O Sacramento do Batismo


É FUNDAMENTAL QUE TODO cristão compreenda bem a importância da graça do Batismo em sua vida. Este artigo, claro, não é suficiente para esclarecer completamente toda a riqueza e o valor do maravilhoso Sacramento do Batismo. Serve mais como um convite à reflexão.

O batismo de João e o Batismo cristão

Ninguém pode compreender o Batismo sem pensar na Ressurreição de Jesus. Na madrugada daquele domingo glorioso, o Pai derramou o Espírito Santo, Espírito de Ressurreição, sobre o Filho: seu Corpo e Alma foram ressuscitados. Jesus ficou pleno do Espírito Santo, de modo que sua natureza humana tornou-se gloriosa: Jesus foi manifestado na carne (natureza humana) e justificado (e ressuscitado) pelo Espírito (1Tm 3, 16).

Jesus Cristo, glorificado pelo Espírito Santo, entrou no Cenáculo de Jerusalém e derramou o Espírito da Ressurreição sobre os Apóstolos: “A paz esteja convosco! Recebei o Espírito Santo (Jo 20, 19-22)!” Jesus recebeu do Pai o Espírito Santo prometido, batizou nEle a Igreja e derramou sobre nós este mesmo Espírito (At 2, 32)!

João Batista já havia profetizado: “Eu batizo com água, mas vem aquele que batizará com o Espírito e com Fogo” (Jo 1, 33; Lc 3, 16). O batismo de João, na água, era preparatório para a vinda do Messias: ainda não era o Sacramento do Batismo, não era o Batismo cristão. É o Messias, isto é, o Ungido no Espírito de Ressurreição, quem batizará no Espírito. Cristo mesmo diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim, o Senhor me ungiu” (Lc 4, 18). Os cristãos, portanto, nunca tiveram “batismo nas águas”: o nosso Batismo é no Espírito Santo! Falar em “batismo nas águas” é voltar ao Antigo Testamento; é parar em João Batista e desprezar o Sacramento do Batismo trazido por Cristo!

Foi no Domingo da Páscoa que os Apóstolos tornaram-se realmente cristãos; receberam a vida nova do Ressuscitado, foram transfigurados em Cristo! Aí nasceu a Igreja: na Ressurreição! Aí ela foi batizada e recebeu o poder de batizar: “Como o Pai me enviou, assim eu vos envio (Jo 20, 21)!” Assim, a Igreja deve batizar todo aquele que crê. Isto significa acolher Jesus Ressuscitado nas águas do Batismo. A palavra “batizar” vem do grego e significa, literalmente, mergulhar, imergir. Mas não significa mergulhar na água, e sim a imersão no Espírito Santo de Deus, o Espírito prometido que ressuscitou Jesus! É isso que o Evangelho afirma: “Quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus (Jo 3, 5)”. Observe bem: da água, símbolo e sinal do Espírito, renascer do próprio Espírito!

O mesmo Evangelho confirma: “Jesus, de pé, diz em alta voz: ‘Se alguém tem sede, venha a mim e beba!’ (...) Ele falava do Espírito que deviam receber os que creram nEle...” (Jo 7, 37-39). São Paulo explicou: “De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único Corpo (1Cor 12, 13).” Os cristãos não batizam somente na água que purifica o corpo, e sim no Espírito que Jesus dá por sua Ressurreição!

Efeitos do Batismo - Primeiro, o Espírito dado no Batismo é para o perdão dos pecados: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome do Senhor Jesus Cristo, para a remissão dos pecados; e recebereis o Dom do Espírito Santo.” (At 2, 38) Aquele que é batizado, recebendo o Espírito, recebe o perdão dos pecados. O Espírito do Ressuscitado é Fogo que queima todo pecado e Água que faz brotar uma vida nova.

O Espírito nos livra, primeiramente, do Pecado Original. Todos nós, desde a nossa concepção, somos membros de uma humanidade pecadora e desarrumada; uma humanidade que, desde o início, teima em fechar-se para Deus. O resultado é o desequilíbrio, o egoísmo, a falta de rumo.

Pelo simples fato de sermos humanos já fazemos parte deste fechamento em relação a Deus. Somos membros da humanidade, partilhamos do seu passado, que condiciona o nosso presente, o que somos, pensamos e fazemos, assim como o nosso presente condiciona o futuro dos nossos filhos. São Paulo diz: “Todos pecaram e estão privados da Glória de Deus” (Rm 3,23). O salmista canta: “Minha mãe já me concebeu pecador” (Sl 51, 5). É este o sentido do Pecado Original: ninguém nasce justo ou santo diante de Deus. Mesmo a criança, ainda sem pecado pessoal, já traz a marca do fechamento para Deus, do egoísmo, e o manifesta nas suas malcriações, no egocentrismo, nas chantagens infantis... É este estado que chamamos de Pecado Original.

