eufemismo. Três gerações de jovens católicos foram mal servidos pela formação na fé que eles mereceram, mas não receberam. Claro, eles não se opuseram muito, nem o fazem atualmente. Muitos simplesmente se foram do nosso meio, nunca tendo conhecido a riqueza da fé que abandonaram. Os católicos há muito que agonizam com as causas da má catequese.

Há demasiadas homilias que são longas em afirmações vagas de que devemos nos amar uns aos outros, mas tristemente desprovidos de doutrina e advertências contra o pecado. Há a confusão doutrinal que veio com “o espírito do Vaticano II”. Todos os catequistas modernos são mal formados na própria fé. As aulas diárias de religião nas escolas católicas do passado foram substituídas em grande parte por sessões semanais de 45 minutos para crianças de escolas públicas chamadas de ensino religioso. E por aí vai, nem vamos nos alongar aqui.

Coloco aqui um parêntese indicando para ilustração, John Dewey (1859-1952). Um filósofo e reformador da educação que influenciou fortemente a educação americana até hoje. Talvez seu princípio mais importante seja que o objetivo da educação é ensinar as crianças a aprender e pensar, em vez de transmitir informações de uma geração para outra. Ele afirmou que as verdades são descobertas em vez de ensinadas.

Nos círculos educacionais católicos comuns, a influência de Dewey pode ser vista por aqueles que afirmam que ajudar os alunos a experimentar o amor de Deus é muito mais importante do que ensinar um conjunto de dogmas. O Amor de Deus e as graças que nos chegam por causa desse Amor é claramente de suma importância. No entanto, para enfatizar a experiência se corre o risco de se cometer um erro grave. Quem sabe todos nós já ouvimos - ou talvez até dissemos - “me sinto mais perto de Deus andando pela floresta do que na igreja”. A experiência ocasional de sentir que Deus está ao nosso redor pode ser maravilhosa, mas a experiência não é suficiente. Não podemos passar a vida saltando de experiência em experiência. A vida é vivida no dia-a-dia. Para cada grande experiência, há meses de tédio.

Como isso pode se relacionar com a vida de um católico em desenvolvimento? Vamos pensar em um jovem que tenha uma intensa experiência religiosa. Infelizmente, essas experiências são geralmente de curta duração, passando rapidamente em meio às pressões da escola, do trabalho ou dos amigos. É uma história muito antiga e muito comum. Nosso Senhor nos disse na parábola do semeador. É a história da semente que caiu no solo rochoso, brotou rapidamente e depois secou.

Os alunos às vezes ficam entediados. Eles precisam aprender a lidar com isso, como todos nós fazemos. Em algum momento da vida, as experiências tornam-se tediosas quando se tornam comuns. Quando o trabalho que podemos fazer se torna entediante, só temos que sorrir e aguentar - ir para o trabalho e voltar para casa todos os dias não é uma atividade opcional. Não ir ao trabalho traz sérias consequências financeiras.

Isso também é verdade na vida da Igreja. Às vezes, ir à Santa Missa é uma bela experiência. Outras vezes, nossa natureza humana caída faz com que não nos concentremos na beleza da Missa. Passamos a ver a Missa como uma obrigação. Se temermos o tédio e adorar cada nova experiência, poderemos decidir não ir à missa. O não cumprimento dessa obrigação constitui pecado mortal. Podemos ir à missa semana após semana e não ver nenhum benefício óbvio. No entanto, às vezes vamos à missa porque é uma obrigação e se torna uma experiência em que sentimos Deus derramando Sua graça. O fato da obrigação vem em primeiro lugar - a experiência não acontece sem ela.

Nenhum estudante pode ser animado em graça. Os catequistas não fornecem a graça. A graça é uma dádiva gratuita de Deus, para ser dispensada em Seu tempo e em Seu caminho. O trabalho do catequista é ensinar as verdades da fé e orar para que Deus providencie as graças que tornam essas verdades significativas.


fonte: adaptado de www.tfp.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas do blog

Postagens mais visitadas no ano