É essa força do pecado que o Batismo, na potência do Espírito Santo, apaga em nós: “Não existe mais condenação alguma para os que estão em Cristo Jesus.” (Rm 8, 1) E aos adultos, também os pecados pessoais são perdoados: “Se Cristo está em vós, o corpo está morto pelo pecado, mas o Espírito é vida, pela justiça (Rm 8, 2.10)”. O Batismo torna-nos realmente santos; somos santificados pelo Espírito daquele que destruiu o pecado: Cristo Jesus.

Aí surge uma questão importante: se é assim, por que continuamos caindo em tentação? Por que continuamos pecando, mesmo depois do Batismo? Para entender esta questão, é necessário saber distinguir o que é pecado e o que é a concupiscência.

Sim, mesmo aquele que crê em Jesus, e vive no seu Espírito, ainda experimenta a fraqueza. Isso acontece porque permanece uma tendência, uma inclinação para o pecado. Essa inclinação, segundo a Escritura e o Catecismo da Igreja, é a concupiscência. “O Batismo confere àquele que o recebe a graça da purificação dos pecados. Mas o batizado deve continuar a lutar contra a concupiscência da carne e as cobiças desordenadas (CIC §2520)”. A concupiscência não é pecado em si, desde que o cristão a combata: a doutrina da Igreja esclarece que a concupiscência foi-nos deixada para que possamos “combater o bom combate (2Tm 4, 7)”. Um mal desejo é concupiscência para o pecado, mas o pecado só se concretiza se alimentamos esse desejo ou se o satisfazemos. Por isso Jesus ensina a pedir ao Pai Celestial: “Não nos deixeis cair em tentação”.

E além do perdão dos pecados, o Espírito que recebemos no Batismo nos une, incorporando-nos em Cristo como membros de um só Corpo. Se temos o Espírito de Cristo, somos uma só coisa com Ele: “Aquele que se une ao Senhor, constitui com ele um só Espírito (1 Cor 6, 17)”! Maravilha das maravilhas! Pelo Batismo, a Vida do Ressuscitado, que é o Santo Espírito, habita em nós! Cristo está em nós e nós vivemos dEle e nEle! Assim, podemos dizer que o Batismo nos “cristifica”. Como São Paulo, podemos dizer: “Já não sou eu que vivo, mas Cristo vive em mim.” (Gl 2, 20)

Batismo das crianças na Bíblia?

A Sagrada Escritura cita vários exemplos de pagãos que professaram a fé cristã e que foram batizados "com toda a sua casa". A palavra "casa" ('oikos', no texto original em grego) designava o chefe de família com todos os seus domésticos, inclusive, sem nenhuma dúvida, as crianças:

"Disse-lhes Pedro: 'Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo. A promessa diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe: a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar'." (At 2,38-39)

"E uma certa mulher chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. E, depois que foi batizada, ela e a sua casa, rogou-nos dizendo: 'Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali'. E nos constrangeu a isso." (At 16,14-15)

"Tomando-os o carcereiro consigo naquela mesma noite, lavou-lhes os vergões; então logo foi batizado, ele e todos os seus." (At 16,33)

"Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor, com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram batizados." (At 18,8)

"Batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro." (1Cor 1,16)

No lugar e período histórico a que os textos sagrados se referem, simplesmente não existiam famílias sem crianças.

Argumentos protestantes e "evangélicos"

Membros de algumas comunidades protestantes (não todas), e "evangélicos" em geral (isto é, pentecostais e neopentecostais) costumam argumentar dizendo que Jesus foi apresentado no Templo quando criança e somente foi batizado na idade adulta, - e que por isso também os cristãos deveriam ser batizados somente quando adultos. - Trata-se de um argumento tão absurdo que é difícil crer que alguém minimamente consciente, de limpa consciência, possa aceitá-lo! Tais pessoas se esquecem de muitas realidades simplesmente óbvias, auto-evidentes.

Em primeiro lugar, o Batismo cristão faz parte do Ministério do próprio Jesus Cristo, que se iniciou aos seus 30 anos. Como é que Jesus poderia ter sido batizado quando criança se o Sacramento do Batismo, naquela ocasião, ainda não havia sido instituído, por Ele mesmo? Ora, o seu Ministério nem havia se iniciado ainda! Quando Jesus veio ao mundo, o cristianismo, - é claro, - ainda não existia. Logo, Ele não foi batizado segundo o costume cristão, simplesmente, porque esse costume ainda não existia.

Os ritos da lei mosaica só deixariam de valer após a Ressurreição do Cristo (cf. Mt 26,61). Por isso é que Jesus foi apresentado no Templo quando criança, pois a lei mosaica ainda valia e o Batismo cristão ainda não existia. Se fôssemos seguir o mesmo raciocínio, de batizar somente na idade adulta porque o Senhor foi batizado adulto, precisaríamos também circuncidar os nossos filhos e observar todos os preceitos da antiga Lei mosaica. Mas o fato é que a circuncisão, que era o sinal da iniciação do judeu na vida religiosa, era praticada nas crianças. - No cristianismo, a circuncisão (sinal da Antiga Aliança), foi substituída pelo Batismo (sinal da Nova e Eterna Aliança). Desta forma, o Batismo também pode e deve ser ministrado às crianças:

"NEle também fostes circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados com Ele no Batismo, nEle também ressurgistes pela fé no Poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos." (Col 2,11-12)

Através do Batismo, o Espírito Santo nos dá um novo nascimento, nos regenerando. Por isso as crianças também devem ser batizadas, pois todos nós já nascemos pecadores. Todos são pecadores e carecem da Graça de Deus, em razão do pecado de Adão, inclusive as crianças: "Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram" (Rm 5,12). - "Certamente em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu a minha mãe" (Sl 51,5).

Ainda mais importante, óbvio e claramente dito nas Escrituras: o batismo de João, na água, como já vimos não é o Sacramento do Batismo, e João mesmo reconheceu que o seu batismo era completamente diferente do Batismo que nos daria o Messias, no Espírito Santo. Além de tudo, batizando crianças, a Igreja obedece ao Senhor, que diz: “Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais” (Mt 19, 14).

Outro argumento protestante é que as crianças não podem crer, e que o Batismo deve ser um ato consciente de quem está sendo batizado. Como vimos, porém, o Batismo regenera o homem. Por acaso se um filho de um protestante estiver doente, seu pai vai esperar que ele cresça para escolher se quer ou não tomar o remédio, ou vai lhe dar esse remédio, pelo seu bem, como responsável que é pela criança? Todo bom pai daria logo o remédio, é claro. O mesmo acontece com o Batismo.

"Tu me tiraste do ventre; Tu me preservaste, estando eu ainda aos seios de minha mãe. Sobre Ti fui lançado desde a madre; Tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe." (Sl 22,9-10)

A prática de batizar os filhos vem desde o princípio do cristianismo. Padres da Igreja primitiva, como Santo Irineu (século II), também atestam que desde o tempo dos Apóstolos a Igreja batiza os pequeninos. Se as crianças ainda não têm fé e não podem escolher por si próprias, são batizadas na fé da Igreja, representadas por seus pais e padrinhos.

Como ensina o Apóstolo Paulo, o Batismo é, na Nova e Eterna Aliança, o que foi a circuncisão na Antiga Aliança: ritual de entrada para o Povo de Deus (Cl 2, 11-12). Os judeus eram circuncidados e admitidos como membros do povo de Israel aos oito dias de vida, e ninguém perguntava se eles queriam ou não. Seus pais, por crerem em Deus e amar seus filhos, davam-lhes o maior presente que podiam: a fé! Exatamente o mesmo se dá no Batismo.

Em sua vida, até hoje, existiram diversos momentos decisivos e importantes, que são comemorados por você, por sua família e amigos todos os anos: o dia em que você nasceu, o dia em que se casou... São comemorações válidas, sem dúvida. E se essas coisas temporárias, que um dia perderão a importância e o significado, pois pertencem a este mundo passageiro, merecem ser celebradas, imagine então o dia do seu Batismo, dia em que você nasceu para a vida eterna, a vida na Graça Divina, que dura para sempre? O dia em que você foi integrado ao Corpo de Cristo?

Responda rápido: qual a data do seu Batismo? Você procura ir à Missa, ou pelo menos rezar de modo especial, nesse dia? Você reflete sobre o grande dom que Deus lhe ofereceu? Pois é...

Vídeo relacionado:

Duração = 9min35s


fonte: o fiel catolico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas